Alquimia do Corpo

· Sabedoria

ÍNDICE

A NATUREZA HUMANA DOS ELEMENTOS
A Natureza Humana do Elemento Terra
A Natureza Humana do Elemento Água
A Natureza Humana do Elemento Ar
A Natureza Humana do Elemento Fogo
A Natureza Humana do Madeira
OS 5 ELEMENTOS NO TAOISMOS
ELEMENTO FÍGADO
ELEMENTO ESTÔMAGO
OS CINCO ELEMENTOS
DIETA CONTRA O CÂNCER
Alimentos que devem ser evitados no câncer
ELEMENTO INTESTINO
CHÁS MEDICINAIS
ELEMENTO CORAÇÃO
10 passos para controlar o sintoma
12 atitudes para manter a pressão arterial sob controle
7 alimentos inusitados que abaixam a pressão
Maneiras de controlar a pressão arterial sem medicação
ELEMENTO CÉREBRO
Onze razões para o seu esquecimento
Dez alimentos ótimos para a memória
Dez exercícios essenciais para manter o cérebro sadio
Cinco técnicas para combater o esquecimento
Oito novas doenças provocadas pelo uso da Internet
Intrevista UNICAMP

A NATUREZA HUMANA DOS ELEMENTOS

A Natureza Humana do Elemento Terra

” Cremos constituir um único ser

e há vários seres em nós, cremos

agir por nossa conta e no entanto

sofremos a influência de muitos seres…”

            Facilita a nossa compreensão a respeito do elemento terra saber que tudo o que diz respeito a este elemento tem forma, tamanho e peso. Isto reflete-se na personalidade da pessoa de forma evidente. Assim é que a pessoa predominantemente terra é pesada, lenta, um tanto avesso às mudanças. Assim é que demonstram propensão por profissões que exigem pouca mobilidade, poucas mudanças. Como expressão de arte preferem a esculturas e confecção de artesanatos. Grande tendência a se tornar colecionador, museólogos, arquitetos.

             Não gosta de mudar, vive “presa” a um local por isso é uma daquelas pessoas que gosta de passar as férias todos os anos num mesmo lugar. Não gosta muito de mudar e por isso muitas vezes vive a vida inteira numa mesma cidade, muitas vezes preferindo ficar sempre numa mesma cidade apegada aos bens materiais, à uma casa, objetos antigo, e coisas assim.

            Qualquer situação nova lhe causa ansiedade ou mesmo irritação. Tendência a manifestar ansiedade de antecipação diante de qualquer evento. Se vai viajar não consegue dormir na noite anterior e em muitas situações pode isto chegar a causar algum distúrbio físico ( vômitos, diarréia )

            O lado da fixidez faz com que ela tema as mudanças tornando-se uma pessoa econômica, exatamente o inverso da pessoa fogo e da pessoa ar que muitas vezes gastam até o que não tem.

            A pessoa terra gosta de pássaros presos em viveiros, mas se houver suficiente influência do elemento ar quer vê-los soltos, livres.

            A pessoa terra é lenta, adora os vegetais, e como profissão prefere a agricultura e outras ligadas ao próprio elemento ar. Tem grande amor as arvores. É bem afeita ao trabalho pesado, responsável, e dotada de sentimentos com fortes raízes.

            Sente-se bem com o contato com a terra por isso sente necessidade de, pelo menos, numa parte, do dia ficar descalça.

          Quando uma pessoa necessita recompor energia, ela pode capta-la na natureza, especialmente no que diz respeito à energia sutil. Assim sendo visando restaurar ou ampliar o índice pessoal de energia sutil mais facilmente pode-se fazer isso bem mais facilmente a partir do elemento ao qual está mais ligado. Assim sendo um pessoa fogo, por exemplo, se recompõe mais facilmente sua energia mantendo-se ao lado de uma fogueira, pela exposição ao sol e especialmente deixando que os raios solares penetrem em sua boca e se projetem sobre o véu palatino. Se a segunda predominância for ar é um bom momento para praticar algum tipo especial de respiração, até mesmo o respirar lenta e profundamente lhe beneficia de forma marcante. A pessoa ar recompõe a energia caminhando ao ar livre, expondo-se à uma brisa suave, e assim sente-se refeita das energias perdidas.

            Prefere os medicamentos vegetais, alimentos vegetais, por isso tem tendência ao vegetarianismo. As pessoas do elemento terra geralmente são comilonas e quando nelas o segundo elemento é o fogo está sujeito a serem pessoas insaciáveis. Prefere alimentos pesados e têm tendência a engordar. O processo de assimilação é lento mas mais lento ainda é o de desassimilação por isto é que tendem a engordar.

            Sente-se bem à sombra de uma árvore ou mesmo se por em contato com uma árvore, admira os penhascos, as montanhas; gostam de alpinismo pois especialmente quando tem forte influência do elemento ar.

            Sexualmente forte mas não dada a aventuras amorosas, nisto difere muito da grande necessidade sexual de fogo e da voluptuosidade erótica de ar.

            Uma pessoa terra facilmente recarrega-se de energia sutil quando se recosta à uma pedra, a um rochedo, ou mesmo à uma árvore, assim como o contato com o sol recarrega a pessoa ar e o contato com a água a pessoa água.

            Terra não exige muito liberdade na sua maneira de viver e adaptam-se bem aos regulamentos. É naturalmente uma pessoa ponderada e que não explode fácil, resiste muito às transformações sociais, morais e religiosas. O fixo é o seu forte,

            Prefere os esportes como atirar dardos, levantar peso e coisas assim.

            São as pessoas que correspondem ao denominado BIÓTIPO PULMONAR = Tai Yin. ( Os japoneses denominam de “Tipo Vaca”.

            São pessoas com corpo gelado, friorentas, pescoço bem desenvolvido, pernas curtas, muito transpirantes.

            Tratam-se de pessoas persistentes e teimosas, que mesmo sabendo que estão erradas não mudam.

       O indivíduo “terra” sempre está em contrato com os sentidos físicos e com o aqui-e-agora do mundo material, por isto raramente é preciso dizer a eles de que modo devem-se adaptar ao mundo para ganhar a vida, como suprir as necessidades básicas, ou como devem persistir até que um objetivo seja alcançado. Estão sempre sintonizados com o mundo das formas que os sentidos e uma mente prática encara como real. Têm compreensão inata a respeito de como o mundo material funciona, e isto lhes dá mais paciência e autodisciplina do que têm os outros elementos. Tendem a confiar mais nos sentidos e no próprio raciocínio do que nas inspirações, nas considerações teóricas, ou na intuição.

          São pessoas interesseiras e com facilidade de relacionamento. O elemento terra tem muita objetividade nas cosias, têm os “pés no chão”, que acreditam mais nos sentidos, nas razões praticas das coisas; mais ligadas aos elementos da subsistência, do suprir necessidades básicas. São receptivas como a terra, mas de decisão forte e grande força de vontade. Têm muita persistência, eficiência e que falam e agem de forma objetiva e cautelosa. Como se ligam nas coisas materiais elas podem facilmente apegarem-se à rotina e à ordem. Geralmente não gostam do lado abstrato das coisas, da filosofia e da metafísica.

         Diz o psicólogo C. E. O. Carter: “Os terra” vêem a natureza como um campo para a manifestação da vida, e por meio da sua afinação instintiva com o mundo material eles são capazes de ajudar a manter a vida através da utilização e do domínio dos processos naturais. Enquanto isto para “ar” a natureza é algo para ser percebida, compreendida e utilizada, sendo a compreensão a condição para uma utilização completa e correta”.

            O Biótipo Pulmonar tem falta de energia no pulmão e excesso no fígado; têm muitos problemas de intestino, hemorróidas, hiper ou hipotensão com igual facilidade; e doenças do aparelho respiratório. O sabor picante atende às funções respiratórias quando em doses moderadas. São recomendados o alho, cebola, rabanete, pistache. O sabor doce lhes é conveniente pois seca o fígado pois que nele há excesso de energia e baixa energia no pulmão.

          Geralmente escolhe atividades e trabalhos diretamente ligados à terra como agricultura, criação de animais. Trabalhos sedentários em gabinetes fechados, escritórios, vida sedentária por excelência. Não gosta de caminhar pois é ou sente-se pesada.

          Quando está em desequilíbrio tem tendência para doenças dos ossos e dos músculos. Gostam muito de sais minerais e vitaminas. Prefere tratamentos à base de massagens, pressão local, cataplasma, ungüentos e coisas assim..

            É mais de fazer do que de mandar, o inverso de fogo e de ar. Fogo manda mas administra e se faz presente incentivando e resolvendo situações, enquanto ar manda mas não estimula, por assim dizer, ar manda e sai de perto. Isto é o que se pode ver observando o próprio elemento. O fogo embora apresente-se em chamas irrequietas, um tanto livres mesmo assim sempre está ancorada em alguma outra coisa, especialmente no elemento terra (mineral, vegetal, etc.) O ar é livre praticamente só está preso à força de gravidade. Ele muda rapidamente e desloca-se para lugares diferentes em rápida sucessão.

            O comportamento sexual de terra embora não seja muito intensamente praticado ele o manifesta de forma um tanto brutal. Gosta de muitos filhos, de prole numerosa e a mulher terra geralmente é uma dona de casa eficiente por ser bem apegada ao lar e aos filhos, por ser caseira e firme nos propósitos.

            A pessoa terra não tende a ter temperamento colérico, explosivo mas, por outro lado, está sujeita a ser rancorosa o que não acontece com o ar e o fogo que são explosivos mas não rancorosos.

            Dificilmente se envolve com os outros, Medem e pesam todas as conseqüências, são comedidos.

            Gostam de colecionar pedras, fósseis, adoram pedras preciosas, por isso mesmo quando não as possuem gostam de trabalhar em oficinas, de jóias, ou serem avaliadores de jóias.

            Os artistas de cada elemento retratam muito das coisas ligadas ao elemento que lhe é peculiar.

            Tendência a mestres a artesão, gostam de construir coisas, escultores, joalheiros. /são ótimos ferreiros e metalúrgicos.

            Uma pessoa do elemento terra gosta muito de contos, estórias e lendas. Tem propósito firme e não desiste facilmente, muito obstinada, pouco impetuosas, não intempestiva.

            Tendência a engenharia, as construções de edifícios, estradas, barragens. Engenharia civil é o seu estudo predileto.

        Pelo que temos descrito vê-se a interação da natureza das coisas, o como uma coisa se reflete numa outra, o como os elementos refletem-se na personalidade, mostrando isto que tudo está ligado e as formas de existência se independem. Assim é que são sábias as palavras do Mestre Philippe de Lyon quando diz:

 … “Cremos constituir um único ser e há milhões em nós; cremos dispor de livre-arbítrio absoluto e não o temos; cremos possuir um pensamento, cremos agir por nossa própria conta, e no entanto sofremos a influência de todos os seres que estão conosco. Cremos possuir uma coisa, e essa coisa é também a propriedade de outros seres que muitas vezes nem conseguimos ver…”

          Vemos que todas as coisas se interdependem, que de alguma forma estão unidas em algum nível, que as coisas embora não estejam unidas em totalidade mesmo assim estão interrelacionadas como decorrência de elos comuns que existem em um nível diferente. Seja em que nível for coisa alguma está isolada pois que há sempre algum tipo de vinculo entre elas.

            Até mesmo na personalidade aquele vínculo se faz presente. Vemos isso nitidamente quando comparamos a personalidade de uma pessoa com as características dos elementos da natureza. Assim é que na personalidade de uma pessoa há o reflexo dos elementos da natureza, em maior ou menor grau de conformidade com a maior ou menor relação com os elementos.

             Pelo que acabamos de dizer vale a pergunta: – Sendo assim as características de uma pessoa não tem nada haver com o espirito, então a maneira de ser de uma pessoa não tem nada haver com o espirito propriamente e sim com o corpo ? – De uma certa forma é assim pois é a matéria, quer a nível genético quer a nível elemental, quem marca as características próprias da maneira de ser, mas temos que considerar que um corpo mesmo sendo moldado segundo bases genéticas e elementais mesmo assim ele constitui-se exatamente aquele corpo que um determinado espirito necessita no seu desenvolvimento. É a matéria quem determina características que o espírito requer assim o que uma pessoa mostra ser é inerente passivamente ao corpo e ativamente ao espírito.

             Para que isso possa melhor entendido voltemos a um exemplo que já usamos em um tema anterior em que dissemos que o corpo é o instrumento e o espirito o musicista. As características do som, etc. são inerentes ao instrumento (elemento passivo) mas a habilidade de toca-lo é do musicista (elemento ativo). O instrumento é moldado não pelo musicista, apenas é utilizado por ele segundo a sua capacidade pessoal. Se um musicista sabe tocar piano é este o instrumento que necessita para se apresentar e receberá um piano e não uma flauta para faze-lo.

             Assim também é verdade no que diz respeito à relação espírito/corpo. Este é moldado independentemente do espirito mas é possuído por um espirito que necessita exatamente de um corpo com aquelas condições. Se assim não fosse a hereditariedade seria algo inerente ao espirito e não ao corpo como demonstra a ciência. Um filho não teria características dos pais mas sim dele mesmo de encarnação anterior. As características pessoais seriam ligados à linhagem espiritual e não à biológica. A ciência prova o inverso as características da pessoa são frutos da hereditariedade biológica, não só as morfológicas, mas também as psicológicas e emocionais.

             Via de regra se encontra no filho muito das características temperamentais dos pais e mesmo de outros ancestrais que ainda estão vivos. Neste caso como explicar que o temperamento é algo inerente ao espírito e não à matéria? – Vejamos isto; por exemplo, na realidade a capacidade de irritabilidade de uma pessoa está implícita no corpo de forma passiva e que pode ou não ser ativada, em maior ou em menor grau, pelo espirito. Se o espírito for calmo ele não ativa a agressividade inerente ao corpo que possui, tal como um o piano, embora contendo uma determinada nota esta não soa se não for percutida pelo pianista. Cabe ao pianista num teclado repleto de notas extrair uma música utilizando-se das notas adequadas e evitando as inadequadas. No piano há a “predisposição” para o inverso e o comando é dado pelo pianista que tem que superar, que evitar percutir notas inadequadas e percutir notas adequadas. O aprendizado do tocar consiste, pois, no saber usar ou não usar na execução aquilo que for preciso para que a apresentação seja perfeita. Na relação corpo/espírito é exatamente assim também. No corpo está inerente aquilo que este tem de evitar ou de utilizar. Nisto é que reside uma das necessidades do espirito receber um corpo para se desenvolver.

             Na realidade é a matéria quem traz as características da pessoa registradas, mas que correspondem exatamente àquelas que o espirito precisa aprender a corrigir, condições a serem superadas, vencidas. Se as características fossem inerentes somente ao espirito, para que então a matéria, para que encarnar se ele tinha em si as possibilidade de execução? O corpo é “preparado” com barreiras que devem ser vencidas, superadas pelo espírito, e nisto reside o principio da transformação no desenvolvimento.

            Pelo que dissemos pode-se sentir não ser conflitivo quando é dito que as características pessoais resultam de alguns fatores de natureza genética como afirma a ciência oficial, e dos elementais da natureza como afirmam alguns sistemas místicos, mas que dificultam o entendimento quando as religiões e sistemas místicos concomitantemente também dizem que é o espirito e não a matéria quem responde pela maneira de ser, pelas características de uma pessoa. Afirmamos sim, a matéria é o instrumento e o espirito o musicista e que cada musicista recebe o instrumento mais adequado para o exercício de sua arte.

José Laércio do Egito – F.R.C.

*voltar ao indice*

A Natureza Humana do Elemento Água

“Qualquer força é sempre a

residência de um Deva ou de um Elemental.”

        Agora veremos algo bem significativo que diz respeito à relação entre as coisas existentes e os elementos da natureza. Em geral tudo guarda estreita relação com os quatro elementos básicos assim sendo podemos dizer que todos os elementos da natureza entram na constituição do corpo dos seres que habitam a terra. Mas em cada espécie, e mesmo em cada ser, algum dos elementos predomina e isso faz com que existam afinidades marcantes entre os seres e os elementais.

          “O homem acredita constituir-se um único ser, mas na realidade ele não passa de uma coleção de bilhões de seres ( cada célula é um ser tanto ou quanto independente). Ele crê possuir um total livre-arbítrio e não o tem, crê agir por conta própria e, no entanto sofre a influência de todos os que estão dentro e fora de si. Quando crê possuir uma coisa essa coisa é também propriedade de outros seres que ele nem ao menos consegue ver” – Mestre Philippe.

           Toda pessoa é formada pela matéria dos quatro elementos, portanto, sujeito à força dos quatro elementais que a constitui.

          Numa determinada coisa sempre algum dos elementos predomina e isto também acontece não somente no que diz respeito às coisas em geral, mas também ao próprio ser humano. Uma pessoa, ou mesmo um animal qualquer, sempre mantém estreita relação com algum dos elementos e este lhe é particularmente favorável.

          Em decorrência da maior ou menor intimidade os elementos as pessoas guardam características ligadas a um determinado elemento. Isto é o que faz com que freqüentemente vejam-se pessoas que apresentam qualidades especiais para determinadas atividades que algumas vezes reflete-se em condições que o vulgo atribui ao acaso, à “sorte”. Diz-se, por exemplo, que uma pessoa tem “mão verde”, isto é, “mão boa” para plantas; outras para acender fogo, outras para achar água, localizar lençóis de água no subsolo, para encontrar minerais e coisas assim. Isto é verdade e acontece exatamente em decorrência da relação predominante entre a pessoa e um dos elementos.

         A pessoa pode ser predominantemente ou terra, ou ar, ou água, ou fogo e isto é o que estabelece as afinidades pessoais, mas como em todo organismo sempre estão presentes os quatro elementos da natureza conseqüentemente nunca se encontra uma pessoa que seja, por exemplo, somente água, ou somente ar, etc. Na realidade há o predomínio de um elemento, mas como um todo a pessoa é uma miscelânea de atributos dos elementos.

       Não são apenas os oficialmente denominados seres vivos que são constituídos pelos quatro elementos. Na realidade isto acontece com todas as formas de existências presentes no mundo. Uma montanha, por exemplo, não é constituída somente de terra, nela há também cavernas onde se apresenta o elemento ar, há veios e depósitos de água, assim como o fogo está presente sob a forma de calor das rochas e muitas vezes formando rios de lava e vulcões. O fogo (calor) está presente em todos os átomos e mesmo entre os átomos há espaços preenchidos por algo que algumas pessoas chamam de éter que também é considerado um dos sete elementos básicos da natureza. Assim, podemos dizer que uma montanha está ligada aos quatro elementos. O mesmo se pode dizer da água, quer seja uma fonte, um rio, um lago ou um oceano. Nestes há sempre a presença do elemento terra (minerais), do elemento fogo (calor) do elemento ar (gases em dissolução).

         No Japão uma das religiões predominantes é o Xintoísmo. Nesta religião há muitos mistérios ligados às forças da natureza. Há, por assim dizer, um séquito imenso de elementais, que são chamados de Kamis, reverenciados em toda tradição xintoísta. Há os kamis dos rios, das montanhas, dos lagos, das arvores, da agricultura, enfim uma plêiade imensa deles inerentes a cada coisa que existe.

        Em decorrência da influência xintoísta no Japão as pedras são muito respeitadas e até mesmo veneradas, a muitas delas são atribuído qualidades ocultas ligadas exatamente aos Kamis. O fogo é de suma importância na Tradição Xintoísta, onde se diz que o universo nasceu do fogo que depois, em parte, se transformou em água. O fogo se penetrou na terra onde se escondeu.

           No Japão fala-se do deus do fogo, o qual é um deus muito temido por ser responsável pelos vulcões e incêndios, mas que, por outro lado, também é venerado por ser ele que purifica o mundo e destrói o mal. Lá existe um festival, o hi-matsuri, em cujo ritual os adeptos do Shugendo devem caminhar sobre brasas com os pés descalços. Os kamis dos ventos são os responsáveis pelas modificações atmosféricas.

          Seria necessário um livro grande para descrever a relação do xintoísmo com os elementos da natureza, e dizem que esse conhecimento é muito antigo e procede da Atlântida.

           Nas religiões baseadas na Cabala os elementais sob alguma forma estão presentes e até mesmo citados a mais elevada expressão angelical, tanto é assim que é dito que Miguel governa o vento do leste, Rafael, o vento do oeste, Gabriel, o vento Norte, e Uriel, o vendo sul.

          “Nosso sentimento da realidade neste mundo material é totalmente ilusório. Nada conhecemos da verdadeira natureza dos objetos e dos seres, mas apenas as impressões que produzem sobre nossos sentidos, e deduzimos conclusões, quase sempre errôneas, do conjunto dessas impressões.” Annie W. Besant.

            Veremos agora algumas características ligadas à pessoa humana que possui a natureza do elemento água.

            A água é a fonte da vida, a mãe de todas as coisas, por isso a mulher “água” é muito maternal e dotada de muita sensualidade. As meninas gostam de brincar com bonecas, de casinhas e algo assim. São aquelas crianças muito afeitas a banhos, que gostam de levar os brinquedinhos para o banho e brincar na água com eles enquanto se banham.

            As pessoas do Elemento Água correspondem ao chamado BIOTIPO RENAL – Shao Yin – (que os japoneses denominam “Tipo Frango”).

            Fisicamente têm pouco brilho nos olhos, têm pele macia, e pouca transpiração.

     As pessoas de “água” são basicamente introvertidas, tímidas, sensíveis e responsáveis. São pessoas racionais, lógicas, pensativas, organizadas e aplicadas, e que se apegam muito a detalhes. São artistas, temperamentais, ciumentas, que guardam mágoas e rancores passando a serem até mesmo muito vingativas. São muito egocêntricas, mas gostam de agradar àqueles de quem gostam.

           São pessoas afinadas com seus próprios sentimentos. Nelas prevalece o reino das emoções profundas e das reações dos sentimentos, indo desde paixões compulsivas e temores irresistíveis, até uma aceitação e um amor que abrange toda a criação. por isto facilmente choram, inundam-se com lágrimas e facilmente envolvem-se compassivamente com situações passionais. Têm grande amor pela natureza.

            As pessoas de água (renais), como a própria natureza dela nos mostra, não têm solidez nem formas próprias. Ficam mais felizes quando a sua fluidez é diretamente direcionada por outrem. Especialmente pelos de “terra”, que possuem a solidez na qual a água pode se apoiar. São pessoas que por fora apresentam calma, mas em níveis mais profundos esconde-se um temperamento nervoso e muitas vezes violento. A água numa represa aparenta calma e serenidade, mas com o rompimento do dique a retém ela pode manifestar uma violência imensa. Tendem a sentir aversão por aqueles que são turbulentos, como aqueles de personalidade forte, tais como ar e fogo.

           A sensibilidade de água é tamanha, e a sua vulnerabilidade a magoa tão pronunciada, que se as reações emocionais não forem controladas e adequadamente canalizadas, podem levá-las a um estado de instabilidade emocional e a uma predisposição para serem influenciados com demais facilidade pelo mais leve vento que sopre. Contudo essa sensibilidade não deve ser considerada uma fraqueza, pois a água tem grande força e tem um longo e importante poder, especialmente quando é canalizada de uma forma concentrada.

        Um sábio chinês do século XI, citado por John Blofeld, p. 78 de seu livro “The Wheel of Live” diz: ” Entre todos os elementos, o Sábio tomaria a água como seu preceptor. A água é submissa, mas conquista tudo. A Água extingue o fogo, ou, vendo que pode ser derrotada, escapa como vapor e toma nova forma. A água carrega a terra macia, ou, quando desafiada pelas rochas, procura um caminho em torno… Satura a atmosfera de modo que o vento morre. A água é humilde, mas não submissa, ela cede passagem para os obstáculos com uma humildade enganadora, pois nenhum poder pode impedi-la de seguir o seu caminho traçado rumo ao mar. A água conquista submetendo-se, nunca ataca, mas sempre ganha a última batalha.”.

        As pessoas do tipo “água” podem facilmente ser sensacionalistas porque gostam de cultivar potencialmente tempestades interiores e que podem apresentar distúrbios emotivos quando sentem a vida chata. Têm tendência a ferir as pessoas quando se rompem os “diques”, quando não conseguem controlar suas emoções e então são capazes de ocasionar confusões. A sensibilidade de “água” não é fraqueza, veja-se que a água represada é algo muito forte.

        Como um renal o indivíduo água tem excesso de energia no rim e falta de energia no estômago. Por isto os seus sintomas mais freqüentes são oriundos de distúrbios digestivos (baço, pâncreas e estômago).

         O elemento de alguma forma sempre se reflete na personalidade da pessoa. Assim sendo é fácil se compreender como é uma pessoa “água”. Ela apresenta propensão para a arte de curar; em esportes preferem os esportes aquáticos; admiram os seres da água, gostam de decoração com aquários e coisas assim, preferem profissões ligadas à medicina ou ligadas a mares, rios e meios aquáticos em geral.

         O indivíduo água tem predisposição exagerada para a limpeza.

         Embora muitos sejam pescadores via de regra não apreciam muito os frutos do mar como alimento. Isto decorre do domínio dos ementais da água. Despertam-lhes o lado emotivo.

          Têm grande incidência de sonhos com ambientes aquáticos.

      As pessoas água acomodam-se facilmente, adaptam-se bem às situações embora não tendam a permanecer assim se não forem mais contidas. A água se adapta, se amolda facilmente a um vaso mas se as paredes do vaso forem rompidas ela logo extravasa tomando uma outra forma.

       Por outro lado, quando em desequilíbrio emocional, quando entram em desarmonia com os elementais da água afogam-se em paixões sensuais e tendem a manifestar distúrbios circulatórios e doenças circulatórias. Quando em profundo desequilíbrio tende ao suicídio por afogamento.

       Gostam de ver a água fluir, o barulho de um regato, o barulho das águas, as ondas batendo nas praias; preferem morar numa praia, à margem de um lago ou rio. Sentem-se bem tanto física quanto emocionalmente nos dias de chuva, e deleitam-se em ver a chuva cair ou mesmo de sentir na pele os respingos. Como profissão talvez seja pescador, escolherá estudos oceanográficos, prefere morar a margem de um lago ou numa praia.

       As fadigas, cansaços, em todas as situações em que haja perda de energia a pessoa água se recompõe facilmente na beira de um rio, na margem de um lago, numa praia, ou mesmo com um banho refrescante. Quando há predominância água/fogo curam-se muitas vezes com banhos termais, escalda-pés e algo assim.

      Os elementos da natureza têm características próprias, um tem poder sobre os outros, um controla outro tornado resultando disto o equilíbrio da natureza. A água, por exemplo, pode ser detida até certo limite pelo elemento terra. Com o elemento terra se faz uma barragem capaz de controlar a água, se faz um recipiente, um vaso que pode conter a água, mas esta pode amolecer a terra, dissolve-la. A água apaga o fogo mas por sua vez o fogo transforma o estado físico da água (evaporação). A terra apaga o fogo mas o fogo pode transformar o estado da terra, derrete as rochas gerando os vulcões; transforma as rochas em lava. O ar tanto pode intensificar o fogo quanto apaga-lo; ele movimenta a água criando as ondas. O fogo (calor) aquece o ar gerando diferenças de pressão atmosférica que ocasiona os ventos, que mobilizam a própria água. Com terra pode-se provocar (atrito entre duas pedras gera faíscas) ou apagar o fogo.

         Pelo que acabamos de dizer entende-se que vendavais, ventanias, tufões, furacões, ciclones, maremotos tudo isto resulta da interação dos elementos.

       Vimos alguns exemplos da interação dos elementos da natureza mas outras situações podem ser imaginadas relativas às interferências elementais que formam o sistema auto-controlador da natureza.

           “Assim como é em cima é em baixo”… Em obediência a este princípio hermético o comportamento dos elementos da natureza refletem-se nas pessoas caracterizando-as sob os mais diversos tipos comportamentais. A maneira de ser de uma pessoa em grande parte é decorrente do elemento a que ele esteja mais ou menos ligado. Diante dessa afirmativa poder-se-ia indagar: E o grau do espírito não é o responsável pela maneira de ser de uma pessoa? – Na realidade sim, mesmo que o corpo seja fruto da estruturação genética, por sua vez o espírito que recebe aquele corpo é porque ele o está merecendo e isto é uma decorrência da lei de ressonância vibratória. Por exemplo, um má formação física pode ter causa genética, ser decorrência da hereditariedade biológica mas na realidade aquele corpo geneticamente estruturado daquela forma é exatamente o que aquele espírito está necessitando.

José Laércio do Egito – F.R.C.

*voltar ao indice*

A Natureza Humana do Elemento Ar

” Temei o obstáculo do fracasso, e a armadilha do sucesso.”

           Na caminhada do desenvolvimento espiritual os elementos intervêm na natureza da pessoa, pois o elemento predominante no indivíduo condiciona em parte a sua forma de agir e de pensar. Por sua vez a pessoa molda formas de pensamento no astral segundo a sua própria maneira de ser, assim ela cria uma categoria de elementares artificiais. Estes são formas criadas pela mente das pessoas, por isso é que o mundo astral encerra uma inconcebível variedade de coisas, desde que ali existe uma réplica de tudo quanto há no plano físico, e muito mais, pois deve ser também levados em conta também à existência daqueles elementais criados pelo pensamento das pessoas além de tudo aquilo que tem ali o seu próprio plano existencial.

Pelo que afirmamos conclui-se que muitas coisas que existem com formas no astral, no mundo material elas existem apenas como pensamentos.

           No plano astral existem todos os elementais que correspondem aos elementos da natureza sob as suas mais diversificadas formas e também uma imensa quantidade de elementais artificiais, aqueles gerados pela mente das pessoas. Na realidade esses são formas relativamente efêmeras.

           Muitas culturas do mundo inteiro incluem os quatro elementos nas suas tradições filosóficas, religiosas ou mitológicas. A maioria dessas tradições postula uma energia primaria que então se manifesta como correntes de “reduzida”, conhecida como elementos, um processo que se assemelha ao funcionamento de um transformador elétrico. Esta energia primaria recebeu muitos nomes: prana força vital, QI e outros. Em todas as culturas desta energia têm sido idênticas, muito embora os nomes dados para a força primária e para os próprios elementos tenham variado.

           Este elemento retrata pessoas que preferem esportes como, por exemplo, o pára-quedismo. São pessoas que se sentem bem em lugares altos e que por isso, em parte, como profissão dão preferência a atividades de piloto de aviões, aeromoças, equilibristas, trapezistas e coisas assim. Também gostam muito de pescar especialmente enquanto paralelamente têm como segundo elemento a água.

           Correspondem ao BIOTIPO HEPÁTICO – Tai Yang – (que os japoneses costumam chamar “tipo sardinha”).

           São pessoas progressistas, revolucionárias, pioneiras, sendo muitas vezes não bem compreendidas pela sociedade convencional.

           Têm idéias que sensibilizam as pessoas facilmente, são simpáticas e envolventes. Têm dificuldades de aceitar as limitações do corpo. Como acontece com Fogo, às pessoas ar tem olhos muito vivos e brilhantes.

           Em esportes gostam de asa delta e quando criança gostam de brincar com aviões de papel pipas de papel, aeromodelismo e coisas assim.

           São pessoas que adoram a brisa, as correntes de ar por isso não toleram bem ambientes confinados, trabalho em salas fechadas, etc.

           Por outro lado são tendentes às doenças respiratórias, que pioram em lugares fechados, abafados. No tratamento da saúde, mais que remédios, preferem exercícios respiratórios (Hatha Ioga, por exemplo) como forma de tratamento. Tem excesso de energia no pulmão e pouca energia no fígado.

           Geralmente são pessoas que pensam muito, são inteligentes, por isto bastante criativa, com forte dose de autoconfiança naquilo que fazem, mas sem grande poder de decisão naquilo que pretendem. Dotadas de orgulho e amor próprio embora que via de regra sejam um tanto fúteis, facilmente influenciáveis, sem vontade muito definida. Quando em exagero corresponde aquele tipo de pessoa que o povo chama de “Maria vai com as outras”.

           Quando recebem a devida atenção são dóceis, fáceis de ser conduzidas, mas quando são atingidas além de um determinado limite elas podem explodir em cólera violenta (É o tufão, o furacão). Nesta situação chegam a dominar o elemento água e terra, e mesmo fogo.

           Não suportam o sofrimento nem em si e nem nos outros, quando se machucam dizem sopra, sopra…

           São criativas, tendem a estimular a inspiração e a criatividade. A sexualidade não está no topo da lista de prioridades.

           Admiram os seres alados, os pássaros e não suportam vê-los maltratados ou presos. As faculdades mentais estão muito ligadas a esse elemento.

            Sintomas mais comuns: tensões nas costas, principalmente na região cervical. Grande tendência a gazes, flatulência, e acidez. Apresenta falta de energia no fígado e excesso no pulmão. Fazem-lhe bem as frutas ácidas em doses moderadas, pois nutrem o fígado, porém em doses excessivas agridem.

           As pessoas conforme a natureza elemental, refletem os arquétipos de sua linha especialmente em se tratando do elemento ar. Assim, podemos dizer que a sintonia com um silfo pessoal confere-lhe acesso ao reino dos arquétipos. Por isto as pessoas do elemento ar gostam muito das coisas imponderáveis, das coisas que não se apresentam com formas concretas. Vejam que o ar é assim, ele existe em torno de nós, mas não podemos segurá-lo por ser algo fugidio. Assim as pessoas ar gostam muito do sobrenatural, do mediunismo, de cartomância, e tantas outras artes adivinhatórias. Isto, mais que uma virtude, está sujeito a ser um peso existencial, pois que não são poucas as pessoas que adquirem carma pelo exercício desse tipo de atividades.

         Quando em desarmonia as pessoas ar tendem a o suicídio pulando de lugares altos. Também têm tendência para doenças respiratórias.

         Têm tendência à expansão, por isso uma pessoa ar pode se tornar facilmente um idealista, um “visionário”, um ideólogo, filósofo, pensador, ou seja, quando não fazem o corpo voar os fazem a mente. São pessoas ágeis no pensar, tendentes ao teorismo (o inverso do que acontece com uma pessoa terra que tendem ao lado prático e objetivo das coisas).

           São pessoas que vivem no reino abstrato do pensamento, e para eles um pensamento é simplesmente tão real, ou, mesmo ainda mais real, ou pelo menos mais importante que um objeto material (exatamente o oposto de “terra”). Vivem em seus sentimentos e, mais do que qualquer outra coisa, o estado emocional deles, é que determina o padrão de comportamento. Comparando-se com “fogo”: vemos que este vivem uma atividade inspirada e altamente excitada, mas que não vivem no mundo abstrato como “ar”.

            Os silfos facilitam a compreensão e promovem a inspiração, por isso as pessoas ar têm tendência para as artes, especialmente para a música, a poesia, e a pintura. O tipo elemental de uma pessoa faz com que ela seja, por exemplo, um artista; exatamente, porém isto está mais intensamente presente nas pessoas ar. Uma pessoa quando é um artista, ela retrata mais as coisas ligadas ao seu elemento individual.

           Pessoas do elemento ar gostam de expandir a sabedoria e geralmente são muito curiosas. Necessitam de canais de expressão através dos quais possam dar vazão à livre expressão de idéias e liberdade intelectual. Preferem, por isto, profissões ligadas à comunicação, são os radialistas, jornalistas, comunicadores em geral. Nas ruas os vemos geralmente “camelôs” e divulgadores de produtos e coisas assim.

        Não suportam os ambientes confinados, querem o ar livre parra o exercício profissional. As profissões que devem ser exercidas dentro de salas, presas a escrivaninhas e balcões as entediam muito.

As mulheres ar são as mais volúveis de todas, pois têm sentimentos pouco presos às coisas concretas. Gostam de futilidades, de festas e exibições. São excessivamente ligadas a modas, aos desfiles de modas, querem sempre novidades no vestir, muito afeitas às maquilagens e mudam de aspecto tão facilmente quanto o faz um camaleão. Muitas vezes maquilam-se exageradamente ou em muitos casos vestem-se com roupas de cores e modelos aberrantes.

           São pessoas que se amoldam com facilidade às situações, mas que não permanecem assim por muito tempo (O ar amolda-se facilmente a um recipiente, mas sempre está tendendo a escapar pelo menor orifício), na primeira oportunidade tomam outra forma qualquer.

São perdulárias, gastam muito, não pensam muito no futuro.

         As mulheres do elemento ar não são muito afeitas a cuidar de crianças, preferem mais participar de festas e passeios a ficar cuidando dos afazeres do lar. Não são muito de cuidar dos filhos, mas, por outro lado, são bem amigas e carinhosas com os filhos, e com todas as pessoas. Apaixonam-se facilmente, mas de igual maneira esquecem. Mudam de marido e vice-versa com facilidade e também estão sujeitas a se prostituírem com relativa facilidade.

           Ar, são pessoas que gostam de toques físicos, são afetuosas, adoram ser acariciadas. São pessoas que têm grande atração pelo elemento fogo, às mulheres ar levam os homens fogo a situações passionais que podem atingir uma grande intensidade e vice-versa.

          Os homens ar também são muito volúveis, os seus sentimentos não têm fortes raízes, por isso traem com grande facilidade. Não permanecem por muito tempo numa mesma classe de emprego, de trabalho, sentem a necessidade de mudar constantemente. Geralmente não são aqueles pais muito ligados ao lar, deixam as responsabilidades de lado, preferem sair de casa, visitar lugares, pessoas, farras e coisas assim.

          Por serem pessoas volúveis magoam facilmente os entes queridos, mas quando tomam consciência disto sofrem, pois são essencialmente amorosas; apenas não compreendem o quanto um ato pode atingir uma pessoa.

           A liberdade é o seu forte, agora aqui, um instante depois ali, não lhes interessa muito os lugares, o importante é mudar. Assim, podemos dizer que são pessoas que não toleram, por exemplo, passar duas férias seguidas num mesmo lugar. Tem grande tendência ao novo, às renovações, quer sejam elas físicas, ou no trabalho, assim sendo hoje estão aqui e amanhã acolá.

           Gostam de viajar, por isso são os vendedores viajantes, caminhoneiros, guia de turismo e coisas assim. O ar não para, assim também é a pessoa ligada a esse elemento vive em constante movimentação. Pessoas que gostam de mudanças em tudo, mudam de residências, mudam de amores, mudam de profissões, mudam de preferências, com a maior facilidade.

           É muito interessante meditar sobre os quatro elementos visando conhecer suas peculiaridades e por certo constatará que as qualidades dos elementos da natureza se fazem claramente presentes nas pessoas moldando-lhes a personalidade. Esta análise evidencia que as pessoas apresentam exatamente as mesmas características dos elementos. Todas as características pessoais retratam elementos da natureza, quer isolada quer combinadamente.

José Laércio do Egito – F.R.C.

*voltar ao indice*

A Natureza Humana do Elemento Fogo

” O Fogo é essencial à vida. Só existe vida onde há Fogo, desde o coração do homem ao coração do Universo “.

           O fogo é a própria vida. A antiga filosofia grega também estava baseada na doutrina dos quatro elementos, que eram equacionados como as quatro faculdades do homem: moral (fogo), estética e alma (água), intelecto (ar) e física (terra).

           A Medicina Galênica que floresceu na Idade Media na Europa, e que até hoje ainda serve de base para o pensamento médico filosófico e que ainda constitui a base da medicina alopática, está diretamente correlacionado com os quatro humores que por seu turno, falam dos quatro temperamentos humanos, que são citados em todos os antigos livros de medicina da Europa, e também nas obras de Shakespeare e de outros literatos.

           No Japão há muitos exemplos da importância dos elementos. Num tratado zen-budista sobre a Bodhidharma, escrito em 1004 A.C. os elementos tradicionais são representados como as quatro qualidades que compõem a criação: luz (fogo), ar, fluidez e solidez. Os elementos também estão intrinsecamente contidos nas diversas mitologias desde a mais remota antigüidade. Já na antiga Suméria, onde a religião regia cada aspecto e cada atividade da vida, as divindades mais importantes correspondiam aos elementos: Anu, o céu (ar), Enlil, a tempestade (fogo); Ninhursaga, a terra; e Enki, a água.

           O elemento fogo induz características bem marcantes em muitas pessoas dando-lhes personalidade fortes e dominadoras.

           Genericamente o elemental do fogo é conhecido pelo nome salamandra. Diz a Tradição que nenhum fogo é aceso sem o seu auxílio.

           Os elementais do fogo estão presentes não apenas entre as chamas mas também em todos os meios, mesmo dentro do elemento terra e do elemento água. Onde quer que exista calor esses elementais se fazem presentes. Em tudo aquilo que estiver acima de zero grau absoluto os elementais do fogo ali se fazem sentir também. Muitos fenômenos ligados à matéria dependem da presença deles como por exemplo os fogos internos, os vulcões e todas as demais formas de calor inerentes.

           Quando no indivíduo há predominância do elemento fogo ele se apresenta com temperamento explosivo. As pessoas fogo são emocionais, impulsivas e impetuosas.

           O Fogo é um princípio transformador mas pode agir em dois sentidos. A predominância fogo pode transformar uma pessoa em líder, em condutor de outras pessoas, governantes e coisas assim. Mas, por outro lado, os indivíduos fogo quando desajustados, com facilidade tornam-se revolucionários, guerrilheiros, incendiários, extremistas, etc.

           O elemento fogo intensifica a espiritualidade, a sua energia promove a destruição do que é velho e a edificação do que é novo, por isso as pessoas com predominância fogo constituem a maioria dos inovadores, daquelas pessoas pouco conservadoras, e que quando conseguem controlar a pressa e a impaciência que lhes são peculiares podem se tornar grandes pesquisadores.

           Os elementais do fogo trabalham com o homem e com o mundo por intermédio do calor quer se trate da chama de uma vela quer a de um vulcão.

           O indivíduo fogo prefere tratamentos por irradiação, pelo uso das cores, pelas compressas quentes e frias. Gosta do sol, por isso alegra-se nos dias ensolarados e muitos gostam de ficar horas a fio ao sol.

           Quando em desarmonia a pessoa fogo tende a piromania, quando crianças gostam de fazer fogueiras, e estando em desequilíbrio estão sujeitos a se tornarem piromaníacos, incendiários, fazedores de bombas e coisas assim.

          Tendência a comer muito e engordar pouco, pois os processos de assimilação são rápidos. Prefere alimentos leves. Metabolismo acelerado, o inverso da pessoa terra que dá preferência a alimentos pesados.

           São pessoas irrequietas e hiperativas pelo que facilmente estão sujeitas a um desgaste físico, a um estado de stress.

           Outra grande característica de fogo é a inquietude e a falta de paciência, tudo quanto faz tem que ser rápido, não suporta esperar, não gosta de voltar, de passar por onde já passou antes, quer sempre seguir em frente, não gosta de recuar e têm preferência por lugares altos, mas ainda mantém vínculos com o meio em que vive. O elemento ar geralmente tem essa característica mas não mantém vínculos. O fogo sempre está ligado à algo o que não acontece com o ar. Por outro lado enquanto o elemento fogo é dificilmente contido em algum recipiente o mesmo não acontece com o ar que pode ser contido em determinados objetos tal como o elemento água. Por sua vez o elemento terra não necessita continente para ser mantido, mantém por si mesmo.

           Os indivíduos do elemento fogo são denominados por algumas escolas de BIÓTIPO CARDÍACO – Shao Yang – (Os japoneses chamam de biótipo porco). São pessoas com muito brilho nos olhos, geralmente espontâneas e bastante extrovertidas, muito ativas, agitadas, impacientes, mas pouco persistentes. Embora sejam de natureza alegre, caem facilmente em depressão. Mesmo que sejam impulsivas, explosivas, mesmo assim podem ser consideradas de índole mansa, não guardam raiva.

           Por ser o fogo uma força radiante e universal, uma energia excitável, as pessoas fogo têm em si mesmas entusiasmo e força inesgotável. Precisam de muita liberdade para se expressar e têm grande capacidade de insistência para obter o que desejam. Uma de suas falhas é o não perceber a sensibilidade alheia porque estão muito envolvidas com a própria sensibilidade.

           O elemento fogo foi relacionado por Jung com o núcleo dinâmico da energia psíquica, aquela energia que flui espontaneamente, de maneira inspirada e automotivada. As pessoas de “fogo” são dominantes, egocêntricas e, normalmente bastante impessoais. Elas sentem que são canais de “vida” e não podem esconder facilmente o seu orgulho a respeito disto.

         São pessoas de grandes decisões, de grande fé em si mesmas, cheias de entusiasmo, de uma força interior bem grande e de uma honestidade direta. Precisam de uma grande liberdade para poderem se expressar de forma natural, e normalmente garantem esse espaço para si mesmos por meio de uma incansável insistência nos seus pontos de vista. São capazes de exercer o poder coincidentemente, de impor o poder de sua vontade, mesmo que nem sempre de maneira. Sua vontade de ser e de se expressar livremente é quase que infantil na sua simplicidade, uma qualidade que às vezes parece cativante aos outros, mas, que também pode parecer ofensiva àqueles que são mais cautelosos e sensíveis, As faltas de fogo raramente se manifestam como uma má intenção.

O fogo é o próprio movimento. As pessoas “fogo” geralmente tendem a ser impacientes para as pessoas mais sensíveis, mais meticulosas, ou mais gentis, especialmente com aquelas que têm predominância de água e de terra. É se pressentisse que “água” o pode extinguir, e a terra o pode sufocar. Os elementos de ar “abanam” as chamas de “fogo”, fornecendo-lhe novas idéias, por isto é que dizem que fogo é compatível com o ar.

          Quanto à saúde, são pessoas que apresentam falta de energia nos rins e excesso no estômago e coração. Sintomas mais comuns: Tendência a ter pés e mãos geladas, palpitações, taquicardias, ondas de calor subindo para a cabeça, dores de cabeça, pressão descontrolada, gastrite, queimação no estômago, diabete. Possui falta de energia nos rins, por isto o sabor salgado lhes é agradável. Têm excesso de energia no coração e no estômago. São alimentos bons para elas: Alface, frutas secas, ovos cozidos, escargot, peixes de água salgada.

As caraterísticas descritas acima refletem-se como qualidades pessoais nos indivíduos ligados a cada um dos elementos.

           As salamandras são os elementais mais difíceis de ser controlados e compreendidos, o mesmo acontecendo com as pessoas de fogo. Não e fácil se compreender os propósitos, as intenções da pessoa fogo, e assim se prever as suas decisões. O fogo não tem forma própria por isso a pessoa também apresenta um perfil pouco definido, são de atitudes inesperadas e bruscas.

           É uma pessoa que tem tendência para a música, executar e ouvir. Muitas vezes fica horas mirando o bruxulear do fogo e nessa condição tem muitas vezes visões e percepções.

        Grande tendência a mudar de profissão, de divertimentos, de residência, de médico, de professor, de dentistas, de fornecedores, de amizades, e coisas assim pois a mudança, exatamente o contrário de terra. (= transformação, é o seu forte)

           Quando a pessoa fogo está em desarmonia ela tende ser atingida por doenças mentais e especialmente às cardíacas.

         Embora a pessoa fogo tenha caráter forte mesmo assim em muitos momentos manifesta-se como fútil lembrando a pessoa ar, que é de natureza fútil e volátil.

         A natureza fogo dá-se bem com a natureza ar. Quanto mais for abaixo o nível de manifestação do fogo no mundo denso mais ele tem necessidade do elemento ar. O ar ativa o fogo e pode até mesmo apagá-lo, e por sua vez o fogo aquece o ar ativando a sua manifestação.

           Geralmente o indivíduo fogo se dá muito bem com o indivíduo ar pois o fogo como que precisa do ar; com as correntes de ar o fogo cresce, sobe, por sua vez o fogo aquece o ar e o eleva formando as correntes, os ventos.

          Caminhadas é o seu forte, prefere a prática de esportes em que é exigido muita atividade física, tais como jogos de bola, ciclismo, basquete, futebol, etc.; trabalhos e atividades que envolvam grande atividade e dispêndio de energia. A pessoa fogo prefere se submeter a tratamentos de saúde com base energética.

         Não são pessoas muito presas aos familiares, porém não tanto quanto a pessoa ar. Embora não muito apegadas mesmo assim são pais exigentes daqueles que não admitem oposições.

           São inflamáveis e por isso metem-se muito nos problemas alheios e quando agem muitas vezes não medem as conseqüências dos seus atos.

*voltar ao indice*

A Natureza Humana do Elemento Madeira

           Para além do fígado, a Madeira está também relacionada com a vesícula biliar. É o elemento que se relaciona de forma direta com os olhos e a visão e serve de fonte de energia aos músculos, tendões e articulações. O fígado é o órgão que controla as ações do corpo, na medicina tradicional chinesa, e controla o seu metabolismo. É vulgar o fígado manifestar “fúria” quando os seus planos não são respeitados pelo sistema humano. Enquanto o fígado planeia, a vesícula biliar toma decisões. O fígado, que necessita “ver” (os olhos) para planear, se fica doente, obscurece o espírito e provoca uma deficiência na visão e induz a vesícula a tomar decisões “não perfeitas”, porque os dois estão intimamente ligados. Quando isso acontece, imediatamente a capacidade de julgamento de uma pessoa diminui. Em casos extremos a demência apodera-se do ser humano. E em caso de desequilíbrio do elemento Madeira, os sintomas são: olhos vermelhos, icterícia, hepatite, visão turva, desencanto e descrença, irritação, cansaço, suor com mau cheiro, menstruações doloridas e secreções pútridas, dores de cabeça,

*voltar ao indice*

OS 5 ELEMENTOS NO TAOISMOS

           Os 5 Elementos representam as atividades das forças Yin e Yang quando estão se alternando, manifestas nos ciclos de mudanças na natureza que regulam a vida na terra. Também chamadas como os 5 movimentos (Wu Yun), definem os vários estágios de transformação que acontecem nas mudanças de estações: crescimento e declínio; mudanças do clima; sons e sabores; emoções na psicologia humana. Cada energia está associada com um elemento natural cuja função se parece com a função destas energias, e tomam dali o seu nome. Diferente da forma de nomear os elementos por sua forma e substância como fazemos no Ocidente e em outros sistemas, o sistema chinês leva em conta a energia e sua transformação. Os elementos simbolizam atividades da energia com as quais estão associados.

           As manifestações da força Yin e Yang na terra, as cinco fases da energia representam vários estágios de vazio e cheio pelas quais essas energias passam ao equilibrar um determinado sistema energético. Um antigo texto chinês diz sobre isto:

           As cinco fases da energia ou os Elementos de Madeira, Metal, Água, Terra e Fogo aparecem em sua natureza especifica, durante as transformações da força Yang e de sua união com a força Yin. Estas fases de energia estão em constante mudança de atividade, nutrindo e controlando uma a outra para que haja uma constância nos movimentos de transformação do vazio para o cheio e do cheio para o vazio, num movimento circular sem fim ou começo. A interação destas forças primordiais cria a harmonia nas mudanças e no curso dos ciclos na natureza. As Cinco fases das Energias Elementares se combinam e re-combinam em inúmeras formas e produzem a vida manifesta. Todas as coisas que existem contêm os cinco elementos em variadas proporções.

           Vamos analisar estas idéias observando os ciclos das estações do ano que influenciam tudo sobre a terra. A água é a fase da energia associada ao inverno, quando prevalece a força Yin. O inverno é o tempo do descanso, da quietude, quando a energia é poupada, recolhida, condensada, conservada e armazenada. A água é um elemento muito concentrado, contendo um grande potencial, um grande poder esperando para ser liberado. No corpo humano, a água está associada com os fluidos essenciais como os hormônios, os líquidos linfáticos, a medula, as enzimas, todos com grande potencial de energia. Sua cor é o preto ou o azul noite. A cor que contêm todas as outras cores de forma concentrada. Na natureza, a água evapora com o excesso de calor; nos seres humanos a energia da água dispersa pelo excesso de estresse e de emoções fortes. A forma de se conservar a energia da água é através da quietude e do repouso, é se manter “frio”.

           A próxima fase do ciclo das estações do ano é a primavera, surge o elemento madeira do potencial energético da água, assim como as plantas florescem na terra durante a primavera. Este é o novo estágio Yang do ciclo das energias. A fase Madeira é expansiva, alegre e explosiva. É uma geração criativa de energia, despertando o desejo sexual de procriar. Está associada ao vigor, à juventude, ao crescimento e ao desenvolvimento. A energia da Madeira pede livre expressão e espaço para dar vazão à sua expansão. Se bloquearmos seu desenvolvimento, criamos sentimentos de frustração, raiva, ciúme e estagnação.

           Assim como a primavera se desenvolve naturalmente para o verão, assim também a energia expansiva e criativa da Madeira amadurece para a energia florescente do Yang velho, a energia do fogo. Esta é a fase mais cheia de energia de todo o ciclo, quando acontece a fase mais quente da energia yang cheia. Todas as formas de vida se esquentam nesta fase de crescimento da energia do fogo. O fogo está associado ao coração, que é a morada das emoções humanas e o órgão que pulsa e distribui o sangue e sua energia pelo corpo. Sua cor é o vermelho a cor do calor e do sangue. Esta energia está associada ao amor e à compaixão, à generosidade e à alegria, à abertura e à abundância. Se bloquearmos esta energia, o resultado é a hipertensão, os problemas do coração e as desordens nervosas.

           No final do verão chega um momento de interlúdio, de perfeito equilíbrio quando a energia do fogo diminui, se transformando em energia da terra, nem muito Yin e nem muito Yang quando se instala um estado de equilíbrio perfeito. Este momento é o clímax do ciclo, o intervalo entre as energias Yang da primavera e do verão e as energias Yin do outono e do inverno. O humor das 5 fases da energia está em harmonia neste momento, trazendo uma sensação de bem estar e completude. A energia do final do verão é a energia da terra, sua cor é o amarelo, a cor do sol e da terra. Na anatomia humana está associada ao estômago, ao baço e ao pâncreas que estão situados no centro do corpo e alimentam todo o sistema do corpo. Se a energia da terra for insuficiente, o organismo fica mal nutrido, afeta a digestão e todo o sistema se desequilibra e fica desvitalizado.

           Quando o verão passa para o outono, a energia da terra se transforma em Metal. Durante a fase Metal, a energia começa novamente a se condensar, se contrair, volta-se para dentro para acumular e se armazenar, assim como armazenamos nossos alimentos no outono, para sobreviver no inverno. Nesta fase liberamos tudo que está gasto como as folhas das árvores que caem para poupar a essência, que é então armazenada para suportar a fase não produtiva da água, do inverno. Se nesta fase não houver bastante energia para contrair, não haverá força suficiente para passar o inverno e o próximo ciclo da madeira/primavera será fraco. A energia do Metal controla o pulmão, que extrai a energia essencial e expele as toxinas do sangue e do intestino grosso, que elimina a sujeira pesada enquanto retêm e recicla toda a água do organismo. A cor da fase Metal é o branco, a cor da pureza e da essência. O outono é a estação da introspecção e da meditação, de reciclar sentimentos antigos, apegos externos e o excesso de emoções adquiridas durante o verão, assim como as árvores se livram das folhas secas e buscam os nutrientes de suas raízes. Se resistirmos a esta energia e ficarmos aprisionados no passado podemos criar estados de melancolia, de tristeza e de depressão que se manifestam em dificuldades respiratórias, dores nas costas, problemas de pele e baixa resistência a doenças. Assim como o metal é a energia refinada extraída da terra e lapidada pelo fogo, o outono é a estação onde devemos extrair aprendizagens das atividades e experiências do verão, transformando-as na quietude e sabedoria do inverno.

           Assim a grande roda da vida segue caminhando entre os ciclos das energias elementares, acordando e dando vida a todas as coisas, seguindo um processo ordenado de seqüência rítmica

Por Daniel Reed

*voltar ao indice*

5 elementos

           As cinco fases da energia ou 5 elementos mantêm o equilíbrio interno e a harmonia entre as energias Yin e Yang, através de ciclos de equilíbrio e checagem, chamados ciclo criativo e ciclo de controle. Ambos os ciclos, que interagem e equilibram um ao outro, estão em constante atividade, mantendo o campo dinâmico destas forças polares, que é necessário para mover e transformar as energias. O ciclo criativo gera energia e nutre a energia – como a relação entre mãe e filho. Água gera a Madeira nutrindo seu crescimento. Madeira gera Fogo dando-lhe combustível para queimar; Fogo gera Terra, fertizando-a com suas cinzas; Terra produz Metal pela extração e refinamento; Metal se torna líquido como Água quando fundido, somando-lhe propriedades especiais, quando a ela se mistura (como na água mineral).

           Por outro lado, o ciclo de controle cria uma relação de subjugar, como a existente nas batalhas entre o vencedor e o vencido. O Livro da Medicina Clássica descreve o ciclo de controle dessa forma:

Madeira em contato com Metal é abatida. Fogo em contato com Água se apaga. Terra em contato com Madeira é penetrada. Metal em contato com Fogo de dissolve. Água em contato com Terra pára seu curso.

          Assim que uma das fases de energia se excede tende a exercer um estimulo excessivo sobre o elemento seguinte do ciclo criativo. Neste exato momento, o elemento que controla esta energia excessiva entra em ação para restaurar a harmonia. Por exemplo: se o elemento Madeira gerar energia em demasia, provendo o elemento Fogo de muito combustível – o que poderia causar muita queimada – o Metal entra em ação, cortando o suprimento de madeira e assim, restabelecendo o equilíbrio. O Ciclo Criativo e o de controle mantêm uma constante relação de harmonia e equilíbrio entre as 5 fases da energia ou as 5 Energias elementares.

           Examinando-se as qualidades dos elementos da natureza pode-se evidenciar o quanto elas estão presentes nas pessoas. Tudo aquilo que os elementos apresentam em sua natureza se manifestam na pessoa em sua maneira de ser.

           As coisas são combinações em proporções diferentes dos elementos e isto também é válido para as pessoas, as proporcionalidades dos elementos que existem nas diferentes coisas também existem nas pessoas. Cada um reflete não apenas um elemento mas uma somatória de todos, salientando-se mais um ou mais outro. Por isso diz a tradição que o que muda de uma pessoa para outra é fruto da proporção dos elementais. Há, é claro a predominância de um elemento e isto marca-lhe a personalidade básica de forma bem nítida mas, ao mesmo tempo, sente-se a presença dos demais elementos. Por exemplo, um alpinista possivelmente está ligado mais ao elemento ar (gosto pelas alturas) e ao elemento terra (montanha).

           O conhecimento sobre a natureza elemental de uma pessoa serve como teste vocacional, através disso pode-se saber quais as profissões mais adequadas para ela, qual o melhor campo de atuação; pode-se saber o como ela reage ante as diversas situações da vida. O conhecimento elemental da pessoa até mesmo oferece um índice, com boa margem de segurança, para indicar o tipo de pessoa com quem é ela compatível para os negócios, sociedades, e para o matrimônio.

      A partir dessas informações que estamos revelando é possível o desenvolvimento de um sistema psicológicos praticamente utilizável.

           Conhecer a influência dos elementais na natureza humana é bem importante porque isto facilita a compreensão da pessoa sobre si mesma, a compreender as outras pessoas e até mesmo a compreender o mundo como um todo.

           Vale a pena fazer comparações entre os quatro temperamentos para vermos quantas coisas erradas ocorrem por falta desse tipo de conhecimento. Mesmo na vida, no dia a dia, na profissão a importância deste conhecimento se faz sentir pois a adaptação ou não a uma situação vivenciada muitas vezes diz respeito à sintonia ou não da pessoa com o seu elemento essencial. Tanto isto é verdade que existe a seguinte expressão: “Fulano é uma pessoa que está fora do seu elemento”. Isto quer dizer que aquela pessoa vivencia um campo de atividades que é estranho à sua verdadeira natureza. Por exemplo, uma pessoa de “ar” que tenha que viver numa sociedade bem material, exercendo uma função ligada à uma atividade física, ou mesmo integrar um grupo que lida com as coisas do mundo material, por certo ela sentir-se-á continuamente uma desajustada, embora esse tipo de vida seja ideal para um “terra”. Se aquela pessoa “ar” não arranjar alguma forma de compensação ela estará sujeita a entrar numa condição mental indesejável, no mínimo sentir-se-á muito infeliz. Num caso assim a pessoa deve procurar alguma forma de compensação dentro do seu elemento, isto é, deve se ligar à alguma forma de atividade própria da sua natureza, como, por exemplo, a um campo de atividade espiritual, ou metafísica. Em se tratando de uma pessoa “fogo” ela deve procurar uma atividade de liderança social, ou coisa equivalente. Uma pessoa de “água” precisa ter envolvimentos emocionais.

           Assim torna-se mais fácil a administração de um conselho, pois há o conhecimento da razão pela qual a pessoa dentro de um determinado grupo sentir-se deslocada, neurotizar-se e mesmo de assumirem posições diferentes daquelas que eram esperadas dela. Tudo torna-se mais fácil desde que seja entendido que pessoas “ar” são motivados por seus conceitos intelectuais; “água” por anseios emocionais mais profundos, “fogo” por inspirações e aspirações; “terra” por necessidades materiais.

           Diz Carter: “Se os psicólogos, psiquiatras e conselheiros de vários tipos, ao menos aprendessem classificar as pessoas segundo o elemento predominante, constituindo os tipos de personalidade, dariam um grande passo à frente nos seus esforços para deslindar as forças infinitamente complexas que atuam na motivação e no comportamento do ser humano ”.

           “Exercendo uma atividade paralela em seu próprio elemento uma pessoa pode ‘recarregar as baterias’ para poder suportar uma atividade fora do seu elemento”.

          A pessoa pode procura estabelecer, conscientemente, uma sintonia com a energia do seu elemento por meio do cultivo e do contato físico intimo com esse elemento; pois, de uma forma real, os elementos de terra recebem o maior gradiente de energia do elemento “terra”, os de ar, do ar e assim por diante.

           Uma pessoa “fogo” precisa estar ao ar livre, na luz solar, banhando-se no calor do fogo radiante que vem do Sol. Precisam manter-se fisicamente ativos a fim de captar a energia ígnea. Um “fogo” que tenha que ficar confinado por muito tempo e sem oportunidade de exercer movimentações, logo começa a sentir-se “estressado”, irrequieto, nervoso e assim facilmente estará sujeito a entrar em depressão. Uma pessoa “ar” é particularmente sensível ao clima de montanha, ela precisa de ar limpo, leve, de uma qualidade de atmosfera que jamais é encontrada nas grandes cidades, ou nas planícies úmidas e nos vales.

           Tudo isto diz muito do comportamento das pessoas na sociedade e por isto é que nos diz Lois H. Sargent em seu livro “Haw to Hadle Your Human Relations”: “ Os de ar, por exemplo tendem a se elevar acima dos conflitos e a flutuar ao redor deles, “Fogo” a se envolver com eles, “ água” a fugir deles e terra a enfrentá-los, tendem a resolver com a pessoa que causou o problema no seu caminho. Por seu turno os de “água” detestam todas as formas de conflitos, tendem a escorrer ao redor dos conflitos, por baixo deles ou sobre eles, ou então, se tudo falha, a desgastar lentamente a pessoa ou a coisa que está no seu caminho. Os “terra”, sendo bastante sólidos por natureza, tendem a desdenhar do conflito, preferindo absorver o impacto do problema. Todavia, quando forçado contra a parede, são capazes de enfrentar duramente o obstáculo com força total. Os “fogo” tendem a vencer os obstáculos, a queimá-los ou a afugentá-los, com uma demonstração de força. Raramente exibem um comportamento que poderia ser chamado de diplomático. Enquanto isto os de “ar” preferem ponderar as coisas e geralmente pensam bastante antes de agir. Os de “água” são impressionáveis, sensíveis e intuitivos, por isso inclinam-se a aguardar os acontecimentos de ter a oportunidade de encontrar uma orientação para a solução dos seus problemas.

           A compreensão das caraterísticas dos elementos refletidas na personalidade pode contribuir de muitas maneiras para o autoconhecimento, mostrando como podemos viver melhor em nossa própria companhia, como podemos satisfazer as nossas necessidades e revitalizar o nosso campo de energia.

           Os elementos também nos dão uma indicação a respeito de como controlar e canalizar vantajosamente as nossas energias.

           Para concluir vamos citar o grande mestre Paracelso, aquele que G. Jung considerou um precursor dos psicólogos modernos. Paracelso atribuiu um espirito da natureza, específica para cada um dos elementos. Esses espíritos ou algo equivalente são mencionados em todas as mitologias e simbolizam, o modo de atuação do elemento. Segundo Paracelso podemos trabalhar com essas forças.

           Os elementais ligados à água, Paracelso declarou que estes elementais devem ser controlados por meio da firmeza. Portanto, podemos aprender que as pessoas de “água” precisam ser firmes consigo mesmas e que às vezes, a firmeza é a melhor maneira de se lidar com uma pessoa “água”, especialmente quando suas emoções estão fora de controle.

           Os elementais do ar, ensinou que eles podem ser controlados pela constância. É evidente que uma abordagem decisiva e constante da vida é algo que as pessoas de “ar” devem cultivar. Para os de “ar” é difícil assumir um compromisso com uma determinada resolução, mas esse é um passo importante na evolução deles.

           Os de “fogo” podem ser controladas principalmente pela serenidade. Em outras palavras, os signos de fogo podem moderar os usos extremos da sua energia cultivando, conscientemente, um tranqüilo e calmo estado de contentamento. Se os de “fogo” puderem aprender esta arte de aceitar calmamente a vida no aqui-e-agora, evitarão muitas tensões e muitos desgastes de energia.

         Os de “terra” podem ser controlados pela generosidade jovial. Obviamente a generosidade jovial não é uma qualidade comumente encontrada nas pessoas de “terra”, mas é uma coisa que traz benefícios para todos eles se for aprendida. A maior força e irradiação de “terra” resplandece quando eles assimilam essa qualidade na sua natureza. Os de “terra” quando assimilam essa qualidade resplandecem com maior força e irradiação.

http://www.joselaerciodoegito.com.br/site_tema_446.htm

http://www.joselaerciodoegito.com.br/site_tema_447.htm

http://www.joselaerciodoegito.com.br/site_tema_448.htm

http://www.joselaerciodoegito.com.br/site_tema_449.htm

http://www.healing-tao.com.br/alquimia/elementos.htm

*voltar ao indice*

ELEMENTO FÍGADO

Figado

            Comer demais ou comer alimentos processados ou fritos, acumulam gordura no fígado. Ter um fígado limpo é uma das melhores garantias de uma vida livre de doenças.

            A qualquer momento estamos expostos a poluentes ambientais ou stress, deixando o fígado sobrecarregado.

            Quando o fígado é tributado, não pode processar as toxinas e gordura de forma eficiente.

            Há muitos alimentos que podem ajudar a limpar o fígado, naturalmente, estimulando a sua capacidade natural para limpar resíduos tóxicos do corpo.

            Alimentos específicos podem ajudar a limpar a gordura no fígado. O consumo de alimentos benéficos para o fígado é a melhor maneira de manter o seu fígado saudável e funcionando do jeito que você precisa para viver de uma forma saudável.

            Alho

        Apenas uma pequena quantidade de alho, tem a capacidade de ativar as enzimas do fígado que ajudam seu corpo a eliminar as toxinas. O alho também tem altas quantidades de alicina e selênio, dois compostos naturais que ajudam na limpeza do fígado.

            Laranja

           Rica em vitamina C e antioxidantes, a laranja aumenta os processos naturais de limpeza do fígado. Um copo pequeno de suco de laranja recém-espremido aumenta a produção das enzimas hepáticas de desintoxicação que ajudam a eliminar as substâncias cancerígenas e outras toxinas.

             Beterraba e Cenoura

         Ambos são ótimos alimentos benéficos para o fígado e extremamente ricas em flavonoides e planta-betacaroteno, comer beterraba e cenoura podem ajudar a estimular e melhorar a função hepática em geral.

            Chá Verde

           Esta bebida é cheia de antioxidantes vegetais conhecidos como catequina. Catequina é um composto conhecido para auxiliar a função hepática. O chá verde não é apenas delicioso, é também uma ótima maneira de melhorar sua dieta em geral. Saiba mais sobre os benefícios para o fígado com chá verde.

            Abacate

        O abacate é denso em nutrientes que ajudam o corpo a produzir a glutationa, um composto que é necessário para o fígado purificar toxinas prejudiciais.

            Maçã

         Rica em pectina, maçãs segurar os componentes químicos necessários para o corpo para limpar e libertar toxinas a partir do trato digestivo. Isto, por sua vez, faz com que seja mais fácil para o fígado para tratar a carga tóxica durante o processo de limpeza da gordura no fígado.

            Azeite de oliva

           Prensado a frio, os óleos orgânicos, como o azeite de oliva, sementes de cânhamo e linho, são benéficos para o fígado, quando usado com moderação. Azeita de oliva ajuda o organismo, fornecendo uma base de lipídios que podem sugar toxinas nocivas no organismo. Deste modo, leva poucas toxinas no fígado, em termos de sobrecarga tóxica que muitos de nós sofremos.

            Grãos e Cereais Integrais

        Grãos, como arroz integral, são ricos em vitaminas do complexo B, que são nutrientes conhecidos para melhorar a metabolização de gordura total, função hepática e descongestionando da gordura no fígado. Se possível, não coma alimentos com farinha branca, opte sempre pela farinha de trigo integral.

            Vegetais crucíferos

           Brócolis e couve-flor são dois alimentos benéficos para o fígado que vão aumentar a quantidade de glucosinolatos em seu sistema, incluindo a produção de enzimas no fígado. Estas enzimas naturais ajudam a eliminar as substâncias cancerígenas, e outras toxinas, fora de nosso corpo que pode reduzir significativamente os riscos associados com o câncer.

            Limão

          Esta fruta cítrica contém quantidades muito elevadas de vitamina C, o que ajuda o organismo na síntese de materiais tóxicos em substâncias que podem ser absorvidas pela água. Beber um suco de limão pela manhã ajuda a estimular o fígado.

            Nozes

            Segurando quantidades elevadas do aminoácido arginina, nozes auxilia o fígado na desintoxicação de amoníaco. Nozes também são ricas em glutationa e ômega-3 os ácidos gordos, que apoiam ações de limpeza hepática normais. Certifique-se de mastigar as nozes bem até que estejam em liquefeito antes de engolir, assim facilita a absorção dos nutrientes no fígado.

            Repolho

       Bem como brócolis e couve-flor, comer repolho ajuda a estimular a ativação de duas enzimas do fígado cruciais desintoxicantes que ajudam a eliminar as toxinas. Tente comer mais salada de repolho, sopa de repolho e couve para manter seu fígado saudável.

            Cúrcuma

       Cúrcuma auxilia na desintoxicação do fígado, ajudando as enzimas. Cúrcuma é tempero favorito do fígado. Tente adicionar um pouco desse tempero maravilhoso de desintoxicação, use cúrcuma em seu próximo ensopado ou prato vegetariano por um fígado mais saudável.

            Vegetais de folhas verdes

         Um dos nossos aliados mais poderosos de limpar o fígado, folhas verdes podem ser comidas crus, cozidos ou sumo. Extremamente alta em clorofilas vegetais, verduras sugar toxinas ambientais do fluxo de sangue. Com sua capacidade distinta de neutralizar os metais pesados, produtos químicos e pesticidas, esses alimentos oferecem limpeza é proteção se tornando um dos muitos alimentos benéficos para o fígado. Tente incorporar folhas verdes tais como abóbora amarga, rúcula, folhas de dente de leão, espinafre, mostarda, chicória e em sua dieta. Isso ajudará a aumentar a criação e o fluxo de bile, substância que remove resíduos de órgãos e de sangue.

            Alimentos podem limpar o fígado dos exageros de bebida e comida

         Veja a sugestão de cardápio elaborado por nutricionistas para desintoxicar o organismo e ajudar na recuperação do fígado.

            A orientação dos nutricionistas é diminuir a ingestão de carboidrato, principalmente na forma de carboidrato simples, como o açúcar, os doces. É indicado também reduzir a ingestão de gordura, e reforçar a ingestão do cálcio encontrado no leite e derivados.

            Alguns nutrientes não podem faltar na dieta porque tem a função de limpar o fígado. Um deles é o enxofre, presente principalmente nos vegetais escuros como couve, brócolis e agrião. O suco verde, que contém agrião e couve, pode ser tomado duas vezes ao dia.

            Aminoácidos como a leucina, encontrado nas carnes magras e castanha do Pará,

            E a cisteína da lentilha, do feijão branco e do grão de bico também fortalecem as enzimas limpadoras e ajudam a regenerar o fígado.

            “Consumir as frutas que tem potencial anti-inflamatório e alimentos de coloração arroxeada, como repolho roxo ou a beterraba também ajudam o fígado mais limpo”, diz Silvia Ferolla, nutricionista.

            Alimentos que tem alcaloides como a rúcula, almeirão, mostarda e agrião são desintoxicastes. A substância também está nos chás: chapéu de couro, carqueja e boldo. Acrescente ao chá, canela que acelera o metabolismo e reduz o açúcar no sangue.

            Veja o cardápio para limpar o organismo:

            Café da manhã:

            – suco de limão com couve – meia folha de couve para 1 copo de suco de limão. O limão é apenas o veículo pra couve. Por ser verde escura, a couve tem vitamina b6, magnésio e ácido fólico, elementos que agem como regeneradores hepáticos.

            – pão sem miolo – o fígado é o responsável pelo metabolismo mecânico. Quanto mais carboidrato a pessoa ingerir, mais trabalho o fígado vai ter. Quando o órgão está adoecido, ele fica mais fraco. Portanto, a ingestão de carboidratos cansa o fígado e acaba prejudicando-o.

         – queijo branco – como opção para colocar no pão, o queijo branco sustenta bem a vontade do salgado. Poderia, também, ser uma geléia sem açúcar. O recomendável é não colocar manteiga ou margarina, que têm muita gordura e acabam prejudicando o fígado.

            – chá – de chapéu de couro com casca de maçã e canela, ou chá verde, ou chá de maçã. A canela é remédio para diminuir insulina. A maçã, além de anti oxidante, suaviza o sabor.

            Lanche:

            -castanhas ou frutas – 4 castanhas ou 6 amêndoas – são fontes dos ômegas 3 e 6, que são importantes para fortalecer o sistema imunológico e servem como ati inflamatório. As frutas são sempre boas opções de lanche. O ácido presente na maçã, por exemplo, é um composto anti inflamatório. O suco da maçã é regenerativo.

            Almoço:

        -salada com folhas escuras – repolho, almeirão, brócolis, agrião, rúcula, alface, mostarda, couve e espinafre são alimentos que tem enxofre. Esses alimentos possuem substâncias que vão limpar as vias do seu corpo. O fígado produz uma enzima que limpa o corpo, mas ela só a produz quando o corpo ingere enxofre (couve flor, brócolis, couve, couve de bruxelas são bons exemplos). Feijão branco ou lentilha ou grão de bico – estes alimentos possuem colina. O elemento ajuda na limpeza do fígado. Possuem, também, taurina. A substância é destoxificante. Ela varre as toxinas.

            – carne branca ou peixe – a sardinha é uma fonte de ômega 3. Substituir a carne vermelha por carnes brancas ou peixe é uma boa ideia porque o fígado tem muito trabalho na digestão das carnes vermelhas. O processo de metabolização da carne branca é mais leve, exige menos esforço do órgão.

            Lanche da tarde:

            -chá e biscoito integral – maçã com canela, chá verde. Não são recomendados chás muito misturados, ou chás que incentivam o funcionamento do intestino ou, ainda, para perder peso.

            Jantar:

          – o jantar pode ser uma repetição do que foi ingerido pela manhã. Sanduíches com pasta magra (de ricota, por exemplo). O sanduíche pode ser feito com pão sírio. Ele é mais leve que o pão de sal. Leva menos farinha e, portanto, tem menos carboidrato, sendo conveniente para o fígado. Quem quiser outra opção pode fazer uma sopa de lentilha, de grão de bico, de cenoura ou, ainda, de espinafre ou couve.

            NOVE ALIMENTOS QUE AJUDAM A PROTEGER O SEU FÍGADO

            Você provavelmente nem lembra que ele existe, mas saiba que o fígado é um dos órgãos mais complexos e merece muito cuidado. Entre as mais de 200 funções, ele funciona como um filtro, eliminando o que é tóxico ao nosso organismo – percebeu a importância? Sem ele funcionando direito, nada mais trabalha direito no corpo também. Quando exageramos no consumo de bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos, o fígado fica sobrecarregado e precisa de uma desintoxicação.

            “O problema é que não existe um alimento milagroso em uma quantidade determinada que promova essa limpeza do fígado”, aponta o nutrólogo André Veinert, da Clínica Healthme. Ele diz que há alguns alimentos que podem até ajudar a desintoxicar, mas não basta apenas consumi-los e se achar no direito de exagerar no consumo de álcool e gorduras – é preciso ter moderação, fazer refeições leves várias vezes ao dia e praticar exercícios físicos com regularidade. Outro ponto é que o consumo dos alimentos “detox” precisam ser consumidos de forma habitual na dieta alimentar. Em resumo, o consumo de um único item da lista abaixo não vai ser o responsável por proteger a saúde do fígado, mas sim uma alimentação balanceada em que se encaixem a turma toda. Confira aqui:

            -Própolis: O extrato de própolis, obtido das abelhas é facilmente encontrado em farmácias, contém substâncias chamadas bioflavonoides que estão ligadas a uma melhora da função do fígado. Dessa forma, ajudam a acelerar a desintoxicação do organismo.

            “Há também alguns estudos feitos desde 1992, in vitro ou em camundongos, que apontam que a substância artepelin C do própolis combate células tumorais no fígado”, aponta a nutricionista Danielle Nascimento, do programa de educação nutricional Viva Melhor. Leia no rótulo as instruções de consumo de acordo com o tipo de própolis que você comprar, que pode variar de uma colher de chá a uma quantidade específica de gotas de acordo com a idade da pessoa.

            -Abacaxi: O destaque do abacaxi é uma potente enzima chamada bromelina. “Ela auxilia na digestão – por isso que muitas pessoas a usam para amolecer a carne de churrasco”, conta a nutricionista Mariana Thomaz, do Hospital Paulistano. Desse modo, ela ajuda a desobstruir o fígado do acúmulo de gorduras e toxinas. “Recomendo fazer combinações de suco de abacaxi com hortelã ou outras frutas, para potencializar ainda mais o efeito sobre o fígado e o todo o corpo”, indica Mariana.

            -Maçã: Uma singela maçã pode fazer a diferença no trabalho do fígado por conter uma substância chamada pectina. “É uma fibra solúvel que ajuda na diminuição da taxa de colesterol e facilita a digestão de gorduras pelo organismo”, explica Danielle Nascimento. Para entender o processo, a nutricionista faz uma explicação simples: a fibra “se agarra” às células de gordura e as leva embora do corpo, impedindo que fiquem acumuladas no fígado.

            O nutrólogo André Veinert, da Clínica Healthme, em São Paulo, também conta que a maioria das frutas, verduras e legumes ricos em fibras ajuda na absorção de gordura, apesar de a maçã ganhar destaque por ter a pectina. “Inclua no cardápio tanto maçã quanto banana, cenoura, tomate, pera e outros vegetais que também fornecem vitaminas importantes para melhorar o funcionamento do fígado”, recomenda.

            – Água: A água é o combustível para o fígado trabalhar. Mariana Thomaz conta que, quando álcool e gorduras entram no nosso organismo, transformam-se em substância tóxicas que sobrecarregam o trabalho do fígado. “A água é fundamental para ajudar a eliminar essas toxinas”, afirma. Além disso, o fígado é responsável por produzir a bile (ou suco biliar) que atua na digestão de gorduras como se fosse um detergente. “O órgão produz entre 800 ml a um litro de bile por dia e, sem água, isso não será possível”, explica a nutricionista Danielle.

            Tenha sempre uma garrafinha com você durante o dia e, quando beber álcool, procure intercalar com goles de água e evitar exageros. É verdade que o álcool é líquido, mas ele é muito diurético e acelera a desidratação do organismo. Por isso, água, sucos, chás e água de coco ajudam a recuperar o que o seu corpo perde com o consumo de bebida alcoólica

            -Gengibre: Segundo Danielle Nascimento, esse alimento é considerado um tônico do fígado. “O gengibre ajuda na secreção da bile, que é feita pela vesícula biliar”, explica. Com isso, a digestão de gorduras é mais eficiente, evitando a sobrecarga do fígado. Você pode consumir o gengibre cru, ralando um pouco em cima do seu prato no almoço e no jantar.

            – Escarola: A substância amarga presente nessa verdura estimula a produção e secreção da bile, segundo a nutricionista Danielle. “Além disso, é fonte de nutrientes, como ácido fólico, zinco e vitaminas que dão mais saúde e disposição ao corpo para que todos os órgãos funcionem direito”, afirma. O sabor da verdura combina muito com tortas e pizzas, mas prefira usar sempre farinha integral para preparar esses pratos.

            – Rabanete: Vale tanto o cru quanto o em conserva – só fique de olho na quantidade de sódio dessa segunda opção, que aumenta o inchaço e a pressão arterial e, consequentemente, traz malefícios ao fígado. “Essa raiz tem uma essência sulforafada, responsável pelo sabor picante, que aumenta a secreção da bile pelo fígado”, explica Danielle Nascimento.

            – Frutas vermelhas: Morango, amora, cereja, framboesa e outras frutinhas avermelhadas são poderosos antioxidantes. Segundo André Veinert, eles ajudam a combater as substâncias tóxicas acumuladas no fígado. “Invista também em outros alimentos que contenham vitamina A, vitamina E e outros antioxidantes, como cenoura e tomate”, recomenda o nutrólogo da clínica Healthme.

            CINCO ALIMENTOS QUE FAZEM MAL AO FIGADO

            Independentemente de você ter algum problema no fígado, com certeza já sentiu aquele desconforto causado pela ingestão excessiva de gordura. Além do mal estar, dores de cabeça e vômitos também são sintomas comuns. Confira uma lista dos alimentos que, quando ingeridos demasiadamente, podem prejudicar o seu fígado:

1 – Carboidrato em excesso pode ser prejudicial. Mas, isso não significa que pães e massas devam ser abolidos do seu dia a dia. É preciso, apenas, consumi-los com moderação.

2 – Alimentos ricos em conservantes, colorantes e adoçantes artificiais. Quanto mais industrializado, mais prejudicial pode ser para o seu fígado.

3 – Óleos em excesso. Reduza o consumo de alimentos fritos.

4 – Carnes vermelhas podem representar grande ingestão de gorduras saturada e trans, o que leva o seu fígado a inchar e a dar sinais de problemas!

5 – Álcool. Esta bebida está no topo da lista. Ao invés disso, tente consumir 6 copos de água ou sucos por dia.

http://formasaudavel.com.br/alimentos-beneficos-para-o-figado/

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2011/03/alimentos-podem-limpar-o-figado-dos-exageros-de-bebida-e-comida.html

http://www.minhavida.com.br/alimentacao/galerias/16055-nove-alimentos-que-ajudam-a-proteger-o-seu-figado-no-carnaval

http://suadieta.com.br/Materias/2138/saude/5-alimentos-que-fazem-mal-ao-figado

*voltar ao indice*

ELEMENTO ESTÔMAGO

        Excesso de acidez no estômago causa úlceras e gastrite. Estresse, frutas cítricas, frituras, café, cigarro e álcool pioram problema.

           Alimentos ácidos, condimentados e gordurosos costumam cair como uma bomba em estômagos mais sensíveis. É comer para logo sentir aquela azia ou queimação.

             Cafeína, bebidas alcoólicas, cigarro e até o nervosismo também podem piorar problemas como gastrite e úlcera.

           Isso ocorre porque, em situações de tensão, o sistema nervoso é acionado e estimula a produção de ácido clorídrico no estômago. Assim, o suco gástrico fica mais ácido e a agressão é maior.

             O suco gástrico é formado basicamente por água, ácido clorídrico e enzimas digestivas. Seu pH varia entre 1,5 e 2, mas em indivíduos com gastrite ele fica ainda mais ácido. O pH é a escala que determina a acidez e vai de 0 a 14, em que 0 é o mais ácido e 14 o mais alcalino. O pH da água, que é neutra, é 7.

            Segundo os cirurgiões do aparelho digestivo Fábio Atui e Marcelo Averbach, a gastrite é uma inflamação da parede do estômago e acontece quando a acidez aumenta tanto que começa a agredir o órgão.

          Quando essa inflamação evolui, pode causar uma ferida mais grave, a úlcera. Mas é possível ter úlcera sem ter apresentado gastrite. E o problema pode atingir o duodeno, primeira parte do intestino delgado. A gastrite está relacionada, ainda, à bactéria Helicobacter pylorii, presente na água e nos alimentos. Quando ingerido, esse micro-organismo passa a morar no estômago e estimula a produção de ácido. Algumas pessoas têm um sistema de defesa mais forte e se protegem melhor. Naquelas com baixa imunidade, a bactéria pode provocar gastrite. Boa parte do tratamento é feita com antibióticos.

               Sintomas da gastrite

– Queimação no estômago

– Mau hálito

– Dor de barriga ou diarreia

– Vômito com sangue

            Para pacientes com gastrite ou úlcera, as frutas ácidas (como laranja e limão) devem ser evitadas. Algumas bebidas também aumentam a acidez no estômago. É o caso do café, do chocolate, do chá preto e do chá mate. Da mesma forma, condimentos como pimenta, vinagre e alho, alimentos em conserva (picles e pepino), refrigerantes e frituras (pastel, coxinha, bolinha de queijo, etc.) devem ser cortados do cardápio.

             Além disso, devem ser evitados balas, gomas de mascar e pirulitos, porque, conforme mastigamos e salivamos, nosso cérebro recebe um sinal de que a comida está entrando no corpo e sinaliza para o estômago que está na hora de produzir ácido clorídrico, já que a comida vai chegar. Só que os alimentos não são engolidos e o ácido traz prejuízos à mucosa.

             Nível de acidez dos alimentos

            Pouco ácidos (pH maior que 4,5): feijão, brócolis, couve-flor, alface, cebola vermelha, peixe, manteiga, milho, leite, queijo e ovo.

            Ácidos (pH entre 4 e 4,5): beterraba, tomate, pimentão vermelho, cerveja, uva verde e uva roxa.

         Muito ácidos (pH menor que 4): pepino, limão, laranja, azeitona verde, vinagre, refrigerante de cola, suco de maracujá, picles e pimenta.

             Comer rápido, deitar após a refeição e ser obeso podem piorar azia e refluxo. Cerca de 35 milhões de brasileiros de todas as idades têm refluxo Dores no peito podem ter origem no estômago, coração ou pulmão.

              Pessoas que convivem no mesmo ambiente de alguém com gastrite têm mais chance de ter a doença. Isso porque elas geralmente compartilham maus hábitos alimentares e a situação de estresse familiar. Além disso, podem ter ingerido o mesmo alimento ou água que contenha a bactéria H. pylorii.

           No ano passado, o Sistema Único de Saúde (SUS) fez quase 1 milhão de endoscopias, principal exame para detectar inflamações na parede do estômago.

             Um tubo de menos de 1 cm com uma câmera na ponta entra pela boca e vai até o estômago. Um sedativo faz a pessoa dormir e tira o desconforto do aparelho. Um chip, que fica na ponta do tubo, conduz a imagem para um monitor, onde o médico observa o corpo por dentro. A câmera desce até o duodeno e mostra inflamações ou feridas na parede gástrica. O exame leva de 5 a 10 minutos.

                Dicas

– Pare de fumar: o cigarro aumenta a secreção de ácido e faz com que o suco gástrico fique mais forte, facilitando as inflamações da mucosa do estômago.

– Fracione a alimentação: é essencial para estimular um trabalho uniforme do estômago, fazendo com que o ácido seja usado frequentemente para processar os alimentos e não fique muito tempo parado.

– Não fique em jejum: quando você não come, o suco gástrico fica parado. Quanto mais tempo isso ocorrer, mais o estômago ficará suscetível a inflamações.

– Evite grandes refeições: o estômago de quem come muito não consegue processar toda a comida e estimula mais produção de ácido.

              Quem sofre com a gastrite sabe bem o quanto incomoda a queimação, o aperto, a cólica e o estufamento que vira e mexe teimam em aparecer. Todas essas sensações fazem parte deste quadro inflamatório. O desconforto aparece, principalmente, na parte mais alta da barriga, na boca do estômago. Muitas pessoas, por desinformação sobre a doença, agravam os sintomas com uma alimentação inadequada e nem se dão conta do quanto que a comida pode irritar a mucosa gástrica. Alguns alimentos favorecem a secreção de ácido gástrico e, por isso, devem ser ingeridos com cautela, pois agridem as paredes do estômago. A seguir, veja quais são eles e saiba por que evitá-los.

  1. Produtos ricos em corantes e conservantes, como sucos em pó e salgadinhos. “Uma vez instalada a inflamação, esses condimentos tem um grande potencial de agravar ainda mais o quadro, pois causam a irritação da mucosa gástrica”, afirma a nutricionista Amanda Epifânio, do Centro Integrado de Terapia Nutricional (Citen).
  1. Gomas de mascar. Chicletes, com ou sem açúcar, também são nocivos. O estômago se prepara para receber o alimento sempre que mastigamos algo. Esse preparo envolve a produção de uma quantidade adequada de ácido para o processo digestivo. “Com a chegada do alimento, esse ácido desempenha sua função e não é lesivo à parede gástrica. Mas, ao mastigar a goma de mascar, o estômago é ‘enganado’. Não ocorre a chegada de alimento na cavidade gástrica e, portanto, a quantidade de suco gástrico produzido pode ferir o estômago e fazer a gastrite atacar”, adverte a nutricionista Amanda Epifânio.
  1. Frituras e embutidos, como os salgadinhos de festa, salsicha, salame e mortadela. O efeito dos embutidos está associado à quantidade de corantes e conservantes que esses alimentos contêm, causando irritação da parede do estômago. Com as frituras, o processo é muito semelhante. “Preparações fritas, principalmente, de óleos reutilizados, causam grande irritação gástrica e agravam os sintomas da gastrite. Isto acontece porque eles produzem substâncias oxidantes que agravam a irritação gástrica”, afirma Amanda Epifânio. Entretanto, essa irritação não se restringe apenas às frituras encharcadas. “As frituras sequinhas, com aparência inofensiva, são, em geral, fritas em gordura hidrogenada ou trans. Essa qualidade de gordura é a que mais irrita o estômago e tem um potencial de aumentar ainda mais a inflamação”, conclui a especialista.
  1. Carnes vermelhas. O estômago é responsável apenas pela digestão de alimentos proteicos, como as carnes, induzindo ainda mais a liberação das enzimas digestivas e podendo agravar a inflamação. Segundo a nutricionista Amanda Epifânio, além das proteínas, as gorduras presentes em alguns cortes de carne, como a picanha, tornam a digestão mais lenta, deixando o alimento parado no estômago por um período maior, piorando assim os sintomas gástricos.
  1. Leite e seus derivados, como iogurte, manteiga, requeijão e queijos. O leite e seus derivados fazem parte dos alimentos proteicos, e a alteração digestiva é semelhante à das carnes. Seu consumo nunca deve ser utilizado na tentativa de melhorar a dor gástrica, pois haverá uma melhora imediata em resposta à chegada de alimento no estômago, mas o agravamento da gastrite virá logo em seguida.
  1. Açúcar e doces, como bolos, biscoitos recheados, sorvete e balas. O açúcar tem uma rápida digestão, podendo aumentar a fermentação intestinal e causar o desconforto gástrico. “As balas têm função semelhante a das gomas de mascar e os sorvetes, por serem à base de leite e ricos em gorduras, agravam ainda mais a gastrite”, explica Amanda.
  1. Condimentos fortes, como pimenta, temperos prontos, molho shoyu, catchup, mostarda. Ninguém em sã consciência colocaria uma gota de pimenta em uma ferida exposta, não é mesmo? O mesmo vale para o nosso estômago. “Na gastrite, há um processo inflamatório e o consumo de pimenta poderá ferir ou agravar a lesão inicial. Os demais molhos são ricos em conservantes e condimentos que também pioram o quadro”, adverte a especialista.
  1. Cafeína, presente no café, nos chás preto e mate e nos refrigerantes à base de cola. Esta substância é um potente irritante gástrico e deve ser evitada durante o tratamento da gastrite.
  1. Frutas cítricas, como laranja, mexerica, limão, maracujá, abacaxi e kiwi. De acordo com a nutricionista Amanda Epifânio, o teor de acidez das frutas cítricas pode agravar a lesão gástrica e causar dor.
  1. Bebidas alcoólicas. O álcool também é extremamente agressivo à mucosa estomacal. Ele pode causar e/ou agravar um estado de inflamação.

             O tratamento da gastrite é bastante variável, já que respeita as causas da inflamação. Além disso, “as medidas terapêuticas são guiadas pela gravidade dos sintomas e das eventuais lesões encontradas no exame de endoscopia”, informa Roberto Carvalho Filho, gastroenterologista da Unifesp. Um cardápio especial, no entanto, entra em cena em todos os casos.

             Alimentos que agridem de alguma forma a mucosa do estômago ou que favorecem a secreção de ácido gástrico devem ser consumidos com certa cautela. “É importante levar em conta as tolerâncias individuais, testar quais alimentos causam desconforto e retirá-los da alimentação, quando preciso”, aconselha Roberta Panighel, nutricionista e pós-graduanda em gastroenterologia pela Unifesp.

             De acordo com a responsável pela equipe nutricional do Minha Vida, Roberta Stella, tais alimentos só devem ser excluídos do prato durante as crises agudas de gastrite. “Quando não há mais desconforto e a crise já foi controlada, o cardápio deve voltar ao normal”, afirma. Já os casos de gastrites atróficas merecem atenção especial, com acompanhamento de um médico e um nutricionista, pois não existe tratamento curativo.

             A especialista do Minha Vida lembra, no entanto, que cardápio normalizado não pode ser confundido com excessos ou liberdade para ingerir tudo o que desejar. “Alimentação balanceada se traduz em um cardápio voltado para as suas necessidades individuais. As refeições devem fornecer nutrientes na quantidade recomendada”.

             Invista nos pratos adequados para seu estômago

             Quando o assunto são os alimentos que não podem faltar no cardápio de quem sofre com a gastrite, a nutricionista da Unifesp ressalta que não existe comprovação científica sobre alimentos com ação terapêutica. “O papel da alimentação é ajudar a recuperar e proteger a mucosa do estômago, facilitando a digestão”, explica Roberta Panighel.

             Ainda de acordo com ela, há quem tolere melhor preparações mais leves, como purês, suflês, sopas, vegetais cozidos, carnes moídas, desfiadas ou picadas. De qualquer forma, quem tem gastrite, assim como as demais pessoas, deve seguir uma dieta variada, contendo frutas, legumes, verduras, carne bovina magra e carnes brancas , completa a recomendação.

            Apostar em hábitos alimentares que não intensifiquem o incômodo também é válido. Roberta Panighel aconselha a não tomar líquidos junto com as refeições. “Ingira-os meia hora antes ou uma hora depois de se alimentar”, ensina.

             Mais um conselho da nutricionista da Unifesp é fazer de cinco a seis refeições por dia, dando um intervalo médio de três horas entre cada uma, sempre ingerindo porções moderadas e mastigando com calma. “Jejuns prolongados colaboram para a irritação da mucosa gástrica, resultando em sintomas típicos da gastrite, como dores, náuseas e vômitos”, destaca Roberta Stella, nutricionista do MinhaVida

             No entanto, nem só de restrições na dieta vive quem tem gastrite. Veja quais hábitos são bem-vindos e quais alimentos não agridem o seu sistema digestivo e ainda controlam a doença – alguns, inclusive, ajudam a recuperar a ferida na parede do estômago.

             A nutricionista Carla Fiorillo indica que sejam feitas de quatro a cinco refeições por dia – com calma, em poucas quantidades. Outra dica, da nutricionista Andréia Ceschin de Avelar, é comer bolachas de água e sal ou maisena (nada de bolachas recheadas, pois são muito gordurosas) e frutas nos intervalos das refeições, para evitar que o estômago fique vazio (já que, quando vazio, o suco gástrico corroerá suas paredes, agravando a ferida).

             Hortelã e alecrim: Os chás dessas ervas são poderosos aliados da boa digestão. A nutricionista Carla Fiorillo conta que eles também são calmantes digestivos, já que diminuem a acidez do estômago. Com isso, eles atenuam azias, gases e cólicas. Para um efeito mais satisfatório, o ideal é que eles sejam tomados 30 minutos antes das refeições.

             Frutas não ácidas: Laranja lima, banana, maçã, pêra, goiaba e mamão estão na lista de frutas liberadas, já que não agridem o estômago. Os seus sucos também podem ser ingeridos sem medo. A quantidade indicada pela nutricionista Andréia Ceschin de Avelar é de quatro a cinco porções por dia no café da manhã, no meio da manhã, como sobremesa do almoço, entre almoço e jantar e outra no jantar, sendo cada porção uma fruta ou uma fatia.

             Suco de Aloe Vera: Segundo a nutricionista Fernanda Granja, o suco de aloe vera, erva também conhecida como babosa, tem poder cicatrizante. Ou seja, além de não ser prejudicial, ainda contribui na cura da ferida estomacal. O suco já é vendido pronto e 50ml ingeridos em jejum ou antes de dormir diariamente são suficientes.

             Lactobacilos: “Às vezes, a gastrite mata as bactérias boas do estômago e, e sem elas, o tecido não se recupera”, explica a nutricionista Fernanda Granja. Por isso, a reposição dos lactobacilos é importante para povoar o estômago com bactérias benéficas e, assim, para a cura da gastrite. Lactobacilos são encontrados em iogurtes e, até mesmo, vendidos em pó.

          Biomassa de banana verde: Quando cozida, a banana verde apresenta um amido resistente, definido como prébiótico. Essa substância funciona como alimento dos lactobacilos, mantendo-os vivos. Quando uma pessoa desenvolve gastrite, seu estômago é povoado com bactérias más, ocasionando déficit de bactérias boas. Ao ingerir a biomassa, os lactobacilos permanecem vivos, auxiliando na recuperação do tecido, como explica a nutricionista Fernanda Granja. Para preparar a biomassa de banana verde, lave as bananas verdes, coloque-as com casca dentro de uma panela de pressão, cubra-as com água e cozinhe por 20 minutos ao todo, sendo que oito deles serão no fogo e os restantes apenas na pressão. Não force o escape da pressão! Terminando de cozer, aos poucos, tire a casca da poupa, que deve ser passada imediatamente no processador. Você obterá uma massa espessa que, se não for consumida imediatamente, pode ser congelada em sacos plásticos ou mesmo cubinhos por até quatro meses, mas exigirá um reprocessamento. A biomassa de banana verde também é ótima aliada da digestão!

             Peixe e frango com pouca gordura: Você não precisa cortar a carne de seu cardápio por causa da gordura. Carnes de frango cozido, refogado ou grelhado; peixes não muito gordurosos, como pescada e merluza – ao forno ou grelhados – e carnes vermelhas menos gordurosas – o que inclui patinho, coxão mole e lagarto – estão liberadas, segundo a nutricionista Andréia Ceschin de Avelar. Mas nada de frituras!

          Suco verde: Segundo a nutricionista Fernanda Granja, o suco de salsinha e couve é rico em clorofila, uma substância energizante e cheia de zinco e antioxidantes, itens necessários para a recuperação do estômago, além de vitamina C e magnésio. Para o preparo, bata os ingredientes verdes com suco de uma fruta, água e linhaça germinada. Para germinar a linhaça, basta colocar uma colher de sopa em um copo com água. Depois de quatro horas, a semente estará pronta para ser adicionada no suco verde.

             Legumes ou verduras refogadas: Consuma legumes e verduras – tanto no almoço quanto no jantar – mas lembre-se de refogá-los, já que folhas muito duras podem incomodar as paredes de seu estômago. Por isso, a nutricionista Andréia Ceschin de Avelar aconselha que o consumo in natura de verduras como repolho, couve crua, escarola, alface e agrião seja evitado, pelo menos no começo.

             Caldo de feijão: A nutricionista Andréia Ceschin de Avelar conta que, embora o grão do feijão deva ser evitado por causa da fermentação que provoca, o seu caldo pode ser aproveitado. Além de ele ser facilmente digerido, você pode aproveitar os nutrientes que o feijão oferece e ainda matar a vontade, já que o gosto do caldo não se modifica quando separado do grão. Sopas de legumes e canjas também estão liberadas.

             Mudanças de hábitos alimentares e algumas atitudes simples para mudar este quadro

          Hoje em dia muitas pessoas sofrem com gastrite, azia e refluxo. Alguns minutos após as refeições já sentem um incômodo na boca do estômago ou uma forte dor em toda a região estomacal. Você sabe por que isso acontece?

             A gastrite é a inflamação da mucosa que reveste as paredes do estômago. A azia é o sintoma mais característico de refluxo do suco gástrico para o esôfago, conhecido como doença de refluxo gastroesofágico, causada pelas alterações do esfíncter que separa o estômago e o esôfago e que funciona como uma válvula para impedir o retorno dos alimentos e sucos gástricos.

            Para diminuir os sintomas e cuidar do estômago de forma geral é necessário ter algumas mudanças de hábitos, tanto em relação à sua dieta quanto a forma de consumir os alimentos. Vamos listar as 5 principais:

 -Comer de 3 em 3 horas – Separar um tempinho para as refeições é essencial, pois ficar com o estômago vazio permite que os ácidos irritem ainda mais a parede do estômago.

 -Mastigar bem os alimentos – Muitas pessoas almoçam em menos de 10 minutos, você acha que dá tempo de mastigar direito os alimentos nesta velocidade? Não dá. Se o alimento não for triturado corretamente na boca, ele chega em pedaços maiores no estômago, aumentando o seu trabalho. Trabalhando mais, ele se cansa mais e dói mais.

 -Dar preferência a frutas, verduras e carnes magras – As frutas e verduras são riquíssimas em fibras, que por sua vez diminuem os níveis de grelina, um dos hormônios responsáveis pela acidez estomacal.

 -Diminuir gordura do cardápio – Os alimentos gordurosos exigem muito do estômago e, se consumidos em excesso, podem ser prejudiciais ao nosso organismo. Não é proibido comer, mas seu consumo deve ser moderado.

 -Diminuir quantidade de alimentos à noite. Com a correria de hoje em dia fazemos tudo ao contrário, tomamos o café da manhã com pressa, muitas vezes de pé e comemos apenas ‘alguma coisinha’. Almoçamos algo rápido para voltar logo ao trabalho e à noite, em casa, é a hora que comemos mais.

         Além destes cuidados, podemos citar outros como: diminuir consumo de café, chá preto, bebidas alcoólicas, refrigerantes e chocolate. Os fumantes também sofrem muito com estes sintomas, pois a nicotina estimula o refluxo e aumenta a produção de ácido no estômago.

             Lembre-se sempre, estes sintomas necessitam uma atenção especial, não se automedique ou ignore os sintomas, procure um profissional da saúde para melhor orientá-lo

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/04/excesso-de-acidez-no-estomago-causa-ulceras-e-gastrite.html

http://www.minhavida.com.br/alimentacao/galerias/13203-dez-tipos-de-alimentos-capazes-de-agravar-a-gastrite

http://www.minhavida.com.br/saude/materias/3354-tire-da-dieta-os-alimentos-que-provocam-ou-agravam-a-gastrite

http://www.minhavida.com.br/alimentacao/galerias/13636-aproveite-10-alimentos-que-ajudam-a-controlar-a-gastrite

http://maisequilibrio.com.br/nutricao/gastrite-azia-e-refluxo-saiba-como-aliviar-os-sintomas-2-1-1-733.html

 *voltar ao indice*

OS CINCO ELEMENTOS

           Os Cinco Elementos são as diferentes qualidades da energia ki, os cinco diferentes modos como essa energia se manifesta no universo. Os elementos também se manifestam em nós, humanos, ligando-nos com o resto do ambiente, com o ciclo das estações e com as horas. O modo como respondemos, física e emocionalmente, às influencias externas e às forças da natureza depende do equilíbrio dos elementos em nosso interior.

            Fogo é o elemento do calor, verão, entusiasmo e cordialidade nas relações humanas.

            Terra é o elemento do tempo da colheita, abundância, nutrição, fertilidade e da relação entre mãe e filho.

            O Metal envolve a idéia ocidental do elemento ar, mas é mais do que isso. É a força da gravidade, os minerais nas entranhas da terra, os padrões dos corpos celestes, os poderes da condutividade elétrica e do magnetismo. No homem é a tristeza e o anseio de transcende-la.

            A Água é a origem da vida, a capacidade de fluir, infinitamente complacente mas infinitamente poderosa, sempre mutante e com freqüência perigosa. É o mais yin dos elementos. Na psicologia humana, a Água governa o equilíbrio entre o medo e o desejo de dominar.

            A Madeira é o mais humano dos elementos. É o elemento da primavera e do impulso criativo de realizar, que se transforma em raiva ao ser frustrado. No homem é a capacidade de olhar para a frente, planejar e tomar decisões.

            Cada elemento governa um meridiano ou uma função orgânica no corpo humano e também um aspecto da personalidade ou das emoções, de modo que qualquer perturbação dos elementos afetará a mente e o corpo de forma específica.

            O valor da compreensão dos elementos para um médico especialista em de medicina oriental é que a rede de associações entre os elementos fornece indícios nos quais ele pode basear um diagnóstico. Cada elemento está associado a uma cor, um sabor, uma estação, um odor, uma emoção, um sentido. Assim, esse médico não apenas estará interessado nos sintomas do paciente, mas também terá aprendido a perceber tonalidades sutis da cor na face, a diferenciar inflexões da voz e a fazer julgamentos precisos quanto ao estado emocional do paciente. Então, ele pode confirmar seu diagnóstico por um questionário. Que tipo de sabor atrai mais o paciente? Que tipo de tempo faz o distúrbio piorar? Dessa forma, ele o “vê” além dos sintomas, para a causa, que está localizada num dos elementos. Se o diagnóstico aponta para o elemento Água, o médico saberá que ele deve tratar os rins e a bexiga; os mesmos sintomas em outro paciente podem originar-se do elemento Terra, e assim o médico tratará o baço e o estômago. É mais provável que um médico ocidental rotulasse ambos os pacientes como “artríticos”, receitando medicamentos antinflamatórios.

            OS Meridianos

            Os meridianos são canais ao longo dos quais a energia ki flui através do corpo. Os mais bem conhecidos são os 12 meridianos da acupuntura. Os Cinco Elementos possuem, cada um, um par de meridianos, um yin e o nutro yang, exceto para o Fogo, que possui dois pares.

            Todos os 12 meridianos são bilaterais, o que resulta, no total, em 24 meridianos. Os meridianos pareados avançam perto um do outro, e suas funções são complementares.

            Cada meridiano está associado a um órgão ou função psicofísica particular, mas seu efeito estende-se muito além da atividade do órgão, com relação ao entendimento da ciência ocidental. Por exemplo, o Meridiano do Fígado está associado às unhas, aos músculos e aos tendões, ao sistema reprodutivo, à emoção da raiva, aos olhos, à capacidade de planejar etc. Você não precisa de uma compreensão detalhada das associações dos meridianos no início de seu aprendizado, mas deve entender que se o Meridiano do Fígado, por exemplo, está dolorido ou tenso, não é necessariamente o órgão fígado que está com problemas, mas a energia do meridiano do fígado.

            Habitualmente, são incluídos dois meridianos extras, junto com os 12 meridianos dos órgãos: o Vaso do Governo, que é um tipo de reservatório de energia yang e o Vaso da Concepção, seu correlato yin.

            Ao pressionar um ponto situado num meridiano, você não está apenas estimulando os nervos e tecidos locais, mas influenciando também o fluxo de ki ao longo de todo meridiano, e daí através dos demais. Se uma área está dolorida demais para ser tocada, você pode ajudar trabalhando em áreas subseqüentes ao longo dos meridianos que cruzam a área dolorida. Com os meridianos bilaterais, você também pode afetar o fluxo de ki para uma área dolorida, ao trabalhar no mesmo local, mas no lado oposto. Os pontos situados perto das extremidades de um meridiano são, freqüentemente, os mais poderosos para remoção de bloqueios ou alivio da dor ao longo do trajeto daquele meridiano.

            Os Meridianos e suas funções principais

            A Grande Circulação de Energia

-Pulmão – P

  1. Absorção da energia ki do ar – que vai ser transmitida ao organismo através da circu1ação.
  2. Resistência a intrusões externas (físicas e psicológicas) – vias respiratórias capturam corpos estranhos em muco, não permitindo que penetrem no organismo.
  3. Relacionamento mundo interior/exterior.
  4. Purificação do organismo através da exalação (eliminação de gases).
  5. Órgãos relacionados: pulmões, vias aéreas e pele (que também respira).
  6. Relaciona-se com angústia e pranto.

-Intestino Grosso – IG

  1. Absorção de líquidos.
  2. Auxilia na função dos pulmões – água é adicionada ao oxigênio tornando-o líquido antes dele ser absorvido pelo sangue.
  3. Eliminação de resíduos sólidos (do corpo) e psicológicos (da mente – negatividade, insatisfação, etc.).
  4. Elimina estagnação da energia ki.
  5. Relaciona-se com a tensão emocional e atua nas doenças da parte superior do tronco.

-Estômago – E

  1. Digestão – transformação (recepção e decomposição) de alimentos;
  2. Controla mecanismo do apetite – buscar o que necessitamos.
  3. Relacionado ao funcionamento do esôfago, estômago e duodeno.
  4. Relacionado aos ovários, lactação e ciclo menstrual.
  5. Atua sobre o psiquismo, digestão mental, sobre as idéias, a capacidade de concentração mental.
  6. Relaciona-se com as doenças da parte frontal do tórax.

-Baço-Pâncreas – BP

  1. Fermentação e digestão de alimentos – responsável por secreções digestivas, como a saliva, o suco pancreático, etc.
  2. Relacionado à fadiga e ansiedade psicológica – capacidade de “digerir” o conteúdo da vida.
  3. Também relacionado às funções sexo-urinárias e ao ciclo menstrual – secreção de hormônios sexuais.

 -Coração – C

  1. Absorção de informações – nutrição psíquica-espiritual.
  2. Controla espírito e emoção, vivacidade e afetividade. Expressão verbal. Riso, alegria de viver.
  3. Controla energia psíquica (consciência, inteligência), e a partir daí todo o corpo-mente.
  4. Relacionado ao coração e vasos sangüíneos. Distúrbios cardíacos, pressão arterial.

-Intestino Delgado – ID

  1. Absorção de nutrientes – nutrição física
  2. Separa “puro do impuro” (nutrientes e resíduos).
  3. Também relacionado à circulação sangüínea – (nutrientes absorvidos entram na circulação sangüínea).
  4. Também, atua nos inchaços do rosto, dores na nuca e no cotovelo e também na surdez.

-Circulação-Sexo (Mestre Do Coração) – CS

  1. Controle de líquidos do corpo (sistema sangüíneo – circulação principal).
  2. Suplementa e protege função do meridiano do Coração relacionada ao sistema circulatório.
  3. Por intermédio da circulação sangüínea, controla alimentação e proteção (através de anticorpos) das células do corpo.

-Triplo Aquecedor – TA

  1. Controle de líquidos do corpo (sistema linfático e sangüíneo – circulação periférica) – controle da temperatura do corpo.
  2. Suplementa ação do meridiano do Intestino Delgado. Através da circulação de nutrientes/energia, relaciona-se com órgãos e controla funções orgânicas: aquecedor superior relacionado aos órgãos do tórax (função cárdio-respiratória); aquecedor médio aos da área do plexo solar (função digestiva); e aquecedor inferior aos da região do baixo-ventre (função gênito-urinária).

-Bexiga – B

  1. Armazenagem e eliminação da urina (complementando e auxiliando a função dos rins).
  2. Relacionado ao sistema nervoso autônomo – em especial ao sistema simpático, e assim a todas as funções orgânicas.
  3. Ligado aos órgãos genitais e urinários.

-Rim – R

  1. Filtra o sangue, purificando-o e produzindo a urina – mantendo o equilíbrio e a proporção correta de líquidos no organismo.
  2. Relacionado ao sistema glandular endócrino – controlando a energia e vitalidade do corpo e o equilíbrio psicológico.
  3. Ligado à produção de hormônios sexuais e da adrenalina
  4. Relacionado à vontade, decisão, segurança, instinto de sobrevivência e evolução.
  5. Também relacionado aos cabelos, a audição e aos ossos.

-Vesícula Biliar – VB

  1. Equilíbrio da energia total do corpo – agindo através do controle de secreções e hormônios como a bílis, insulina e hormônios secretados pelo duodeno, e da distribuição de nutrientes ao organismo.
  2. Atua na digestão – metabolismo de gorduras.
  3. Relacionado ao processo de decisões sobre situações práticas.

-Fígado – F

  1. Armazena nutrientes e energia, liberando-os no momento necessário – tem uma função de planejamento energético.
  2. Desintoxicação do sangue para manutenção da energia física.
  3. Atua na digestão – produção da bílis.
  4. Relaciona-se com os músculos, a visão, a irritação e a cólera.

            A Pequena Circulação de Energia

            Tem função reguladora sobre a grande circulação de energia:

– Recebe todo o excesso de energia da Grande Circulação;

– Supre a Grande circulação em caso de carência energética.

            Vaso do Governo – VG

            Está relacionado com o sistema nervoso central e comanda os meridianos Yang

            Vaso da Concepção – VC

            Está relacionada com as funções geniturinárias, digestiva e cardiovasculares e comanda os meridianos Yin.

            Influências Patológicas no Órgão Zang-fu

            A teoria dos 5 elementos não é apenas usada para correlacionar as funções dos órgãos Zang-Fu, mas também para demonstrar as suas influências patológicas mútuas. Contudo a aplicação da teoria dos cinco elementos na explicação da interacção complicada entre os órgãos Zang pode ser sumariada nestas quatro relações:

Subjugação extrema;

Subjugação contraditória;

Doenças da mãe que afecta o filho;

Doenças de o filho afecta a mãe.

             Exemplo: As doenças do fígado, podem afetar o baço porque a madeira sobre-subjuga a terra, enquanto que a doença do baço pode afetar o fígado, uma vez que a terra contradiz subjugando a madeira. As doenças do Fígado e Baço interagem umas com as outras. A doença do Fígado também pode afetar o coração, isto é uma doença “mãe a afetar o filho”. Se a doença do fígado é transmitida ao pulmão, isto é categorizado como a madeira contradiz subjugando o metal. Se é transmitido ao Rim, então é considerado uma doença “filho a afetar a mãe”.

            Uso da Teoria dos 5 Elementos no Diagnóstico e Tratamento

           Alterações anormais nas funções internas dos órgãos e no relacionamento podem ser detectadas pelas aparências externas. De acordo com a teoria dos 5 elementos os 5 órgãos Zang têm uma certa ligação com as 5 cores, 5 tons, 5 sabores, bem como com as alterações de pulso. Logo, no diagnóstico clínico de uma doença, os dados recolhidos pelos 4 métodos de diagnóstico (inspecção, auscultação e olfacção, anamnese e palpação) devem ser analisados de acordo com as propriedades e leis de alteração da produção mútua e subjugação, extrema subjugação, e subjugação contraditória da teoria dos 5 elementos. A ocorrência e desenvolvimento de uma doença está, por vezes, relacionada com a anomalia do relacionamento da produção mútua e subjugação. Logo, o tratamento clínico não se deve concentrar apenas no órgão Zang doente, mas também ter em consideração o reajustamento das relações entre os órgãos zang ou Fu particulares, de acordo com a teoria dos 5 elementos.

            Exemplo: Um aspecto azulado com uma preferência para a comida com sabor amargo e um pulso de arame, sugere uma doença do fígado. Uma face rosada acompanhada com um sabor picante na boca e um pulso cheio de força, sugere doença do coração. Um paciente com um baço com qi insuficiente pode ter um aspecto azulado implicando a madeira (fígado) extrema subjugação da terra (baço).

            As teorias do Yin-Yang e dos 5 elementos representam ao mundo uma metodologia utilizada pelos Chineses ancestrais para o seu entendimento e explicação da natureza. A aplicação destas duas teorias na Medicina Chinesa consiste na observação do fenómeno e leis da natureza e na aplicação das mesmas no estudo das atividades fisiológicas e alterações patológicas do organismo humano e relacionamentos. A teoria do Yin-Yang explica a dinâmica dos objetos físicos através de uma consideração de relações contraditórias, de dependência mútua, de aumento-consumo e de transformação. As atividades fisiológicas humanas normais são entendidas como o equilíbrio relativo e harmonização entre o yang e yin. Quando o yin e yang perdem o seu equilíbrio relativo e coordenação, as doenças aparecem. As teorias Yin-Yang e dos 5 elementos são usadas em conjunto como um guia para o diagnóstico clínico e tratamento.

            Nota: Um praticante da teoria dos 5 elementos dá grande importância no verdadeiro conhecimento da pessoa, do seu ambiente, a sua história e a maneira de trabalhar dos 5 elementos na sua vida.

            Trabalho desenvolvido pela aluna Ana Margarida Guilherme do Curso de MTC

http://www.medicinachinesapt.com/filosofia.html

 *voltar ao indice*

DIETA CONTRA O CÂNCER

            A uva contém polifenóis, entre eles o resveratrol, que protege as células dos danos oxidativos causados pelos radicais livres

            O tofu contém fitoestrogênios, que interferem no crescimento do câncer, principalmente o de mama

            A semente de girassol é rica em proteína e fibra, essa última um poderoso anticancerígeno

            A salsa é rica em vitamina C e cálcio, que evitam a proliferação dos radicais livres

            A rúcula é uma ótima fonte de quercetina e carotenoides, poderosos antioxidantes e anticancerígenos

            A romã contém elagitaninos, poderosos antioxidantes – logo, um anticancerígeno natural

            A quinoa, grão originário dos andes e rico em proteínas, contêm também fibras insolúveis, que protegem contra o câncer

            Pimentão tem bioflavonoides, agentes antioxidantes

            A pimenta contém piperina, substância com ação anti-inflamatória, que inibe o crescimento do câncer

            O pão integral é rico em fibras, capazes de diminuir as chances de desenvolver câncer de intestino

            O ovo é rico em zeaxantina e luteína, dois importantes antioxidantes, que evitam a doença

            As nozes contêm ômega-3. Esse ácido-graxo é eficaz na proteção contra o câncer

            Além de antisséptico, a menta é uma ótima fonte de antioxidantes

            A melancia tem licopeno, um antioxidante que pode reduzir o risco de câncer

            O mel é rico em enzimas antioxidantes, potentes contra o câncer

            A maçã contém quercetina, um flavonóide potente contra o câncer

            A lentilha é uma ótima fonte de proteína vegetal e um poderoso anticancerígeno

            O kiwi tem luteína, substância com propriedades antioxidantes e, portanto, anticancerígena

            O gengibre tem um alto teor de vitamina C, que é capaz de levar as células cancerígenas à morte

            A cúrcuma contém curcumina, substância anti-inflamatória e antioxidante

            A couve-flor é rica em compostos índoles, que protege contra o surgimento de câncer, principalmente de mama

            Assim como a couve-flor, a couve-manteiga contém compostos índoles, que protegem contra o câncer

            O chá verde contém epigalocatequina, um composto semelhante aos flavonóides, que ajuda na prevenção do câncer

            A cebola roxa é fonte de antocianinas, capazes de reduzir o tamanho de tumores

            A cebola branca contém selênio, rico em antioxidantes e, portanto, anticancerígeno

            O brócolis tem folato, que tem propriedade anticancerígena

            A beterraba contém antocianinas, um flavonoide antioxidante e anticancerígeno

            Além de ácidos-graxos, a azeitona verde contém ácidos fenólicos, poderosos antioxidantes

            Composto em sua maioria de ácidos-graxos, o azeite é rico em ômega-3, importante antioxidante e, por isso, anticancerígeno

            O alho é rico em compostos sulfurados, que inibe o metabolismo da célula cancerosa

            A alcachofra contém inulina, um prebiótico importante contra o aparecimento de câncer do trato gastronintestinal

            O agrião contém compostos índoles, conhecidos por sua capacidade anticancerígena

            A abobrinha é rica em carotenoides, substâncias potentes contra o câncer

            Abacate: rico em ácidos-graxos poli-insaturados e em vitaminas do grupo B, essenciais no combate ao câncer

            Os alimentos que combatem o câncer são, principalmente, frutas, vegetais e cereais integrais porque têm substâncias específicas, como os antioxidantes que protegem as células do organismo ajudando a combater e a evitar o aparecimento de câncer.

            Alguns exemplos de alimentos que combatem o câncer são:

  • frutas e verduras verde-escuras, amarelas e cor de laranja, como tomate, acerola, romã, chicória, cebola vermelha, cenoura, uvas vermelhas;
  • vegetais crucíferos, como brócolis;
  • azeite, óleo de canola;
  • alho;
  • leguminosas;
  • cereais integrais;
  • soja.

            Um prato bem colorido com alimentos saudáveis e não industrializados é a melhor solução para combater e prevenir as diversas formas de câncer.

Alimentos que devem ser evitados no câncer

           Os alimentos ricos em gordura, açúcares e carboidratos, como pães, bolachas e carnes vermelhas gordurosas são responsáveis por tornar o sangue mais ácido, inflamam as células e desequilibram a insulina e o colesterol, por isso devem ser evitados.

            Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer

            As dicas de alimentação durante o tratamento são sugestões práticas para lidar com os efeitos colaterais do tratamento para o câncer. De acordo com o efeito colateral, a dica de alimentação vai variar:

            Perda de apetite – experimentar receitas novas e comer com frequência durante o dia, mesmo na hora de dormir. Ter sempre um lanche sadio à mão. Se de hora em hora der umas mordiscadas no alimento correto ou uns goles no líquido apropriado, podem-se obter proteínas e calorias com mais facilidade.

            Dor na boca ou na garganta – dar preferência a alimentos fáceis de mastigar e engolir, como banana, purê de frutas e legumes ou ovos mexidos, por exemplo, e evitar alimentos como frutas cítricas, alimentos muito condimentados e salgados ou com texturas duras.

            Mudança nas sensações de olfato e paladar – melhorar o aroma da carne ou peixe deixando-o de molho em sucos doces de frutas, vinho doce, molho de vinagre ou agridoce e tentar usar uma pequena quantidade de ervas aromatizantes, como manjericão, orégano ou alecrim.

            Secura da boca – usar molhos de vários tipos para umedecer os alimentos e facilitar a deglutição, assim como tomar um gole de água de tempos em tempos para facilitar a deglutição e a conversação.

            Náusea – comer pequenas quantidades, com frequência e devagar. Evitar comer em locais abafados, quentes ou que tenham cheiro de cozinha que possa ser repugnante. Se a náusea se manifestar durante a manhã, pode se tentar comer torrada seca ou biscoitos de água e sal antes de levantar.

            Vômito – uma vez controlado o vômito, tente beber pequena quantidade de líquido começando com uma colher de chá a cada dez minutos, passar para uma colher de sopa a cada vinte minutos e, finalmente, para duas colheres de sopa a cada trinta minutos. Quando se for capaz de manter no estômago os líquidos, experimente fazer uma dieta leve continuando a tomar pequenas porções à medida que vai conseguindo manter o líquido no estômago. quando se sentir bem com a dieta leve, passar gradualmente para o regime alimentar normal.

            Diarreia – beber muito líquido durante o dia pode-se fazer caldos de carne e sopas. Diminuir a quantidade de alimentos e bebidas que contenham cafeína, como o café, o chá preto, alguns refrigerantes e chocolate.

            Prisão de ventre – beber muito líquido: pelo menos oito copos de 240 ml por dia que ajuda a manter a consistência apropriada das fezes. Comer alimentos fibrosos, como pão e cereais integral; frutas frescas com casca e verduras.

            Retenção de líquidos – diminuir a ingestão de sal.

           Cáries – diminuir a ingestão de açúcar e evitar ingerir alimentos que grudem nos dentes, tais como caramelo ou balas puxa-puxa.

           Estes efeitos colaterais podem surgir dos diferentes métodos de tratamento para o câncer como cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou imunoterapia que são utilizados adequadamente no tratamento dos diversos tipos de câncer como câncer de pele, intestino, mama e pulmão, por exemplo

            Uma boa alimentação tem o poder de reduzir o risco de câncer. E os alimentos de origem vegetal são os grandes benfeitores. O site Health recomenda de cinco a nove porções diárias de frutas e hortaliças, e lista seis grandes anticancerígenos. Vale acrescentar que algumas iguarias podem aumentar a chance de desenvolver a doença. Entre elas estão bebida alcoólica em excesso e embutidos. Confira a lista abaixo:

            1 – Brócolis

            Todos os vegetais crucíferos (couve-flor, repolho, couve) contêm propriedades anticancerígenas, mas o brócolis é o único com quantidade considerável de sulforafano, um composto que estimula as enzimas protetoras do corpo e elimina substâncias cancerígenas. Um estudo em ratos da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, descobriu que o sulforafano também tem como alvo as células-tronco do câncer, que ajudam no crescimento do tumor. O alimento ajuda a combater câncer de mama, fígado, pulmão, próstata, pele, estômago e bexiga. Portanto, inclua-o no cardápio.

            2 – Frutas vermelhas

            As frutas vermelhas contêm fitonutrientes anticancerígenos. As framboesas pretas, em particular, apresentam altas concentrações de fitoquímicos chamados antocianinas, que retardam o crescimento de células pré-malignas e retém a formação de novos vasos sanguíneos (que podem alimentar um tumor canceroso), de acordo com Gary D. Stoner, professor da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos. Ajudam a combater câncer oral, de cólon, esôfago, e pele. Stoner recomenda meia xícara de frutas vermelhas por dia.

            3 – Tomate

            É fonte de licopeno, carotenoide que dá a cor vermelha ao alimento e que pode parar o crescimento de células de câncer do endométrio, segundo estudos. Também ajuda a combater câncer de pulmão, próstata e estômago. Os maiores benefícios vêm dos tomates cozidos, porque o processo de aquecimento aumenta a quantidade de licopeno que o corpo é capaz de absorver.

            4 – Nozes

            Os fitoesteróis das nozes bloqueiam os receptores de estrógeno em células de câncer de mama e, possivelmente, desaceleram o crescimento dessas células, segundo Elaine Hardman, professora da Escola de Medicina da Universidade Marshall, dos Estados Unidos. Também ajuda a combater câncer de próstata. Hardman sugere 28g diárias da iguaria.

            5 – Alho

            Fitoquímicos do alho podem deter a formação de nitrosaminas, substâncias cancerígenas formadas no estômago (e no intestino, em certas condições), quando se consome nitratos, conservantes comuns de alimentos. Um estudo realizado em Iowa, nos Estados Unidos, mostrou que as mulheres que consomem maior quantidade de alho apresentam um risco 50% mais baixo de desenvolver certos cânceres do cólon em comparação com as que comem menos. Além do câncer de cólon, ajuda a combater o de mama, esôfago e estômago. Que tal esmagar (o que ajuda a liberar enzimas benéficas) um dente de alho fresco e acrescentar ao molho de tomate rico em licopeno?

            6 – Feijão

          Um estudo da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos, descobriu que feijão preto e branco reduz significativamente a incidência de câncer de cólon em ratos, em parte porque uma dieta rica em leguminosas aumenta os níveis do butirato, que, em altas concentrações, tem efeito protetor contra o crescimento do câncer. Outra pesquisa, divulgada na revista Crop Science, constatou que o feijão é eficaz na prevenção do câncer de mama em ratos. Invista em meia xícara da leguminosa algumas vezes por semana

          Pessoas que se alimentam conforme os fundamentos da nutrição funcional sentem os benefícios no seu dia-a-dia. Além de prevenir e cuidar de muitas doenças, os alimentos funcionais promovem bem-estar físico e mental para quem os ingere.

         Dentre os vários aspectos positivos para a saúde, atualmente médicos já indicam alguns alimentos que, se ingeridos conforme indicado, podem* prevenir vários tipos de câncer em homens e mulheres.

           Conheça alguns desses alimentos e como eles atuam no nosso organismo promovendo qualidade de vida:

            – Azeite de oliva e câncer de mama

            Os polifenóis contidos no azeite extra-virgem de oliva são responsáveis por programar a morte de células cancerígenas, diminuindo a expressão de genes pró-cancerígenos. Estes fitos químicos estão apenas presentes no azeite de oliva extra-virgem de primeira extração – a frio e sem químicas. O consumo de duas colheres de sobremesa ao dia é recomendável.

            – Brócolis e câncer de mama

            Estudos mostram que o componente sulforofano inibe a proliferação de células tumorais de modo semelhante ao do taxol e vincristina – poderosos medicamentos anticancerígenos. Outros vegetais que podem também ser benéficos como o brócolis são o repolho e a couve-flor. O ideal é a ingestão de ½ xícara de chá ao dia.

            – Tomate e câncer de pulmão, útero, próstata e boca

            Além de cargas de vitamina C, o tomate é uma das mais ricas fontes de licopeno flavonóide – o que lhes confere a sua cor vermelha e que demonstrou defender o organismo contra o câncer de pulmão, útero, próstata e boca. Para que tenha esse efeito, é necessário o consumo de 3-4 rodelas de tomate por dia.

            – Espinafre e câncer de mama e pulmão

            Em vários estudos verificou-se que pessoas que incluem duas ou mais porções de espinafre por semana em sua nutrição têm consideravelmente mais baixas taxas de câncer de mama e pulmão.

            – Alho e câncer

            Os compostos de enxofre já demonstraram proteger contra o câncer, por neutralizar agentes cancerígenos e retardar o crescimento tumoral. Em estudo, investigadores descobriram que as mulheres que consomem alho pelo menos uma vez por semana, também têm uma incidência 32% menor de câncer de mama.

            – Laranjas e câncer de pulmão e estômago

            Já conhecidas por seu alto teor de vitamina C, pesquisas mostram que as laranjas também são ricas em muitos outros compostos anticancerígenos. Pesquisadores descobriram que as laranjas contêm mais de 170 fito químicos. Além disso, os compostos chamados limonóides – que dão aos frutos cítricos sabor ligeiramente amargo são também altamente ativos contra o câncer. O consumo regular de laranjas (1 fruta ao dia, ou 1 copo de suco) está associado significativamente ao menor número de câncer de pulmão e estômago.

            – Feijão

            Todos os tipos de feijão são carregados com os inibidores da protease – compostos que tornam difícil para as células cancerígenas de invadir tecidos adjacentes. As lentilhas pertencem também à família de feijão, e são saborosas e fáceis de preparar.

            – Soja e câncer de mama

            As isoflavonas contidas na soja podem afetar o desenvolvimento do câncer de mama por competir com o estrogênio do corpo na ligação aos receptores de estrógeno. As isoflavonas também podem reduzir o risco do câncer de mama através do aumento do hormônio sexual vinculado a globulina, o que reduz níveis de estrógeno no sangue.

            Os alimentos podem realmente contribuir no combate ao câncer? Diversos estudos são realizados para responder de forma conclusiva esta pergunta. Qual seria a relação dos alimentos com o processo carcinogênico e os possíveis benefícios que eles podem proporcionar para prevenção do câncer.

            O processo de formação do câncer acontece lentamente, primeiro a célula sofre o ataque dos agentes cancerígenos, que provocam transformações nos seus genes, depois transformam a célula em maligna e por último ocorre a multiplicação descontrolada e irreversível das células alteradas.

            A fase inicial está associada ao dano no material genético da célula e muitas vezes isso ocorre devido ao ataque de radicais livres. Dessa forma, os nutrientes antioxidantes poderiam reduzir o risco de câncer e seriam considerados como agentes potencialmente quimiopreventivos.

            Estes compostos exercem uma ação protetora contra o desenvolvimento do câncer, muitos se encontram disponíveis nos alimentos, como as isoflavonas na soja, o licopeno no tomate, a luteína no espinafre, o resveratrol na uva, etc.

            Alguns estudos indicam que dietas ricas em frutas e vegetais podem ser muito benéficas na prevenção de muitos tipos de câncer. Esses alimentos são ricos em bioflavonóides, fibras e antioxidantes, como o beta-caroteno, a vitamina A, C, E, selênio. São substâncias que podem prevenir ou retardar o aparecimento de alguns tipos de câncer. Isso ocorre por meio de vários mecanismos de proteção.

            O licopeno é um carotenóide encontrado por exemplo, no tomate e em seus derivados. É um potente antioxidante. A ingestão deste composto melhora o funcionamento dos linfócitos (células de defesa do corpo).

            Sobre as gorduras, muitas pesquisas apontam o excesso deste nutriente como fator de risco para vários tipos de câncer.

            A ingestão de quantidades elevadas de vitaminas não previne câncer segundo a maioria dos estudos. Portanto, a suplementação de vitaminas e minerais deve acontecer somente em casos específicos, quando não é possível atingir as necessidades pela alimentação.

           Com relação à alimentação, uma das maneiras de se prevenir câncer e que é consenso atualmente é: consuma frutas e hortaliças!

            Veja a seguir os compostos mais estudados como mecanismo de prevenção de alguns tipos de câncer e suas fontes alimentares:

            Beta-caroteno: cenoura, tomate, caqui, manga, abóbora, couve, espinafre, brócolis.

            Licopeno: extrato de tomate, molho de tomate, tomate, melancia, goiaba.

            Vitamina C: frutas cítricas (laranja, limão, abacaxi, acerola, morango), brócolis, pimentão, couve.

            Vitamina E: óleo de girassol, margarina, amêndoa, gérmen de trigo, amendoim.

Isoflavonas: soja e derivados.

            Selênio: frutos do mar, castanha do Pará, nozes, carnes, ovos, leite e derivados.

http://saude.ig.com.br/alimentacao/alimentos-poderosos-contra-o-cancer/n1597732470330.html

http://www.tuasaude.com/alimentos-que-combatem-o-cancer/combater-cancer,98298c3d10f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html

http://maisequilibrio.com.br/nutricao/alimentacao-no-combate-ao-cancer-2-1-1-553.html

 *voltar ao indice*

ELEMENTO INTESTINO

Kundin entscheidet sich in Apotheke für ein Produkt

Cinco hábitos que melhoram o funcionamento do intestino

              A constipação intestinal ou prisão de ventre é uma das queixas mais frequentes nos bate papos informais e consultórios médicos. É considerado dentro do normal no indivíduo adulto que evacua de duas a três vezes por dia ou até de dois em dois dias, pois o hábito intestinal é bastante variável entre as pessoas, dependendo de diversos fatores, desde clínicos até emocionais.

                A causa mais comum da constipação intestinal crônica é a baixa ingestão de fibras, que são encontradas principalmente em frutas, verduras e grãos. As fibras são essenciais para que o intestino funcione com regularidade, já que elas aumentam o volume das fezes e retêm líquidos nas mesmas, fazendo com que as fezes se tornem mais pastosas e fáceis de eliminar. Assim, a dieta e ingestão de líquidos têm papel fundamental para o bom funcionamento do intestino.

                O uso continuo de laxantes sem supervisão acaba “viciando” o intestino, levando a necessidade de aumentar a dose até o ponto em que ela não fará mais efeito.

                O sedentarismo por outro lado, tem papel negativo na hora de garantir o bom funcionamento do intestino. Foi observado em pessoas que estavam impossibilitadas de se movimentar, ou tinham hábitos sedentários, tinham um aumento expressivo de casos de constipação.

                Alguns medicamentos também podem ter como efeito colateral a constipação, a exemplo de alguns antiácidos e antidepressivos. Para a surpresa de muitos, o próprio laxante, que com o seu uso contínuo (e sem supervisão qualificada) acaba “viciando” o intestino, e prejudicando sua movimentação levando à necessidade de aumentar a dose até o ponto em que ela não fará mais efeito. O uso indiscriminado de laxantes, traz ainda diversos outros males para a saúde.

                Para prevenir a constipação intestinal você pode adotar medidas simples e fáceis de adaptar ao seu dia a dia, como:

                Acabe com o intestino preso:

              Aumente a ingestão de frutas: Principalmente as que se podem ser consumidas com casca e o bagaço, tem um efeito bastante benéfico ao nosso intestino. Verduras, cereais integrais e derivados (farelo de trigo, aveia e pães integrais), sementes oleaginosas (linhaça, castanhas, gergelim, amêndoas) e as hortaliças em geral (todos os tipos de folhas verdes) também ajudam a regular o intestino.

               Beba bastante líquidos: Água e sucos naturais batidos com a semente lubrificam o intestino e ajudam na formação das fezes. Um bom exemplo é o suco de melancia, sem água e sem açúcar batido com sementes.

                Cuidado com os esses alimentos:

               Evite bebidas alcoólicas, chocolate, café, chá preto e outros alimentos considerados constipantes ou que aumentem a produção excessivas de gases (principalmente os ricos em enxofre).

                Em alguns casos, o leite também pode ter ação constipante, mas a avaliação deve ser feita por um profissional capacitado, que efetuará uma investigação criteriosa caso a caso.

Dr. Roberto Navarro Sousa Nilo

                Melhores amigos do intestino

              Consumir alimentos que regulam o funcionamento deste órgão garante boa digestão, defesas reforçadas e até melhora o humor

                Como vai seu intestino? Esta é uma pergunta que poucos fazem a si mesmos. Mas o órgão costuma respondê-la sozinho, mostrando se as coisas vão mal por meio de sintomas que realmente incomodam: “os mais comuns são: inchaço, sensação de peso, gases e prisão de ventre”, explica Sender Jankiel Mizsputen, gastroenterologista e Secretário-Geral da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FGB-SP).

                As mulheres sabem bem como isso funciona, pois são elas as que mais apresentam problemas neste órgão. Uma pesquisa realizada pela FGB em parceria com a Danone denominada Saúde Intestinal da Mulher (SIM) mostrou que um terço das brasileiras têm ao menos uma reclamação sobre o funcionamento desse órgão. A culpa não é só do corpo feminino, mas também da mente. “Além dos fatores hormonais, que aumentam a constipação, existe um tabu: a mulher é educada para nunca emitir informações ligadas ao funcionamento de seu intestino”, explica o especialista.

                Hábitos que fazem toda a diferença

               Comer devagar: não há como estabelecer uma quantidade de vezes que você deve mastigar, mas quanto mais tempo ele ficar na boca, mais é digerido e melhor a absorção de nutrientes no intestino

                Fazer exercícios: o exercício aumenta os movimentos peristálticos, por liberar hormônios que ativam o processo e ajudam na movimentação do bolo alimentar pelo sistema digestivo

                Ter regularidade intestinal: o melhor horário para ir ao banheiro diariamente é durante a manhã, pois durante a noite o bolo fecal é empurrado para o final do intestino.

                Estilo de vida

                Mas o grande papel que este órgão tem na saúde inspira cuidados. Lá são absorvidos todos os nutrientes necessários para o corpo. E não é só isso: “ele contém cerca de 60% do total de imunoglobulinas, células de defesa do organismo”, ensina a nutricionista Daniella Pagani (SP). Estar de bem com o intestino melhora até o humor. Também pudera: lá é produzida 80% da serotonina, neuro-hormônio que ajuda a trazer a sensação de bem-estar. Essa característica e o fato de ter 100 milhões de neurônios conectados lhe rendem o apelido de segundo cérebro. É preciso mudar o estilo de vida para que o órgão funcione adequadamente, mas o principal é a alimentação. A pesquisa realizada pela FGB mostrou que 77% das entrevistadas perceberam isso e colocaram os maus hábitos à mesa no banco dos réus. “Um dos tripés para a saúde intestinal consiste na alimentação balanceada, o que significa consumir proteínas, carboidratos integrais e gorduras vegetais”, lista o gastroenterologista José Galvão Alves, presidente da FBG (RJ). Para que você aprenda a dar uma força para os bons hábitos, listamos a seguir alguns itens que trazem nutrientes também muito importantes para o seu intestino e que não podem faltar na sua dieta diária:

                1 – Ameixa: recheada de fibras

                Essa fruta, principalmente a versão seca, é lembrada quando o assunto é intestino regulado, por esbanjar fibras insolúveis. “Elas melhoram o trânsito, pois se aderem às gorduras e açúcares, formando um bolo fecal consistente”, explica a nutricionista funcional e clínica Daniela Jobst (SP). Também ativa a produção de ácidos graxos, que ajudam no sistema imunológico e que servem como substrato para as boas bactérias. A ameixa tem substâncias que quebram os sais biliares e estimulam os movimentos peristálticos, como frisa o médico Alex Botsaris (RJ). Mas lembrese: para turbinar as fibras, aposte também em vegetais e verduras.

PORÇÃO INDICADA: 4 a 5 unidades por dia.

TEMPO DE ESPERA PARA FAZER EFEITO: cerca de dois ou três dias.

                2 – Iogurte: morada dos probióticos

               Essa bebida traz bactérias que se agregam à microbiota intestinal, equilibrando os tipos benéficos. “Elas regularizam a função intestinal, diminuindo diarreias, gases e constipação; normalizam o pH e ajudam a produzir enzimas essenciais para degradar nutrientes complexos”, descreve Daniella. Os principais probióticos são os lactobacilos e as bifidobactérias. Basta procurar itens com seus nomes no rótulo. É útil consumi-los após a ingestão de antibióticos, que podem acabar com esse exército natural do nosso intestino. Encontrados também em leites fermentados e sobremesas lácteas.

PORÇÃO INDICADA: um pote por dia.

TEMPO DE ESPERA PARA FAZER EFEITO: em 15 dias, no máximo.

                3 – Lentilha e seus prebióticos

               Essa leguminosa contém amido resistente, substância que não é digerida por nós, mas alimenta as bactérias boas do intestino. “Eles podem inibir a proliferação de micro-organismos patógenos (causadores de doenças) dando oportunidade aos benéficos se multiplicarem”, explica o médico nutrólogo Mohamad Barakat (SP). Também produz uma gordura de cadeia curta que é benéfica ao corpo, como ensina o médico nutrólogo Nelson Lucif Junior da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran-SP), mas gera gases. Ela tem outros benefícios: fibras e o poder de reduzir a absorção de gorduras e aumentar o bolo fecal.

PORÇÃO INDICADA: 2 vezes por semana

TEMPO DE ESPERA PARA FAZER EFEITO: cerca de 5 dias.

                4 – Quinoa: à prova de glúten

               Este é um dos cereais que não contém glúten em sua composição, ao contrário do trigo, cevada, aveia, centeio e malte. Quem é celíaco, ou seja, intolerante a ela, sente mal- estar, vômitos, prisão de ventre ou diarreia se a consome. Quanto aos que não têm a doença celíaca, podem não ter nada. Mas alguns especialistas acreditam que, em excesso, o glúten pode grudar nas paredes intestinais e reter toxinas nesse órgão. Na dúvida, vale alternar o consumo desses cereais com a quinoa, que é rica em fibras e tem um alto valor proteico mais do que o milho ou arroz, outros cereais sem glúten.

PORÇÃO INDICADA: 1 vez ao dia.

TEMPO DE ESPERA PARA FAZER EFEITO: depende de cada organismo.

                O organismo humano é bom para enfrentar doenças, mas precisa dos mecanismos de defesa na linha de frente. As 3 principais linhas de defesa são: o sistema imunológico, o fígado e as colônias de bactérias benéficas que habitam nosso intestino.

                Examinando a função das fibras alimentares – cada vez mais escassa na alimentação ocidental, parece que desempenham pelo menos 2 funções importantes:

                1)    alimentam as colônias de bactérias benéficas que vivem no intestino grosso,

                2)    existem indícios de que uma dieta rica em fibras possa ajudar a evitar o câncer de intestino e outras doenças.

              Diante de uma infecção de garganta, a indicação médica costuma ser antibiótico. Tal medicamento mata as bactérias que causam a doença, mas também mata as bactérias benéficas que vivem no intestino grosso. Porém, tais bactérias desempenham um papel muito importante na manutenção da saúde. Matá-las é o mesmo que fragilizar nossas defesas: seja de um microorganismo do mal, de um veneno ou de uma célula mutante.

              Uma boa maneira de garantir a existência destas bactérias benéficas em quantidade e qualidade é via consumo de “probióticos” – alimentos contendo culturas dessas bactérias. Mas essa é uma forma de interferir rapidamente na reconstrução de uma flora. Como seria a forma correta de manter uma flora saudável?

                Bactérias Benéficas x Bactérias Nocivas

               Existem cerca de 100 milhões de bactérias (microorganismos) no intestino de um humano adulto, o que significa pouco mais de um quilo do peso corporal. Praticamente todas as bactérias que habitam o nosso intestino são encontradas no cólon, a parte mais longa do intestino grosso.

              Coletivamente, estas bactérias são chamadas de “flora intestinal” ou “microbiota”. Cada bactéria é uma única célula – um ser vivo diminuto – e existem centenas de espécies diferentes. Em geral existe um consenso de 700 a 800 espécies.

              No entanto, apenas cerca de quarenta espécies benéficas, responsáveis pela maioria das bactérias intestinais. As principais famílias são conhecidas como Lactobacillus e Bifidobacterium, também conhecidas como PRObióticas.

                Segundo o dr. José Roberto Kamer pós graduado em nutrologia e formação em Medicina Tradicional Chinesa, a distribuição desta microbiota é aproximadamente assim:

– 20% de bactérias do BEM, importantes na produção de vitaminas, antioxidantes, hormônios, etc.;

– 30% de bactérias do MAL (patógenas), que geram doenças e descontroles metabólicos;

– 50% de bactérias que jogam no time que estiver ganhando…

               Assim, cabe a cada um de nós manter nossa flora intestinal saudável e feliz, porque ao fortalecermos a presença das 20% do BEM o time ganha 50% de adesão e totalizamos 70% de eficiência. Do contrário serão 80% de bactérias nocivas e não há como evitar os descontroles e as doenças físicas, emocionais, mentais e até espirituais…

              Antes do nascimento, o cólon do feto não contém bactéria alguma. Quando o bebê nasce de parto normal, recebe sua primeira flora intestinal da mãe – herança das bactérias benéficas que habitam o canal vaginal. As pesquisas mostram que os bebês que nascem de cesariana têm muito menos bactérias benéficas e muito mais bactérias do MAU.

                O contato íntimo com a mãe é importante. O aleitamento materno também ajuda: quando são alimentados no peito, os bebês podem absorver as bactérias benéficas por meio do contato da boca com o bico do peito, e o leite materno é perfeito para alimentar a flora intestinal benéfica.

                Você provavelmente traz dentro de si os descendentes diretos das bactérias da sua mãe.

                As bactérias da família Bifidobacterium compõem até 90% da flora intestinal de um bebê amamentado no peito. Um estudo publicado pelo Allergy Research Centre, de Estocolmo, em 2001, acompanhou recém-nascidos até os dois anos de idade e descobriu que os que tinham uma flora bacteriana mais numerosa, apresentavam menos chances de desenvolver alergias.

              Em uma situação ideal, as boas bactérias estão adaptadas ao seu meio intestinal. Por isso, normalmente prosperam e inviabilizam a proliferação de bactérias nocivas. No entanto, sempre estamos em contato com bactérias potencialmente danosas via: alimentos, quando colocamos alguma coisa na boca, beijo, etc. Assim, as bactérias benéficas precisam estar sempre numerosas, bem alimentadas: em estado de alerta, poder e eficácia.

                As bactérias benéficas sobrevivem se alimentando, ou seja, fermentando as fibras alimentares, provenientes dos alimentos de origem vegetal. Esse é um dos motivos pelos quais devemos consumir diariamente frutas e hortaliças, idealmente frescas, cruas e integrais. O organismo não digere as fibras, que passam direto para o cólon, onde as bactérias as esperam famintas.

                Existem dois tipos de fibras: as solúveis, que absorvem água, e as insolúveis, que não absorvem água. Nozes, sementes, ervilhas, feijões e lentilhas fornecem grande quantidade de fibras solúveis. As fibras insolúveis são encontradas, por exemplo, no arroz, cenoura e pepino.

                Um fato: As fibras solúveis fermentam mais facilmente do que as insolúveis. O principal papel das fibras insolúveis é ocupar espaços, facilitar absorções e criar condições ideais de liberação de nutrientes de volta para o organismo.

                A fermentação das fibras produz substâncias benéficas. As bactérias da família Lactobacillus produzem ácido láctico, que reduz significativamente a população de bactérias prejudiciais. Podem também produzir as vitaminas K e B12, que são assimiladas via parede do cólon. A fermentação que ocorre dentro do cólon nos ajuda a absorver sais minerais e alguns produtos da fermentação que podem ajudar a combater o câncer.

                Na verdade, cerca de 10% de nossa energia provém do processamento das fibras dentro do intestino.

                As boas bactérias desempenham diversos outros papéis importantes. Por exemplo, elas treinam nosso sistema imunológico quando ainda somos bebês, consomem também alguns gases produzidos pelas bactérias prejudiciais, reduzindo a quantidade que temos de “expelir”.

                Quando a Flora Intestinal está fragilizada

                Na maior parte do tempo, as bactérias benéficas prosperam e controlam a situação no cólon. Mas, quando estamos doentes, muito cansados ou tomando antibióticos, a flora intestinal sofre muitas baixas. E pior, aquelas do mau ficam em vantagem e ganham a adesão daquelas 50% que jogam somente no time que está ganhando…

                Quando a flora intestinal se encontra em declínio, as bactérias prejudiciais podem se proliferar, transformando-se em uma força dominante e, obviamente, as bactérias benéficas, em minoria e fragilizadas, não conseguem mais desempenhar sua importante função de defesa. A esse desequilíbrio dá-se o nome de DISBIOSE.

                Quando a quantidade de fibras que fermentam no intestino é pouca, as fezes podem reter líquido demais, ficar moles e desencadear perdas minerais importantes. Com uma flora intestinal insuficiente, o funcionamento do intestino também será irregular, você pode se sentir letárgico e observar que está expelindo mais gases do que o normal.

               Bem, agora que você já se convenceu de que precisa manter as bactérias benéficas felizes e saudáveis, deve estar pensando: “Mas como farei isso?”.

                Nossa parte é simples: lhes fornecemos um meio ideal para viverem. Basicamente, não pode faltar esta dupla dinâmica:

                -Água de boa qualidade, idealmente filtrada e Água Solarizada & Cromoterapia

                -Fibras de boa qualidade, presente nas frutas, folhas, legumes, raízes e sementes germinadas, que é a base da alimentação crua e viva.

                Os efeitos positivos sobre a flora intestinal dependem do consumo regular de:

                – Alimentos ricos em fibras solúveis, também conhecidos como prebióticos, de preferência pela manhã e outras 2 vezes ao longo do dia.

                – Determinados grupos da população podem ser mais vulneráreis a distúrbios gástricos, como idosos, diabéticos, crianças pequenas e pessoas que viajam muito. Nestes casos poderiam se beneficiar do consumo de alimentos enriquecidos com probióticos.

Texto adaptado por Conceição Trucom do livro A verdade sobre a comida – Jill Fullerton-Smith – editora Intrínseca.

                Veja alimentos que protegem seu intestino.

               A função do intestino é absorver nutrientes e impedir a entrada de agentes nocivos, por meio de uma barreira. Quando essa barreira se altera, permite uma passagem maior de alimentos, fungos, bactérias, que são “vazados” para a corrente sanguínea, podendo levar a muitos problemas: alergias, doenças autoimunes etc.

                Uma alimentação correta ajuda a prevenir estes problemas e também equilibrar a flora intestinal. Além de evitar o consumo de álcool, cafeína, produtos químicos e agentes irritantes, devemos consumir alimentos benéficos para nosso intestino.

                Para recolocar substâncias necessárias à flora intestinal:

  1. Aveia, trigo, cevada: são prebióticos, carboidratos não digeríveis, proporcionando uma consistência normal para as fezes (prevenindo diarreia e intestino preso).
  2. Iogurtes com probióticos: os principais são as bactérias do gênero Lactobacillus, Bifidobacterium e Streptococcus. Os alimentos probióticos estimulam a proliferação das bactérias boas do intestino, e alguns aumentam a absorção de nutrientes.

                Para reparar a mucosa intestinal:

  1. Soja: é fonte de glutamina, importante para a reconstrução epitelial.
  2. Ovo: na gema do ovo é encontrado o acido pantotênico, que, junto com o ácido ascórbico, é importante na formação do colágeno.
  3. Frutas cítricas como acerola, limão, laranja: fornecem o ácido ascórbico, que, como já foi dito, é importante para a formação do colágeno.
  4. Alho e cebola: contém cisteína, que aumenta o poder antioxidante.
  5. Castanha-do-pará: é a maior fonte de selênio, um ótimo antioxidante, indispensável para a reparação da mucosa afetada.
  6. Levedo de cerveja: é uma das maiores fontes de complexo B disponíveis para consumo.
  7. Óleos vegetais: contém alfatocoferol – a vitamina E -, que, junto com o selênio, combate os radicais livres.

            Quando as funções do intestino estão alteradas, podem sinalizar doenças graves e nem sempre relacionadas ao seu funcionamento: depressão, enxaqueca, problemas no coração e no sistema nervoso são algumas das doenças mais comuns. Por isso, a gastroenterologista Luciana Lobato aconselha cuidado e atenção com esse órgão. “Ficar segurando a vontade de ir ao banheiro, passar dias com o intestino preso e não soltar gases é sinal de que ou sua alimentação ou seu intestino estão com algum problema”, explica.

                O intestino é uma espécie de regulador das demais funções de nosso organismo, nele ocorrem a absorção e a eliminação de nutrientes essenciais para a nossa saúde. Quando ele falha, compromete o funcionamento de outros órgãos e se torna a porta de entrada de muitos males que afetam em cheio a nossa saúde. Por isso, ficar de olho na dieta e nos hábitos diários são fundamentais para evitar problemas: “Primeiro, deve-se prestar atenção na frequência com que você vai ao banheiro. O normal, recomendado pela Associação Americana de Nutrição e Dietética, é defecar entre 3 vezes ao dia ou uma vez a cada três dias; mais ou menos que isso é sinal de que algo vai mal”, explica Luciana.

                Outro fator bastante importante é a consistência das fezes. Se estiverem muito moles ou muito duras, podem indicar hábitos de vida não saudáveis ou de doenças como o diabetes e disfunções da tireoide.

                Constipação

               É quando as fezes estão muito duras. Nestes casos, os principais vilões são os hábitos alimentares e doenças ligadas ao metabolismo ou ao sistema nervoso: “Se a pessoa não bebe água, não come fibras, é sedentária e fica segurando a vontade de ir ao banheiro, a tendência é que o intestino trabalhe com maior dificuldade e as fezes fiquem endurecidas”, explica a médica. “Fezes muito duras também são um sintoma de males como o diabetes, hipotiroidismo, Mal de Parkinson ou doença de Chagas. Por isso, marcar uma consulta com um médico é essencial”, diz Luciana.

                Tratamento

                Fibras. Sua ação mais famosa é o regulamento do intestino. Por aumentarem o volume das fezes, aceleram sua eliminação. As fibras estão classificadas em dois grupos: as solúveis e as insolúveis em água.

                Fibras solúveis: aumentam o tempo de exposição dos nutrientes no estômago, proporcionando uma melhora na digestão dos açúcares e das gorduras. Auxiliam também as reações de fermentação, produzindo altas concentrações de substâncias específicas denominadas ácidos graxos que regularizam o trânsito intestinal de forma suave e protegem o intestino de doenças como: diarreia, inflamações intestinais e câncer de cólon.

                São boas fontes de fibras solúveis: maçã, morango, maracujá (polpa), verduras, aveia, cevada, leguminosas (feijão, lentilha, soja, grão de bico), farelo de trigo e farelo de aveia

               Fibras insolúveis: aumentam o bolo fecal, aceleram o tempo de trânsito intestinal, previnem a constipação intestinal e melhora a retenção de água (a fibra se liga a molécula de água, deixando as fezes macias) . São boas fontes: grãos integrais, farelo de trigo, soja, centeio e verduras.

              Porém, as fibras só são eficientes para a flora intestinal quando ingeridas em doses suficientes. “O ideal é ingerir, no mínimo, 25 gramas por dia. “Em casos extremos, é possível substituir a fibra natural pela sintética, mas não é recomendado, pois, ela não tem os demais nutrientes que a natural oferece”, afirma Luciana. “Outro problema comum é a pessoa que decide ingerir fibras em grande quantidade de uma vez só, porém, a sobrecarga pode causar um efeito inverso e provocar prisão de ventre para um intestino que não está acostumado”, explica Luciana.

               Hidrate seu corpo: as fibras sozinhas não fazem efeito algum. É preciso hidratar o corpo para que elas sejam facilmente digeridas. “Sem água, as fibras viram um bolo nada digestivo e podem até prender o intestino, causando mal-estar”, explica Luciana.

                Exercícios físicos: Pratique regularmente. “Eles liberam adrenalina e estimulam o funcionamento do intestino”, diz a médica.

                Fezes muito moles

             Se o assunto é diarreia ou fezes amolecidas, uma das causas do problema pode ser a ação de agentes externos, como medicamentos analgésicos e antitérmicos, ou doenças como hipertiroidismo, intolerância alimentar, principalmente à lactose, infecções ou doenças do sistema digestivo, como a Doença de Crohn, que é a inflamação crônica de uma das regiões do intestino.

                Intestino preso

             Falta de fibras, de água e as alterações hormonais, principalmente nas mulheres, são algumas das principais causas do problema. Para evitar o mal-estar e a barriga inchada, invista em hábitos saudáveis e horários regrados. “Se você brecar o funcionamento natural do seu intestino, por falta de tempo ou por falta de disciplina na alimentação ou pela falta exercícios, você corre um sério risco de que ele não funcione adequadamente”, diz Luciana.

Por Natalia do Vale – Publicado em 14/10/2009

                Conheça os alimentos que mais fazem mal à saúde e por quê

               A nutricionista Ana Paula Silva Branco fez um ranking dos produtos que mais fazem mal à nossa saúde e foi além, ela explica porque faz mal comer açúcar e que doenças o consumo de determinados alimentos podem causar:

                1) Açúcar refinado ou açúcar comum ou branco

               Segundo Ana Paula, o açúcar inibe a absorção de nutrientes como vitaminas e minerais, agride o intestino, causa desequilíbrio na flora intestinal, aumentando número de bactérias e fungos no organismo, pode causar inflamações e pode provocar diabetes.

– Além disso o açúcar pode causar dependência ou seja quando não ingerimos sentimos falta – explica a nutricionista.

                2) Farinha de trigo refinada

                Utilizada para fazer, bolos, tortas e pães ela é pobre em nutrientes e age da mesma forma que o açúcar no organismo. Também aumenta triglicerídeos, o risco de diabetes e obesidade. Esses são os problemas de se trocar uma refeição por lanches.

                3) Sal em excesso

                O sal aumenta a pressão arterial, sobrecarrega os rins, que têm que trabalhar mais para eliminá-lo e causa inchaço devido à retenção de líquido no corpo.

                4) Embutidos (salame, salsicha, mortadela, linguiça incluindo também peito de frango ou peru defumados)

                Esses alimentos apresentam sal em excesso, que aumenta a pressão arterial. Eles também têm gordura saturada, que aumenta o colesterol ruim (LDL), e são ricos em nitritos e nitratos, substancias usadas na fabricação de embutidos que tem alto poder cancerígeno. Aumenta o fator de risco principalmente no pâncreas e no intestino. Esses alimentos aumentam principalmente o risco de câncer no pâncreas e intestino.

                5) Sorvete

                Sorvete possui gordura, principalmente gordura trans, além de açúcar, que aumenta o colesterol ruim e triglicerídeos. Além disso eles são muito calóricos e ajudam aumentar o peso, afirma Ana Paula. Os sorvetes também são ricos em corantes, que podem causar reações alérgicas, dificuldades respiratórias, irritação estomacal, problemas na pele, hiperatividade e ainda chances de desenvolver no organismo substâncias que causam câncer. Se consumidos com frequência eles podem até interferir no processo metabólico e neurológico. Os corantes só servem para dar cor e aparência e não possuem nenhum valor nutritivo.

                6) Alimentos industrias (salgadinhos, pipoca de microodas e outros)

                Ricos em sal, corantes, gordura trans e gordura saturada, utilizados para que os alimentos durem por mais tempo, aumentam a pressão arterial e o risco de infarto. Também são ricos em corantes artificiais e conservantes.

                7) Fast food (pizza, batata frita e hambugueres)

                São alimentos hipercalóricos e pobres em fibras. Para alguns dele, uma pequena quantidade já equivale ao valor calórico de uma refeição completa em termos de calorias. Em excesso podem entupir veias, causar aumento de peso, diabetes e doenças cardiovasculares. A batata frita é um problema à parte, ela não só é rica em gorduras trans mas também em acrilamida, uma das substância altamente cancerígena que é produzidas quando as batatas são aquecidas em altas temperatura.

                8) Refrigerante

                Rico em açúcar e corantes artificiais, soma os problemas causados pelos dois.

                9) Bebida alcoólicas

                O excesso ao longo dos anos pode levar a perda de neurônios, causando causar déficit de aprendizado e falta de memória.

                10) Café

                Possui cafeína, que é um estimulante, mas em excesso pode causar irratibilidade, estress, ansiedade, alterações do sono e até taquicardia. O recomendado é não ultrapassar duas a três xícaras de chá por dia.

                O mesmo vale para chá preto, chá verde, refrigerante de coca, chá mate e chimarrão, conclui a nutricionista.

http://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/12926-cinco-habitos-que-melhoram-o-funcionamento-do-intestino

http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/115/melhores-amigos-do-intestino-consumir-alimentos-que-regulam-o-272632-1.asp/

http://www.docelimao.com.br/site/limao/conceito/624-flora-intestinal-como-manter-forte-e-saudavel.html

http://vidasuave.com.br/bem-estar-3/item/16-veja-alimentos-que-protegem-seu-intestino.html

http://www.minhavida.com.br/saude/materias/10352-funcionamento-irregular-do-intestino-pode-sinalizar-que-a-saude-vai-mal

http://revistadonna.clicrbs.com.br/noticia/top-10-conheca-os-alimentos-que-mais-fazem-mal-a-saude-e-por-que/

 *voltar ao indice*

CHÁS MEDICINAIS

            Comidas orgânicas e métodos naturais de cura estão cada vez mais em voga. Se você é daqueles que busca essas opções porque tem medo de médico, não se esqueça de que você deve sempre consultá-lo para problemas de saúde. Mas alguns problemas simples, como cólicas menstruais, artrite, algumas alergias e mais podem ser controlados por métodos mais naturais. Os chás medicinais são usados há séculos para ajudar nesses problemas e mais. Se você sofre de pequenos problemas de saúde, há grandes chances de que utilizando chás medicinais você terá alívio desses sintomas.

           A China e o Egito antigos já usavam de chás para melhorias na saúde. Suas propriedades eram constantemente relatadas. Normalmente, os chãs são feitos de folhas, flores ou raízes de plantas. Mas mesmo galhos ou a casca podem fazer parte da receita. A forma mais comum de preparo é colocar os ingredientes em água fervente por um certo tempo e beber quente para tirar o máximo de proveito da bebida. E tem alguns efeitos que você pode esperar. Alguns efeitos mais comuns dos chás medicinais em seu corpo são o de relaxamento e estimulação. Chás podem ajudar a te acalmar, aliviar o stress ou mesmo, te dar energia. Propriedades diuréticas estão comumente associadas com a maioria dos chás e a evidência mostra que eles podem ajudar na filtragem de seu corpo. Há chás ligados com a redução da pressão arterial, assim como a diminuição nos níveis de colesterol. Alguns deles inclusive são utilizados para combater a fadiga. O alívio também pode ser encontrado para a artrite, dores musculares, dores de cabeça, tensão pré menstrual e muito mais.

            Achar o chá ideal para seu problema é fácil. E com a ajuda dessa série de artigos vai ficar mais ainda. Desde os problemas mais básicos até alguns mais complicados, existe um chá para amenizar os sintomas. Hoje vamos tratar de chás medicinais para o stress, um complemento para aqueles que querem tratar dessa grande mazela do adulto trabalhador.

            “Toma um chazinho que você melhora”. Já ouviu esse conselho alguma vez que ficou doente? A máxima pode até ser repetitiva, mas é verdadeira! Existem, sim, alguns chás que são capazes de curar enfermidades. Entre as principais ervas medicinais estão o boldo, camomila, mate, erva-doce, capim cidreira, hortelã, carqueja e hibisco. Veja quais os benefícios de cada uma delas.

            Chás medicinais para o stress:

            Camomila

         O chá de camomila além de propriedades calmantes, tem propriedades estéticas, como o tratamento de olheiras. A camomila é uma erva que vem da família das margaridas. As flores frescas ou desidratas da camomila são usadas para chá por séculos, curando um grande número de doenças. O ingrediente ativo da camomila é um óleo essencial bisabolol, que contém propriedades anti-irritantes, anti-inflamatórias e anti-microbiais.

            Folha de maracujá

            É comum que as pessoas pensem que o maracujá tem propriedades calmantes sendo que, na verdade, tais propriedades estão em suas folhas e flores. O chá da folha/flor de maracujá tem propriedades relaxantes já comprovadas há séculos por tribos nativas americanas. Sua flor contém compostos bioativos que tem efeitos calmantes, incluindo flavonóides e passiflorine, um fitoquímico comparável ao narcótico morfina. Em testes, comprovou-se seu efeito ansiolítico e para tratamento de insônia.

            Hortelã

            Mesmo quando não utilizado em chás, a hortelã também se mostra como um excelente tempero para comida, principalmente sobremesas. O chá de hortelã tem comprovado ter propriedades curadoras devido ao mentol que contém. Alguns problemas de estômago podem ser tratados com esse chá. Seu sabor também pode apaziguar problemas de mal hálito. Ajuda no controle do stress e acalma e relaxa os músculos intestinais.

            Erva-cidreira

            Da mesma família da menta e do boldo, a erva-cidreira tem um cheiro extremamente agradável, usado na aromaterapia. A erva-cidreira é um anti-viral natural, ótimo para beber se você estiver sentindo-se indisposto. Essa propriedade ajuda no tratamento da fadiga crônica. Um dos principais usos da erva-cidreira é seu potencial tranquilizador. Problemas de estômago, cólicas ou do coração podem ser facilmente amenizados. Suas folhas também abaixam a pressão sanguínea, sendo inclusive sugerido para crianças e bebês.

            Chás e seus usos diversos

            Chá Mate

39-plantas-medicinais-mate

Algumas ervas podem ajudar ao estômago funcionar, aliviar dores e controlar o estresse

A erva-mate já foi apontada em alguns estudos como auxiliadora na diminuição da absorção do colesterol. Além disso, ela tem mais antioxidantes até do que o chá verde e isso faz com que ela combata o envelhecimento precoce. O chá mate ainda é capaz de reduzir a glicemia e controlar o diabetes. Deve ser evitado por quem sofre com hipertensão, arritmia, gastrite e insônia, já que possui cafeína.

            Hibisco

38-plantas-medicinais-hibisco

É um grande aliado para emagrecer porque é potente para acelerar o metabolismo e estimular a queima de gordura corporal. Para manter a saúde, evita o aparecimento do diabetes de tipo 2 e diminui os níveis de colesterol, triglicérides e a glicose na circulação sanguínea. Pode ainda atuar como calmante, diurético e laxante. Pessoas que possuem algum nível de hipertensão não devem beber esse chá

            Agrião

01-plantas-medicinais-agriao

Verdura de sabor ligeiramente amargo e bem popular na mesa brasileira. O agrião é um excelente anti-inflamatório das vias respiratórias, muito indicado nas bronquites crônicas. Ele também age contra um mal bem moderno: a nicotina – ainda que, claro, nenhuma planta apague de vez os seus estragos.

            Nome científico: Nasturtium officinalis

            Nomes populares: Agrião d´água, agrião-aquático, agrião-do-rio

         Fins medicinais: Diurético, anti-inflamatório, pode ser usado para tratar aftas, gengivites, acne e eczemas, ajuda melhorar a digestão e tratar a tosse.

       Como usar: A simples digestão do agrião libera substâncias expectorantes que ajudam a limpar as vias respiratórias. Pode ser consumido em saladas, batido em sucos ou tomado em chás (1 colher de sopa de folhas secas para uma xícara de chá de água fervente, três vezes ao dia)

            Atenção! Por ser abortiva, a infusão de agrião não deve ser consumida por grávidas. Além disso, o excesso costuma irritar a mucosa do estômago e as vias urinárias. Não deve ser ingerido por quem tem úlceras e doenças renais inflamatórias

            Alfazema

02-plantas-medicinais-alfazema

Desde a Antiguidade, a planta era usada em banhos de imersão de gregos e romanos. Isso provavelmente porque suas flores têm um delicado aroma calmante. Seu óleo essencial carrega mais de 150 compostos que respondem por seus bons efeitos, que vão desde o combate à insônia até falta de apetite. Hoje sabe-se que a alfazema também é eficaz contra cistite, inflamação na bexiga comum em mulheres.

            Nome científico: Lavandula spp

            Nomes populares: Lavanda, lavândula

            Fins medicinais: Suas folhas são usadas em remédios contra conjuntivite e as flores funcionam contra tosse, bronquite, queimaduras e enxaqueca.

            Como usar: Misture 100 mililitros de óleo de amêndoa com 40 gotas de essência de alfazema. Use esse óleo para massagear o corpo – uma boa ideia é aplicá-lo antes de dormir.

            Atenção! Em excesso, o chá de alfazema irrita bastante o estômago. E há pessoas com alergia ao seu óleo essencial. Mais: a planta não deve ser confundida com a alfazema-do-brasil ou erva-santa.

            Alcaçuz

03-plantas-medicinais-alcacuz

Planta fortemente adocicada conhecida há mais de três mil anos na Europa e na Ásia. Com seu sabor cerca de 15 vezes mais doce do que a cana, ela é usada há milênios tanto para combater aquela coceirinha na garganta que acompanha uma crise de tosse quanto pelos efeitos contra úlceras gástricas.

            Nome científico: Glycyrrhiza glabra

            Nomes populares: Alcaçuz-da-europa, madeira-doce, licorice, raiz-doce

            Fins medicinais: É usado contra problemas pulmonares, como tosses, por ser anti-séptico e anti-inflamatório. Para completar, pesquisas sugerem sua aplicação nos casos de reações alérgicas, bronquite e artrite.

            Como usar: Use 3 gramas (1 ½ colher de sopa) da raiz seca do alcaçuz, cortada em pedaços pequenos. Esquente água para 1 xícara de chá. Desligue o fogo antes de atingir a fervura. Deixe a raiz na água durante 15 minutos. Faça essa decocção 2 vezes ao dia e beba antes das refeições.

            Atenção! A dose máxima de alcaçuz é de 6 g ao dia – ou corre-se o risco de a pressão sanguínea subir. A espécie é proibida para quem tem problemas cardíacos, é hipertenso ou gestante.

            Alecrim

04-plantas-medicinais-alecrim

Na Grécia antiga, ele era erva para toda obra — de cosméticos a incensos, passando por enfeite de coroas. Rico em óleos essenciais como limoneno e cânfora, hoje seu uso medicinal mais comum é em compressas para aliviar contusões e hematomas. Diminui as dores provocadas por doenças reumáticas e articulares.

            Nome científico: Rosmarinus officinalis

            Nomes populares: Alecrim, alecrim-da-horta, alecrim-de-cheiro, rosmarino, erva-da-graça, libanotis

            Fins medicinais: Há indícios de que seus princípios ativos combateriam enxaquecas, para lapsos de memória e baixa de imunidade, diminui dores reumáticas e articulares.

            Como usar: Dilua 1 colher de café de óleo essencial de alecrim em 1 xícara de azeite de oliva. Esfregue, então, o óleo na região dolorida com massagens suaves.

          Atenção! Em pessoas sensíveis, pode irritar a pele quando usado topicamente. Seu óleo jamais deve ser engolido e, em altas dosagens, é abortivo. Quem é epilético não pode usar a erva, principalmente no difusor.

            Alho

05-plantas-medicinais-alho

O alho é tiro-e-queda contra o colesterol alto, atua como expectorante e antisséptico e, de quebra, é capaz de aumentar a imunidade e aliviar problemas circulatórios. Está lotado de vitaminas como A, B1, B2 e C, além de minerais como enxofre e iodo. Quando o bulbo é triturado, um de seus compostos, o aminoácido aliína, acaba resultando na produção da alicina, substância que dá o cheiro característico e que, acredita-se, seja uma das maiores responsáveis pelos seus propagados poderes.

            Nome científico: Allium sativum

            Nomes populares: Alho-comum, alho-da-horta, alho-manso

            Fins medicinais: Pesquisas recentes sugerem um potencial anticancerígeno, desde que consumido sempre cru.

           Como usar: Para controlar o colesterol e ajudar na expectoração, faça uma maceração com 1 colher de café (0,5 g) de alho em 30 ml de água. Tome 1 cálice desse preparado duas vezes ao dia, antes das refeições.

         Atenção! Há pessoas que podem ser alérgicas ao alho. Ele também não deve ser usado por quem sofre de gastrite, úlcera, pressão baixa ou hipoglicemia. Se for fazer uma cirurgia, não use nos dez dias anteriores porque isso favoreceria hemorragias indesejáveis. Pelo mesmo motivo, não serve para quem já faz uso de anticoagulantes.

            Arnica

06-plantas-medicinais-arnica

É raro encontrar quem nunca ouviu falar da famosa pomadinha de arnica para tratar um machucado, principalmente aqueles que deixam belas manchas roxas. A fama remonta os tempos das nossas avós e já ganhou comprovação científica: a arnica funciona mesmo como um santo remédio nesses casos. Quem responde por seus benefícios é uma substância chamada quercetina, responsável por aumentar a resistência dos vasos e a irrigação sanguínea. Por isso o coágulo vai sendo removido, apagando a mancha roxa. Já inolina, componente que faz dupla com a quercetina, alivia a dor.

            Nome científico: Arnica Montana

            Nomes populares: Arnica

            Fins medicinais: Também é usada em para tratar problemas de pele como acne e furunculose. E ajuda a aliviar dores reumáticas, gota e tendinites.

         Como usar: Para tratar contusões, faça a seguinte tintura, que pode durar até um ano, se for armazenada corretamente: respeite a proporção de 1 parte de arnica fresca, 5 partes de álcool de cereais (encontrado em farmácias) e 5 partes de água. Pique a planta e misture-a com os outros ingredientes. Deixe descansar por pelo menos 15 dias antes de usar. Deve ser diluída a 10% para uso em compressas.

            Atenção! A planta tem compostos tóxicos e, por isso, sua tintura não deve ser ingerida de jeito nenhum, nem se fazem chás com suas folhas e flores. Também não pode ser aplicada sobre feridas abertas. Seus efeitos colaterais incluem vômitos, aumento da pressão arterial e aborto. Grávidas e mulheres que amamentam não podem usá-la. Além disso, a arnica potencializa sangramentos, especialmente se a pessoa toma remédios anticoagulantes. Nunca a use com outras ervas: a mistura pode alterar a função das plaquetas.

            Babosa

07-plantas-medicinais-babosa

A famosa Aloe vera entra na composição de vários xampus e cremes feitos com a polpa branca de suas folhas. Tudo graças a uma dupla de princípios ativos, aloeferon e antraquinona. Enquanto o primeiro age na multiplicação celular e acelera a cicatrização, o outro funciona como antisséptico. Em alguns casos, é justamente essa propriedade que evita a queda de cabelos. Ela também ajuda na cicatrização de feridas.

            Nome científico: Aloe vera

            Nomes populares: Babosa

          Fins medicinais: A babosa também tem sido usada no combate à caspa, aos piolhos e às lêndeas. Há testes sobre seus efeitos no tratamento de inflamações e queimaduras.

            Como usar: Esfregue folhas de babosa cozidas no couro cabeludo. Deixe agir durante 15 minutos e enxágue. Outra opção é cortar as folhas pela base deixando escoar o sumo gosmento. Passe-o então nos fios. E saiba: ele dura apenas 2 dias na geladeira

            Atenção! A babosa nunca deve ser ingerida. Ela tem resinas que irritam o estômago e o intestino, podendo causar cólicas, hemorragias e nefrites. Além disso, parece ser tóxica ao fígado.

            Boldo-do-chile

08-plantas-medicinais-boldo-do-chile

A boldina, principal componente da planta, estimula a secreção de bile, substância produzida pelo fígado que age na quebra das gorduras. Por isso a erva melhora a digestão e, indiretamente, as funções hepáticas. No entanto, suas folhas não podem ser aquecidas por muito tempo. Se a ideia é dar uma força à digestão, prefira batê-las com um copo de água e beber na mesma hora. Curiosidade: no Chile, o fruto dessa espécie também é consumido como alimento. E, por aqui, tome cuidado: não confunda a espécie com uma versão bem brasileira e facilmente encontrada em hortas e jardins, o chamado falso-boldo (Plectranthus barbatus).

            O chá de boldo é indicado para aliviar sintomas de mal estar estomacal e intestinal, vômitos, mal estar e cólicas abdominais. Esses benefícios são promovidos graças ao efeito calmante do boldo sobre a flora intestinal. Também é indicado para diminuir a azia, os efeitos do excesso de bebida alcóolica e os gases. Não deve ser consumido por gestantes e nem em excesso, pois pode causar vômitos, diarreia e problemas no sistema nervoso.

            Nome científico: Peumus boldus

            Nomes populares: Boldo-do-chile, Boldo-verdadeiro

            Fins medicinais: O boldo-do-chile também age como anti-inflamatório inibindo a síntese de prostaglandinas, substâncias envolvidas no processo de uma inflamação.

          Como usar: Para prevenir pedras na vesícula coloque em 1 xícara de água fervente, ponha 1 colher de sobremesa de folhas picadas. Abafe por 10 minutos e beba sem perder tempo.

            Atenção! Nada de usar o boldo-do-chile a torto e a direito. Tome somente em casos isolados de mal-estar porque o excesso, em vez de fazer bem, causa intoxicação hepática. A planta também está vetada a grávidas e pessoas com asma, distúrbios renais e problemas do fígado.

            Calêndula

09-plantas-medicinais-calendula

De sabor amargo e perfume suave, a famosa mal-me-quer é um bom cicatrizante. Soldados da guerra civil americana, no século 19, usavam a planta para tratar feridas nos combatentes. Hoje seus benefícios à pele são bem conhecidos e ela é largamente empregada na indústria cosmética. A tintura alivia sintomas de traumatismos e pomadas e compressas à base de calêndula ajudam a tratar furúnculos e varizes. Seus efeitos não param por aí: ela também serve para regular a menstruação e amenizar cólicas.

            Nome científico: Calendula officinalis

            Nomes populares: Mal-me-quer, margarida-dourada, maravilha-dos-jardins

          Fins medicinais: É usada para tratar fungos, acne e escaras, ajuda a prevenir assaduras em crianças e pode aliviar queimaduras leves, inclusive as de sol.

         Como usar: Para cólicas menstruais, coloque em 1 xícara de chá de água fervente, coloque 1 colher de sobremesa das flores de calêndula. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 2 xícaras do preparado diariamente nos oito dias anteriores à menstruação.

            Camomila

10-plantas-medicinais-camomila

Uma das plantas mais usadas popularmente, ela tem presença garantida na grande maioria das chaleiras. Tanto que é um dos chás considerados mais seguros. A erva é muito usada para acalmar cólicas e como anti-inflamatória, graças ao camazuleno, óleo essencial com propriedades anti-inflamatórias. Suas flores são lotadas de substâncias emolientes, que ajudam a manter a hidratação da pele. Por isso a camomila é muito usada na indústria de cosméticos em sabonetes, colônias e xampus.

            Nome científico: Matricaria chamomilla

            Nomes populares: Camomila-vulgar, camomila-comum

          Fins medicinais: É usada com tônico digestivo, facilita a eliminação de gases e estimula o apetite. A infusão concentrada pode ser usada em bochechos para tratar inflamação das gengivas. Também alivia dores musculares, na coluna e ciáticas.

            Como usar: Para aliviar irritações de pele use 6 colheres de sopa de flores frescas de camomila para preparar uma infusão com 1 litro de água. Aplique o líquido em compressas sobre a área afetada.

            Atenção! Algumas pessoas têm alergia à erva. E o excesso sempre pode causar mal-estar, enjoo e vômitos. Deve ser evitada por grávidas e por quem estiver tomando remédios anticoagulantes

            Canela

11-plantas-medicinais-canela

A casca marrom do tronco da canela que chegou a ser a especiaria mais procurada na Europa no século 16. Muito empregada na culinária e até na indústria cosmética — em perfumes e sabonetes –_, ela também é usada como remédio. Há quatro mil anos, na China, já era empregada para tratar problemas gastrointestinais e cólicas menstruais. O óleo essencial, rico em cinamaldeído, age também contra vários micro-organismos e fungos. E, de quebra, inibe moléculas envolvidas no processo inflamatório.

            Nome científico: Cinnamomum verum

            Nomes populares: Aneleira, caneleira-da-índia, caneleira-de-ceilão, cinamomo, pau-canela

            Fins medicinais: Contra gases e má digestão.

            Como usar: Faça uma decocção com a casca desidratada usando 1 colher de café para cada xícara de água.

            Atenção! Em indivíduos sensíveis, a canela pode despertar reações alérgicas.

            Capim-limão

12-plantas-medicinais-capim-limao

Na culinária tailandesa, essa erva de origem asiática aparece como condimento. Mas na América do Sul é uma das plantas mais usadas na medicina popular, tanto como analgésico quanto para tratar problemas gastrointestinais. Ela ainda é ingerida como um sedativo bem leve. O capim-limão também é conhecido como falsa erva-cidreira: apesar de serem duas plantas de aparência bem diferente, acabam sendo confundidas, talvez por causa do forte cheiro cítrico de ambas.

            Nome científico: Cymbopogon citratus

            Nomes populares: Capim-catinga, capim-cheiroso, capim-cidreira, campim-de-cheiro, sidró, vervena

           Fins medicinais: O chá de capim-limão também é indicado para ajudar no trabalho estomacal, para expulsar gases, além de ser ligeiramente analgésico e anti-reumático.

            Como usar: Para diminuir a ansiedade, coloque em 1 xícara de chá de água fervente, coloque 1 colher de sopa de folhas frescas picadas. Se quiser, acrescente gotas de limão e adoce com mel.

        Atenção! Em geral é seguro, mas não deve ser usado na gravidez nem para dores abdominais de causa desconhecida.

            Carqueja

13-plantas-medicinais-carqueja

Extremamente popular no Brasil, ao que parece ela teria sido introduzida aqui pelos escravos africanos. A planta é uma boa pedida quando aquela refeição pesada cai mal e o estômago parece de chumbo: sabe-se que seus óleos essenciais, como o carquejol, atuam nas células hepáticas aumentando a produção da bile. A carqueja também está lotada de componentes amargos, o que também favorece o trabalho do fígado e a digestão. Ela tem ainda um efeito diurético, ajudando a eliminar toxinas.

            Nome científico: Baccharis genistelloides

            Nomes populares: Carqueja-amargosa, amargosa, vassoura, bacanta, carque

      Fins medicinais: A carqueja reduz as taxas de açúcar no sangue e tem propriedades anti-úlcera e anti-inflamatórias, o que ajuda no tratamento de artrites.

            Como usar: Para auxiliar na digestão, prepare um chá com 1 colher de sopa da erva para cada xícara de água e tome até 3 vezes ao dia.

            Atenção! Estudos não apontam toxicidade renal ou hepática, mas há risco de queda na pressão arterial. Por isso não deve ser usada por quem tem problemas de pressão baixa ou toma remédios contra a hipertensão. Também é contraindicada em casos de diarreia crônica. Por falta de estudos conclusivos, grávidas devem evitá-la, principalmente no primeiro trimestre.

            Cáscara-sagrada

14-plantas-medicinais-cascara-sagarada

Nativa do oeste dos Estados Unidos, essa planta era muito utilizada pelos indígenas americanos. Mas foram os colonizadores espanhóis que a batizaram com esse nome. Bem conhecida e bastante indicada nos casos de prisão de ventre, hoje ela está presente em muitas das perigosas formulações para emagrecer – dessas, você deve fugir. No Brasil, é mais fácil encontrá-la na forma de extrato, em casas de produtos naturais.

            Nome científico: Rhamnus purshiana

            Nomes populares: Não há registros

            Fins medicinais: A planta também serve como tônico digestivo. Mas não pode ser usada imediatamente após a colheita. É preciso um processo de envelhecimento de pelo menos um ano, ou ficar na estufa a 100 graus Celsius por, no mínimo, uma hora. Daí a importância de só comprá-la em lojas especializadas.

            Como usar: Para regular o intestino, coloque em 1 garrafa de vinho branco ponha 5 colheres de sopa do pó da cascas da cáscara-sagrada. Deixe macerar por 10 dias e coe. Tome 1 cálice antes de deitar, até o intestino voltar a funcionar direito. Aí interrompa imediatamente o uso.

            Atenção! A cáscara não pode ser tomada por mais do que alguns pouquíssimos dias. O uso contínuo prejudica terminações nervosas do intestino, que deixa de funcionar sozinho. Grávidas, mulheres que amamentam, portadores de doenças inflamatórias intestinais ou dores abdominais de origem desconhecida não devem usá-la. O uso prolongado também pode levar à perda de potássio, que potencializa arritmias cardíacas. Aliás, não deve ser ingerida por quem toma medicamentos para o coração e anti-inflamatórios como a indometacina.

            Coentro

15-plantas-medicinais-coentro

Esse tempero que empresta seu sabor forte a comidas tipicamente nordestinas, como o vatapá, foi trazido da África pelos escravos. Depois se tornou popular em todo o país, principalmente na Bahia. Mas, ao mesmo tempo que serve para condimentar pratos da nossa culinária, alguns nem tão leves, ele facilita a digestão e alivia cólicas estomacais. Tudo graças às suas mucilagens, substâncias capazes de proteger a mucosa do estômago e do intestino.

            Nome científico: Coriandum sativum

            Nomes populares: Não Há registros

            Fins medicinais: O coentro é apontado como um remédio contra a ansiedade.

            Como usar: Para combater gases e cólicas faça uma tintura com 1 colher de sopa de sementes de coentro secas em 1 xícara de chá de álcool de cereais a 60%, que pode ser encontrado em farmácias. Deixe macerar por 5 dias e coe a mistura. Dilua 20 gotas em 1 copo de água e beba.

            Atenção! As folhas usadas como tempero são tóxicas se consumidas em grandes quantidades – o que seria necessário para obter um efeito medicinal. Por isso, para aliviar problemas digestivos, recomenda-se as sementes.

            Confrei

16-plantas-medicinais-confrei

Na década de 1980 seu chá era muito usado para combater úlceras e até mesmo ajudar no controle do diabete. Mas a planta caiu em desgraça após vários relatos de sérios efeitos colaterais. Isso porque ele é riquíssimo em alcaloides, que podem ser extremamente tóxicos ao fígado e até causar cirrose. A pecha de vilão ofuscou seus efeitos benéficos: rico em alantoína, composto que estimula a regeneração dos tecidos, o confrei é um excelente cicatrizante. Mas vale frisar que ele não deve ser ingerido de jeito nenhum — o que, aliás, é proibido por lei. Só pode ser usado topicamente, em compressas.

            Nome científico: Symphytum officinale

            Nomes populares: Consólida, erva-do-cardeal, orelha-de-asno

            Fins medicinais: Estimula a regeneração dos tecidos e é um ótimo cicatrizante.

            Como usar: Para tratar hematomas, acrescente 1 colher de sopa das folhas picadas a 1 xícara de chá com água fervente. Tampe. Espere 10 minutos e coe. Embeba uma gaze com o líquido ainda morno e aplique na mancha roxa durante 30 minutos.

            Atenção! As folhas do confrei devem estar bem verdes e frescas, mantidas em vidros devidamente fechados e longe da umidade. A espécie é contra-indicada para gestantes e crianças. Além disso, não é aconselhável usá-la por mais de 10 dias consecutivos.

            Cravo-da-índia

17-plantas-medicinais-cravo-da-india

Foram os chineses os primeiros a usar a famosa especiaria, tanto como condimento quanto na medicina, séculos antes de Cristo. Por seu aroma, ela também entrava na composição de perfumes e incensos. No século 16 o cravo se tornou uma mercadoria extremamente valiosa e virou alvo de disputa entre portugueses e holandeses. Desembarcou no Brasil pelas mãos dos colonizadores. Até hoje seu óleo é usado na odontologia como analgésico e anti-séptico. Rico em eugenol, ele consegue deter a inflamação nas mucosas e combater inchaços.

            Nome científico: Syzygium aromaticum

            Nomes populares: Rosa-da-índia, craveiro-da-índia, cravoária

            Fins medicinais: Parece ter uma ação anticoagulante pois inibe a agregação das plaquetas.

          Como usar: Para prevenir gengivites, faça um antisséptico bucal: adicione 1 xícara de chá de água fervente sobre 1 colher de sopa de cravos e deixe amornar por 10 minutos. Coe e faça bochechos enquanto ainda estiver morno, de duas a quatro vezes ao dia.

          Atenção! Grávidas só devem consumir o cravo-da-índia em porções comumente usadas na alimentação, porque qualquer excesso é capaz de provocar contrações no útero. O óleo da planta nunca deve ser ingerido. Ele também pode irritar a pele.

           Dente-de-leão

18-plantas-medicinais-dente-de-leao

Suas folhas são amargas e suas flores amarelas podem ser utilizadas em saladas. Na China antiga, a planta era considerada um poderoso remédio para doenças nas mamas. Hoje ninguém discute que o chá da planta alivia distúrbios digestivos. Princípios ativos do dente-de-leão estimulam a produção da bile, que ajuda digerir gorduras. Além disso, a planta também está lotada de betacaroteno, fibras e sais minerais.

            Nome científico: Taraxacum officinale

            Nomes populares: Alface-de-cão, Soprão, Amargosa, Amor-dos-homens, Coroa-de-monge, Taraxaco

            Fins medicinais: A espécie age como diurético e laxante suave, além de abrir o apetite.

           Como usar: Para distúrbios digestivos faça uma decocção usando 3 a 4 colheres de chá da erva para cada xícara de água

          Atenção! Grávidas, mores de 2 anos e quem sofre de cálculos na vesícula devem ficar longe dela. Pelo efeito diurético, cardíacos e quem sobre de hipertensão devem ter cautela. Podem ocorrer queda de pressão, náuseas, vômitos e reações alérgicas.

            Erva-cidreira

19-plantas-medicinais-erva-cidreira

Também chamada de melissa, esta é uma daquelas ervas que merecem atenção redobrada na hora da compra. Além de ser muito confundida o capim-limão ou com a melissa-bastarda, ela é conhecida popularmente por nomes muito diferentes. Seu chá é ótimo para combater cólicas e gases. Ele também ajuda a relaxar naqueles dias mais tensos, graças ao efeito calmante de seus óleos essenciais.

            Nome científico: Melissa officinalis

         Nomes populares: Melissa, chá-da-frança, cidrilha, citronela, erva-cidreira-europeia, cidreira-verdadeira, salva-do-brasil

            Fins medicinais: Também é analgésico e antiespasmódico, além de funcionar topicamente (em extrato) contra herpes labial.

            Como usar: Para tratar dores de cabeça e cólicas intestinais, coloque m 1 xícara de chá, coloque 1 colher de sobremesa de folhas e ramos frescos. Adicione água fervente. Abafe, espere amornar e coe. Tome uma xícara de manhã e outra à noite.

            Erva-doce

20-plantas-medicinais-erva-doce

Conhecida desde os tempos dos antigos egípcios, seu sabor está presente em alimentos, licores, balas, sabonetes e cremes. Mas além de emprestar seu perfume a guloseimas e cosméticos, ela é um bom remédio contra gases e evita contrações dolorosas do estômago e intestino, as populares cólicas. Isso porque é rica em óleos essenciais que agem na musculatura abdominal. Suas sementes são facilmente encontradas nos supermercados.

            Essa erva possui anetol, um composto ativo que estimula as funções digestivas, promove o alívio de gases, normaliza da circulação sanguínea e estimula o sistema respiratório. Também poder apresentar efeito diurético. Há ainda a possibilidade de contribuir na redução do risco de câncer de mama e de ovário. Grávidas devem evitar excesso pois pode causar aborto.

            Nome científico: Pimpinella anisum

            Nomes populares: Anis, semente-de-anis, cuminho doce

          Fins medicinais: Age contra cólicas infantis, gastrite nervosa, enxaquecas (especialmente as provocadas por problemas digestivos). Também é indicada como purificador do hálito.

            Como usar: Para aliviar enjoos coloque 3 colheres de sopa da semente em 1 garrafa de vinho branco. Deixe descansar por dez dias e coe. Tome um cálice antes das principais refeições.

            Atenção! O uso não tem contra-indicações desde que seja nas doses indicadas. Em altas dosagens, o óleo essencial pode provocar efeitos tóxicos. Grávidas não devem usá-lo.

            Eucalipto

21-plantas-medicinais-eucalipto

Ninguém discute que ele dá um verdadeiro respiro aos pulmões. O eucalipto tem componentes como o eucaliptol e o citronelol que deixam as secreções mais fluidas e fáceis de ser eliminadas. Seus taninos, por sua vez, reduzem a quantidade de muco. O eucaliptol também dilata os brônquios, facilitando a saída do catarro. Por tudo isso, as folhas dessa árvore perfumada servem de alívio para quem sofre de problemas respiratórios, como asma e bronquite. A inalação dos vapores da planta interfere nos vasos das mucosas do nariz, melhorando a respiração. E o óleo essencial parece barrar a reprodução da bactéria causadora de tuberculose.

            Nome científico: Eucalyptus globulus

            Nomes populares: Gomeiro-azul, mogno-branco, árvore-da-febre

           Fins medicinais: O chá é usado para abaixar a febre e combater dores de ciática e gota. Também alivia dores do reumatismo e estimula as defesas. A planta serve como antisséptico e repelente de insetos.

            Como usar: Para sinusite (inalação), jogue 1 litro de água fervente sobre 6 ou 8 folhas de eucalipto. Aspire o vapor 2 vezes ao dia.

            Atenção! Nos casos de asma seca, pode ter efeito contrário, irritando mais e piorando o quadro alérgico. Em excesso, pode causar sonolência, vômitos, transtornos respiratórios e até perda de consciência. Grávidas, quem tem doenças inflamatórias ou hepáticas graves não podem usar. Crianças não devem fazer inalação nem usar o óleo essencial. A planta também interage com vários remédios, como antidiabéticos e drogas metabolizadas pelo fígado.

            Guaco

22-plantas-medicinais-guaco

Originária do Sul do Brasil, a planta era muito usada pelos índios para tratar picadas de cobra. Mas ficou famosa mesmo pelos efeitos contra males respiratórios, cada vez mais confirmados pela ciência. Aclamadas por aliviar sintomas de bronquite, asma e tosse, as folhas de guaco têm ação paliativa nos casos agudos de doenças respiratórias. Elas diminuem o processo inflamatório e têm ação antimicrobiana. Além disso, os compostos da planta _entre eles, a cumarina_ relaxam a musculatura do aparelho respiratório e dilatam os canais por onde passa o ar.

            Nome científico: Mikania glomerata

            Nomes populares: Erva-de-cobra, erva-das-serpentes, cipó-catinga, erva-de-cobra, coração-de-jesus e uaco

            Fins medicinais: É usada como cicatrizante de úlceras, feridas e para tratar varizes, além de funcionar como emoliente em eczemas e coceiras

            Como usar: Para acalmar o peito: despeje 1 xícara de chá de água fervente sobre 1 colher de sopa de folhas picadas. Abafe por 10 minutos e coe. Tome duas vezes por dia.

            Atenção! Não deve ser utilizado por mulheres com menstruação abundante porque aumenta o fluxo. Doses elevadas podem causar diarreias, mal-estar e vômitos. Não é indicado para grávidas, crianças menores de um ano, pessoas com distúrbios de coagulação ou doenças crônicas do fígado.

            Guaraná

23-plantas-medicinais-guarana

Os índios da Amazônia já conheciam as propriedades do guaraná. Hoje sabe-se que a ele é um poderoso tônico que age contra o estresse, capaz de melhorar as condições gerais do organismo. É rico em cafeína e teobromina, substâncias estimulantes que atuam no sistema nervoso central. As sementes também estão cheias de taninos, que, além de controlar a oleosidade da pele, conseguem neutralizar a ação nociva dos radicais livres.

            Nome científico: Paulinia cupana

            Nomes populares: Uaraná, cupana, naranazeiro, guaranaúva

         Fins medicinais: Atenua perturbações gastrointestinais e cólicas e é ainda usado contra perda de memória e como analgésico.

            Como usar: Para aumentar a disposição coloque 1 colher de chá de pó de guaraná em 1 copo de água filtrada e acrescente 1 colher de sopa de mel. Misture bem. Tome logo de manhã, em jejum.

         Atenção! Deve ser evitado por crianças, portadores de distúrbios cardíacos e psíquicos como síndrome do pânico ou hiperatividade. Nunca consuma junto com outras bebidas ricas em cafeína.

            Hortelã-pimenta

24-plantas-medicinais-hortela-pimenta

Conta um mito grego que a ninfa Minthe foi transformada em planta quando seu romance com o deus Plutão foi descoberto pela esposa traída. O amante não pode desfazer o encanto e, desconsolado, lhe deixou o aroma de presente. Picante e perfumada, essa erva muito usada como tempero tem duas virtudes principais: alivia cólicas digestivas e reduz inflamações nos brônquios. O mentol, um de seus componentes, destrói bolhas de gases e é capaz de dilatar brônquios – o que explica o alívio nas congestões nasais. Essa hortelã tem ainda flavonoides, substâncias estimulantes da vesícula biliar, e princípios amargos que melhoram o trabalho do estômago.

            Embora não existam muitos estudos sobre os efeitos dessa erva, popularmente acredita-se que o mentol em sua composição possa ter propriedades como coadjuvante no tratamento da síndrome do intestino irritável, náuseas e vômitos, diarreia, dor de cabeça, indigestão, mau hálito, controle de asma leve e estresse. Precisa ser evitado o consumo do chá de hortelã por pessoas que sofrem com problemas hepáticos graves e também para mães no período da amamentação.

            Nome científico: Mentha piperita

            Nomes populares: Hortelã, hortelã-de-bala, hortelã-da-folha-miúda, menta-inglesa, hortelã-pimenta, hortelã-das-cozinhas

            Fins medicinais: Também é usada para combater fadiga, problemas no fígado, gases e auxilia a digestão.

            Como usar: Para ajudar na digestão faça um suco misturando 1 colher de chá rasa da erva em 1 copo de suco de laranja ou de abacaxi. Bata tudo no liquidificador ou faça um chá despejando 1 xícara de água fervente sobre 1 colher de sopa de folhas de hortelã-pimenta. Daí, abafe por 10 minutos e coe. Atenção: nunca ferva a água junto com a planta, pois isso faz seu óleo essencial evaporar.

            Atenção! Exagerar na dose aumenta a acidez estomacal. A hortelã-pimenta é considerada totalmente contra-indicada para bebês, grávidas e mulheres que amamentam.

            Jaborandi

25-plantas-medicinais-jaborandi

O nome desta planta em tupi-guarani, yaboran-di, significa “planta que faz babar”. Isso porque os índios já conheciam sua capacidade de estimular a sudorese e a salivação. O segredo do jaborandi está nas suas folhas e atende pelo nome de pilocarpina. Trata-se de uma substância que estimula a produção de secreções, entre elas as pulmonares? Daí sua eliminação pelo organismo fica mais fácil. Por isso costuma ser usada como expectorante e até para combater inchaços.

            Nome científico: Pilocarpus jaborandi

            Nomes populares: Pilocarpo, jaborandi-de-pernambuco

            Fins medicinais: É usado como tônico capilar e hidratante para a pele.

            Como usar: Para aliviar a tosse faça uma infusão com 1 colher de sopa da erva seca em uma xícara de água.

         Atenção! Não pode ser usado na gravidez, nem por quem sofre de broncoespasmos. Doses elevadas causam diarreia e vômitos.

            Laranja-da-terra

26-plantas-medicinais-laranja-da-terra

O nome desta planta em tupi-guarani, yaboran-di, significa “planta que faz babar”. Isso porque os índios já conheciam sua capacidade de estimular a sudorese e a salivação. O segredo do jaborandi está nas suas folhas e atende pelo nome de pilocarpina. Trata-se de uma substância que estimula a produção de secreções, entre elas as pulmonares? Daí sua eliminação pelo organismo fica mais fácil. Por isso costuma ser usada como expectorante e até para combater inchaços.

            Nome científico: Citrus aurantium

            Nomes populares: laranja-azeda, laranja-amarga, laranja-cavalo, laranja-da-china

            Fins medicinais: Efeito antimicrobiano e fungicida, ajuda a baixar colesetrol , estijmulante vascular.

          Como usar: Contra a insônia e a ansiedade coloque 2 colheres de sopa das flores em 1 xícara de chá de água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Junte 1 colher de chá de mel e tome, de preferência, antes de dormir.

         Atenção! Não manipule ou aplique na pele perto do sol. Ou a laranja-da-terra provocar manchas e queimaduras. Há relatos de efeitos colaterais com uso de suplementos contendo o extrato.

            Louro

27-plantas-medicinais-louro

Na Grécia antiga, as folhas de louro eram símbolo de glória e imortalidade e coroavam os heróis olímpicos e poetas. Tanto que originaram a expressão “colher os louros da vitória”. O símbolo também foi adotado pelos imperadores romanos. Árvore consagrada ao deus Apolo, acreditava-se que o hábito de mascar suas folhas abria a percepção a outras realidades. Atualmente é muito usada para garantir boa digestão, graças aos seus taninos e substâncias amargas. Também tem ação anti-séptica e calmante.

            Nome científico: Laurus nobilis

            Nomes populares: louro-comum, loureiro-dos-poetas, loureiro-de-apolo, loureiro-de-presunto

            Fins medicinais: Age como relaxante muscular e alivia dores e contusões.

          Como usar: Para acabar com gases e peso no estômago coloque em 1 xícara de chá 1 colher de sobremesa de folhas picadas e adicione água fervente. Abafe por dez minutos e coe. Tome antes das refeições.

          Atenção! Não confundir com outros louros, nativos da América, como o louro-preto (Nectandra amara), o louro sassafrás-americano (Sassafras albidum) e o sassafrás-do-Brasil (Ocotea pretios)

            Malva

28-plantas-medicinais-malva

Na Itália renascentista era considerada um antídoto contra todos os males. Ela possui propriedades anti-inflamatórias e antibacterianas que são muito eficazes no tratamento de problemas da região bucal. Suas folhas combatem inflamações graças às mucilagens e à antocianina, compostos com propriedades antissépticas. Também são ricas em camazuleno, um anti-inflamatório, e por isso seu chá é indicado para úlceras gástricas. Há muitos cremes dentais vendidos em farmácias e supermercados que têm a planta em sua composição.

            Nome científico: Malva silvestris

            Nomes populares: Malva-grande, malva-azul, malva-de-botica, malva-silvestre

         Fins medicinais: É usada em compressas para problemas de pele, sendo um bom hidratante, além de compostos com propriedades antissépticas.

            Como usar: Para tratar lesões na boca prepare uma infusão com 1 colher de sopa da erva fresca para 1 xícara de chá de água. Faça um gargarejo com o líquido. O mesmo chá pode ser ingerido para tratar infecções intestinais.

            Atenção! Por falta de estudos, é prudente evitar seu uso durante a gravidez e por períodos prolongados.

           Macela-do-campo

29-plantas-medicinais-macela-do-campo

Nativa da América do Sul, ela é usada há centenas de anos pelos caboclos como digestiva e para aumentar a imunidade, entre outros fins. Muitos de seus usos já foram validados pela ciência. Testes em cobaias comprovaram seus efeitos analgésicos e anti-inflamatórios. Ela também parece agir contra bactérias causadoras de disenteria. Sabe-se que seus óleos essenciais atuam como calmantes e ajudam a digestão. Os ácidos polifenólicos, por sua vez, dão uma força ao aparelho digestivo. Já o efeito contra inflamações é garantido pelos flavonóides.

            Nome científico: Achyrocline satureoides

        Nomes populares: Losna-do-mato, camomila-nacional, alecrim-de-parede, macela-amarela, macelinha, marcela

            Fins medicinais: Tem efeito relaxante muscular, sedativo suave e aumenta a imunidade.

            Como usar: Para aliviar dores, coloque uma peneira sobre um recipiente com água fervente e estenda um pano sobre ela. Despeje ali cinco colheres de sopa da planta picada. Tampe e espere dez minutos. Aplique o pano recheado da erva no local dolorido e cubra-o com uma flanela. Deixe agir por duas horas, no mínimo.

            Atenção! Cuidado, porque ela pode interagir com barbitúricos. Deve ser evitada por gestantes, pessoas com hipoglicemia e diabéticos. Não confundir com a losna (absinto).

           Pata-de-vaca

30-plantas-medicinais-pata-de-vaca

Ela ajuda a controlar as taxas de glicose graças a compostos como os heterosídeos e os alcaloides. Já na década de 1940 estudos brasileiros mostravam que um simples chá da planta é capaz de ajudar a equilibrar os níveis do açúcar no sangue. Mas a erva é mais bem aproveitada pelos diabéticos que não dependem de insulina. Quem tem a doença do tipo 1 e, portanto, precisa do hormônio sintético, pode usá-la como um complemento ao tratamento medicamentoso. No entanto, para estabelecer corretamente a dosagem, é preciso estrito acompanhamento médico em qualquer caso.

            Nome científico: Bauhinia forficata

            Nomes populares: Casco-de-vaca, mororó, unha de boi, unha de vaca, unha-de-anta.

            Fins medicinais: Tem ação diurética e alivia inchaços de origem circulatória. Suas cumarinas agem como anti-inflamatórios e protegem as paredes dos vasos.

            Como usar:

        Atenção! As partes da planta, cápsulas e tinturas devem ser usadas conforme dose indicada pelo médico, dependendo da taxa de glicose do paciente. Grávidas e quem tem hipoglicemia não podem tomá-la. Interage com remédios antidiabéticos e insulina. Pode haver aumento das evacuações e até diarreia.

            Pimenta

31-plantas-medicinais-pimenta

A pimenta-do-reino (Piper nigrum), originária da Índia, foi uma das especiarias que os europeus buscavam quando, em vez de chegar ao Oriente, desembarcaram na América. Por aqui, em lugar dela, se depararam com outras espécies ardidas do gênero Capsicum, que também ganharam o nome de pimenta. No Brasil, uma das mais comuns é a dedo-de-moça. Quem responde pelo ardor é uma substância chamada de capsaicina. E esse sabor picante tem várias virtudes: facilita a digestão, alivia dores e alguns estudos sugerem até que acelera o metabolismo, dando uma mãozinha a quem quer perder peso.

            Nome científico: Capsicum spp

            Nomes populares: Pimenta, piripiri, malagueta, dedo-de-moça, cumari

            Fins medicinais: É usada para acelerar o metabolismo e ajuda emagrecer

        Como usar: Para melhorar a digestão consuma com frequência e em doses bem moderadas (até 5 gramas diárias), ela estimula as funções do estômago.

         Atenção! Vale o bom senso: tem gente que é muito sensível ao ardido da pimenta. Quem sofre de úlcera e gastrite, portanto, precisa evitá-la. Há quem diga que o uso excessivo provocaria hemorroidas.

            Pitanga

32-plantas-medicinais-pitanga

Seu nome em tupi-guarani – pyrang — significa vermelho. Usada pelos índios e depois pelos colonizadores, a espécie se espalhou chegando ao sul dos Estados Unidos e até mesmo a alguns países asiáticos. A frutinha está lotada de vitamina C. As folhas, por sua vez, têm vários efeitos terapêuticos, inclusive ação bactericida contra micro-organismos como o Staphylococcus aureous. Estudos sugerem ainda uma ação na prevenção do câncer.

            Nome científico: Eugenia uniflora

            Fins medicinais: É usada como calmante, anti-inflamatória e para aliviar bronquites

        Como usar: Para problemas estomacais coloque 1 colher de sopa de folhas em uma xícara de água. Ferva durante 5 minutos e coe. Beba até 3 vezes ao dia

            Rosa-mosqueta

33-plantas-medicinais-rosa-mosqueta

Não se sabe ao certo a origem desta flor, mas suas propriedades cosméticas são bem conhecidas desde a Roma antiga. Na América, chegou primeiro no Chile pelas mãos dos colonizadores espanhóis e até hoje cresce nas encostas dos Andes. Fonte de vitamina C e carotenoides, e com óleo rico em ácidos graxos insaturados, é um excelente regenerador dos tecidos, melhorando a textura da pele. Já o ácido transretinoico é responsável pelos seus maiores méritos: diminuir cicatrizes e apagar alguns tipos de manchas. A substância acelera a recuperação dos tecidos ativando os fibroblastos, células que fabricam as fibras de sustentação da pele, como o colágeno.

            Nome científico: Rosa canina

            Nomes populares: Rosa canina, rosa-selvagem, rosa-de-cão, rosa-primitiva

          Fins medicinais: A flor ajuda no tratamento de queimaduras e alterações na pele causadas pela radioterapia. No dia a dia, o óleo ajuda a prevenir a formação de estrias.

            Como usar: Para atenuar manchas e cicatrizes, pingue gotas do óleo na região a ser tratada, massageando com movimentos circulares por 2 a 3 minutos, para garantir a absorção dos componentes. Cremes e loções funcionam, desde que tenham, no mínimo, 3% de óleo em sua fórmula.

            Atenção! O óleo é contraindicado para peles com acne, pois pode agravar o quadro. Deve ser usado à noite, pois pode causar fotossensibilidade. Pessoas sensíveis podem desenvolver alergia.

            Tamarindo

34-plantas-medicinais-tamarindo

Cultivada em países como China, Paquistão e Vietnã, ele é um ingrediente relativamente frequente em certas cozinhas orientais. Mas também é famoso por regular o intestino preguiçoso. Embora a atividade laxativa ainda não tenha seu mecanismo totalmente desvendado, sabe-se que o tamarindo é rico em ácidos frutosos, pectinas e gomas. Suspeita-se que, para complementar a ação desses componentes, seus açúcares e sais orgânicos acelerem ainda mais a evacuação.

            Nome científico: Tamarindus indica

            Nomes populares: Tamarindeiro, tamarino, jabão, cedro-mimoso, jataí.

            Fins medicinais: Age como vermífugo.

           Como usar: Para resolver a prisão de ventre (esta receita só serve para adultos): peneire 50 gramas da polpa do fruto e dissolva em um copo de água. Coe em tecido grosso e beba um copo ao dia.

          Atenção! Não há informações sobre efeitos de tratamentos à base de tamarindo na gravidez. Por segurança, melhor que as gestantes os evitem.

            Tomilho

35-plantas-medicinais-tomilho

Seu nome deriva do grego “thymus”, que significa coragem. Na Grécia, acreditava que ele aumentava a força e a sabedoria. Hoje, porém, o tomilho é bem conhecido por seus dotes culinários. Ele acentua o saber de carnes e peixes e entra até em algumas receitas doces. Mas, além de saboroso, é antisséptico. Essa ação se deve aos óleos essenciais, principalmente o timol. Esse composto tem ainda um efeito expectorante e ajuda a aliviar sintomas de tosse e bronquites.

            Nome científico: Thymus vulgaris

            Nomes populares: Timo

          Como usar: Para tosse e resfriado, coloque 1 colher de sopa de flores e folhas de tomilho em 1 xícara de água fervente. Abafe por cinco minutos e coe. Se quiser, adoce com mel ou açúcar. Beba duas ou três vezes ao dia.

        Atenção! Remédios caseiros com tomilho não deveriam ser usados por quem sofre de úlceras e hipertireoidismo, crianças menores de 2 anos, grávidas e mulheres que estão amamentando.

          Unha-de-gato

36-plantas-medicinais-unhadegato

Tem forte ação anti-inflamatória e analgésica, graças aos alcaloides, entre eles a mitrafilina e a pteropodina. Seus compostos também estimulam a produção de células brancas, fortalecendo o sistema imunológico. Por isso é muito indicada por quem vive resfriado ou sofre de infecções recorrentes.

            Nome científico: Uncaria tomentosa

            Nomes populares: Cipó-de-gato

            Fins medicinais: Atua em inflamações da pele, artrite, amigdalite.

            Como usar: Para aumentar a resistência, faça uma decocção usando 1 colher de sopa de raízes ou entrecasca do cipó seca para cada xícara de água. Tome uma única vez, pela manhã.

            Atenção! Deve ser evitada por grávidas, mulheres que amamentam, crianças, transplantados, portadores de doenças autoimunes e de esclerose múltipla. A planta interage com remédios como anti-hipertensivos e certos antidepressivos Quem sofre de úlcera deve ter cautela, já que aumenta a acidez estomacal.

            Valeriana

37-plantas-medicinais-valeriana

Ela é conhecida como sedativo desde Roma Antiga – era a saída dos soldados romanos para se acalmar após batalhas sangrentas. Do outro lado do Atlântico, os astecas, que habitavam a região do atual México, encontravam na erva alívio para a fadiga. Hoje, vários estudos atestam seus poderes anti-estresse. Mas talvez sua principal indicação seja contra a dificuldade em pegar no sono. Sua ação ansiolítica é atribuída a um grupo de ativos chamados valepotriatos, que agem no sistema nervoso central. No cérebro, eles aumentariam a disponibilidade de certos neurotransmissores, aplacando a ansiedade Alguns trabalhos afirmam que a espécie tem a vantagem de não provocar dependência, mas ainda não existe consenso nesse sentido.

            Nome científico: Valeriana officinalis

            Nomes populares: Erva-dos-gatos, erva-de-são-jorge, valeriana-selvagem

         Como usar: Para diminuir a ansiedade, coloque 1 colher de chá da raiz fatiada em 1 xícara e adicione água quente. Abafe por cinco minutos e coe.

            Atenção! Não use a infusão por mais de dez dias seguidos. Grávidas não devem tomá-la de jeito nenhum. Se preferir cápsulas, mais do que nunca procure orientação médica.

http://www.bolsademulher.com/saude-mulher/chas-medicinais-8-ervas-que-curam-enfermidades

http://www.saudemelhor.com/chas-medicinais/

http://www.criasaude.com.br/N222/todas-as-plantas-medicinais.html

http://mdemulher.abril.com.br/saude/saude/conheca-e-saiba-usar-37-plantas-medicinais

 *voltar ao indice*

ELEMENTO CORAÇÃO

coração.jpg

            Pressão arterial é a força com a qual o coração bombeia o sangue através dos vasos. É determinada pelo volume de sangue que sai do coração e a resistência que ele encontra para circular no corpo.

            A recomendação é de cinco gramas de sal por dia (1 colher de chá), ou dois gramas de sódio. Não é fácil cumprir. O consumo do brasileiro está acima de dez gramas por dia. Salgante e sal light são opções para quem quer substituir o sal refinado.

            A quantidade de sódio tem que estar na tabela nutricional dos alimentos, que deve indicar a porção de referência, como três colheres de sopa, uma fatia ou um copo; a quantidade de sódio na porção; e quanto essa quantidade representa na alimentação de um adulto durante o dia todo. “Se eu pego um produto e ele me dá 40%, 50% desse valor diário, é uma quantidade muito grande”, explica a nutricionista.

            Comer menos sódio reduz a pressão arterial. Além disso, outras atitudes também ajudam como o controle do peso, a moderação no consumo de álcool, atividade física e a alimentação saudável. Uma dieta conhecida como ‘Dash’ ajuda a reduzir a pressão.

            A dieta Dash aposta nos alimentos naturais que são ricos em potássio, cálcio, magnésio e fibras e reduz os alimentos naturais, preparados em casa ou industrializados, ricos em gorduras saturadas e totais e em açúcar.

            No Brasil, o consumo de cálcio, magnésio e fibras está abaixo do recomendado. Entretanto, o cálcio e o potássio protegem o coração. Frutas, verduras, legumes, leguminosas, cereais integrais e leite são as principais fontes de potássio.

            Já o cálcio está presente nos leites e derivados, principalmente. Frutas, verduras, legumes, leguminosas, cereais integrais e frutas oleaginosas são fontes de magnésio.

            10 passos para controlar o sintoma

            Dê mais atenção ao que você come, as suas emoções e pratique mais esportes

            A hipertensão arterial ou, simplesmente, pressão alta é gatilho certo para uma série de males — e não só aqueles que envolvem o sistema circulatório. “Normalmente, um paciente com pressão igual ou superior a 140/90mmHg é diagnosticado como hipertenso. São pessoas mais sujeitas a sofrer com falhas no coração, nos rins e até no cérebro” explica o cardiologista Enéas Rocco.

            A doença é crônica (não tem cura, mas pode ser controlada) e, por isso, é importante fazer exames regulares para detectar como andam seus batimentos cardíacos. Mas atenção: ter pressão alta não é sinônimo de ser hipertenso.

            “Para ser considerado hipertenso, o paciente tem de permanecer com a pressão mais alta do que o normal” , diz o médico. Isso porque, momentaneamente, qualquer pessoa está sujeita a uma variação na freqüência cardíaca. Um esforço físico mais intenso ou momentos de estresse, por exemplo, alteram esses números.

            Algumas atitudes, no entanto, ajudam não só a prevenir o problema como controlam níveis já elevados de pressão. Confira a seguir uma lista delas e imprima uma marca saudável ao seu dia a dia.

  1. Manutenção do peso ideal- o sobrepeso aumenta dificulta o esforço do coração para conseguir bombear o sangue. Na prática, o músculo é exigido demais. “Como o bíceps de quem levanta peso, o coração de uma pessoa obesa acaba hipertrofiado” , explica o cardiologista. Com um risco: as lesões causadas pelo esforço excessivo podem se tornar irrecuperáveis.
  1. Prática de atividade física atividades físicas regulares, principalmente as aeróbias, contribuem para a melhora de todo o sistema circulatório e pulmonar. Só tome cuidado com os exageros: antes de começar qualquer treino, procure um especialista e faça uma avaliação geral.
  1. Redução de sal – o excesso de sal na dieta leva à retenção de líquidos, acarretando a hipertensão. Por isso, maneire na hora de temperar a comida e diminua o consumo de enlatados e alimentos em conserva.
  1. Evitar bebidas alcoólicas: O álcool em grande quantidade é inimigo feroz da pressão sob controle. Corte as bebidas da sua dieta ou consuma com muita moderação.
  1. Dieta saudável: Gorduras saudáveis e pouco sal são medidas indispensáveis na dieta de quem quer manter o coração saudável. Inclua ainda muitas frutas, verduras e legumes. Cortar a carne não é preciso, mas dê preferência aos cortes magros, ou seja, com menos gordura.
  1. Medicamentos: se o médico recomendou, não deixe de tomar. Mas nada de sair por aí imitando a receita alheia. Vale lembrar que alguns medicamentos podem elevar a pressão, como os antiiflamatórios e anticoncepcionais, ressalta o cardiologista.
  1. Cigarro: o tabaco, em conjunto às outras substâncias tóxicas do cigarro, eleva a pressão imediatamente além de comprometer toda sua saúde. Parar de fumar imediatamente é fundamental , alerta o professor de Cardiologia da Santa Casa de São Paulo, Ronaldo Rosa.
  1. Estresse: ele aparece como resposta do organismo às sobrecargas físicas e emocionais, acarretando a hipertensão e doenças do coração. Controle suas emoções e procure incluir atividades relaxantes na sua rotina.
  1. Exames médicos: avaliações regulares não só ajudam a identificar o problema no começo, facilitando o tratamento, como servem para adequar o uso de medicamentos de forma mais eficaz.
  1. Medir a pressão: no mínimo uma vez por ano, todas as pessoas devem fazer isso. A recomendação é da Sociedade Brasileira de Hipertensão, que alerta para esse simples exame como uma forma de prevenir problemas mais sérios.

pressão_arterial-02.jpg

            12 atitudes para manter a pressão arterial sob controle

            Tontura e dor de cabeça e no peito denunciam que algo não está bem. Esses sintomas podem ser sinais de que sua pressão arterial está nas alturas, acima de 14 por 9: é a temida hipertensão. Segundo o Ministério da Saúde, 24% da população sofre desse mal. E as mulheres estão passando os homens em número de casos.

            Segundo o médico patologista Marcello Fabiano de Franco, da Sociedade Brasileira de Patologia, por causa da pressão arterial fora de controle, as artérias vão se hipertrofiando e se degenerando. Com isso, há risco de arteriosclerose (quando as artérias ficam muito espessas). Resultado? Maiores chances de acidente vascular cerebral (AVC) e infarto. A hipertensão também pode levar a lesões nos rins, resultando em perda da função renal.

            A boa notícia é que simples mudanças de hábitos e muita disciplina ajudam a colocar tudo nos eixos. E servem para quem já é hipertenso e quem quer fugir desse mal. Confira a seguir 12 passos para derrubar a pressão.

  1. Exercícios aeróbios são os mais indicados para controlar a pressão. É que, quando você está caminhando em ritmo acelerado ou correndo, obriga o coração a trabalhar mais e bombear mais sangue pelo corpo, melhorando seu condicionamento físico. Não gosta de correr nem de caminhar? Então, escolha outra atividade física. O cirurgião cardíaco Marcelo Sobral, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, garante que o importante é evitar o sedentarismo. Só não vale ficar parada!
  1. Crie um cardápio com abacate, cenoura crua, espinafre, feijão, batata, milho, tomate, maçã, banana, melão, pêssego, ameixa e morango. “Todos esses alimentos são ricos em potássio, substância que ajuda a domar a pressão arterial”, explica o médico Fabio Cardoso, especialista em medicina preventiva.
  1. Viver longe de situações negativas é impossível. Por isso, uma das melhores formas de relaxar é fazer alguma atividade que lhe dê prazer, como artesanato. “Pode ser um passeio no parque, tomar uma taça de vinho, ir ao cinema, viajar. Permita-se ter momentos de prazer para desviar a carga de estresse”, diz Sobral.
  1. O sódio é um vilão para quem sofre com pressão alta. Em excesso, ele se acumula no organismo, retém água e enche as artérias. Resultado: aumenta a pressão interna do vaso sanguíneo e a hipertensão dá as caras. Evite o sal a todo custo, pois os alimentos industrializados já possuem sódio (como esse macarrão instantâneo da foto), até mesmo as bolachas doces! Limite seu consumo a, no máximo, uma colher (chá) de sal por dia, combinado?
  1. De acordo com o médico Marcelo Sobral, há estudos que mostram que pessoas que dormem oito horas por noite têm menos chances de ter hipertensão. Então, chega de ficar até tarde assistindo TV ou navegando pelas redes sociais. Vá para a cama cedo e garanta sua saúde!
  1. Na próxima refeição e sempre que puder, escolha um peixe, como salmão, cavalinha, arenque, sardinha ou atum. Ricos em ômega 3, eles ajudam a equilibrar a pressão arterial. “Recomenda-se o consumo de três porções de peixe por semana”, diz Cardoso.
  1. A vitamina C é outra aliada do hipertenso. Estudos mostraram que a hipertensão arterial e o derrame (ou AVC) são mais comuns entre pessoas que consomem menor quantidade dessa vitamina. Portanto, invista na laranja, limão, acerola, caju, tangerina e outras frutas e legumes ricos em vitamina C.
  1. Nem muito sal nem muito açúcar. O segredo de uma vida saudável é a moderação. Por isso, evite, ao máximo, o consumo de açúcar, pois ele promove maior retenção de sódio no organismo, o que acaba provocando inchaço por excesso de líquidos – o grande inimigo dos hipertensos.
  1. O chocolate que contém de 65% a 80% de cacau pode diminuir a pressão arterial. “O cacau tem flavonoides – antioxidantes que ajudam o organismo a produzir uma substância chamada óxido nítrico. Essa substância relaxa os vasos sanguíneos e faz com que o sangue corra melhor, diminuindo a pressão”, explica Cardoso. Mas nada de exagerar! Um quadradinho de 6 g por dia já é o suficiente para conseguir esse benefício
  1. É verdade: uma taça de vinho tinto na hora do almoço melhora o humor e ainda ajuda a balancear a pressão. Mas sempre em quantidade moderada, claro. Acima disso, o vinho passa a ser prejudicial e a vantagem vai por água abaixo.
  1. Um estudo da Universidade da Califórnia mostrou que trabalhar mais de 41 horas por semana aumenta o risco de ter hipertensão em 15%. Se você tem carga horária maior do que oito horas por dia, de segunda a sexta, melhor colocar o pé no freio!
  1. No meio do expediente, o filho liga chorando e contando a nota baixa que tirou na prova, você se lembra do aniversário do marido no fim de semana e o chefe pede um relatório urgente. Ufa! Com tudo isso, os hormônios do estresse entram em ação e a hipertensão começa a aparecer. Muita calma nessa hora! Respire profundamente e relaxe durante cinco minutinhos. Esse tempinho é precioso para a sua saúde, pode apostar!

            7 alimentos inusitados que abaixam a pressão

            Inimiga silenciosa: é dessa maneira que a comunidade médica costuma se referir à hipertensão. E o motivo é tão singelo quanto assustador: 90% das pessoas com pressão arterial elevada não apresentam sintomas e, como consequência, podem receber o diagnóstico só depois de sofrer um derrame cerebral ou um ataque cardíaco. Todo esse drama, ainda bem, pode ser evitado. E para isso nem é preciso se entupir de remédio, como muita gente pensa. Em boa parte dos casos, um destino melhor para os vasos sanguíneos depende do acompanhamento com o cardiologista e da escolha correta dos alimentos incluídos no cardápio.

            “Uma dieta balanceada, somada à prática de exercícios físicos, muitas vezes é o suficiente para prevenir e até mesmo controlar uma hipertensão mais leve”, afirma o cardiologista Marcus Bolívar Malachias, presidente do Departamento de Hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Dito isso, é hora de apresentar sete alimentos que estão em evidência nos centros de pesquisa por sua capacidade de deixar as artérias livres de sufoco. Veja se não vale a pena aproveitá-los no café da manhã, no almoço ou no jantar.

            Farelo de trigo

            É fato consumado que grãos e cereais integrais devem aparecer com regularidade no menu quando se quer barrar a constrição dos vasos. afinal, são exímias fontes de fibras, compostos que dificultam a absorção de gorduras e do colesterol ruim, o ldl. Por participar dessa faxina nas artérias, esses alimentos auxiliam o sangue a circular sem sujeiras no caminho. Mas, em se tratando de hipertensão, um representante dessa turma merece destaque. é o trigo, cujo farelo oferece, além das fibras, magnésio, zinco e vitaminas do complexo B. “esse conjunto de nutrientes têm impacto direto no relaxamento dos vasos”, diz a nutricionista Nairana Borim, do Hospital alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

            Sugestão de consumo: salpique 2 colheres de sopa do farelo em vitaminas, frutas ou refeições salgadas.

            Morango

            Ao longo de 14 anos, cientistas das universidades de east anglia, na inglaterra, e Harvard, nos estados Unidos, acompanharam os hábitos de cerca de 156 mil pessoas. depois desse tempão, perceberam uma queda de 8% no risco de hipertensão entre os fãs de morango e outras frutas vermelhas. O mérito parece vir de um antioxidante que dá cor a essas frutinhas, a antocianina. “ela atua na redução das moléculas de ldl, o mau colesterol, e no aumento do Hdl, a versão do bem, o que beneficia a circulação”, explica Nairana. “além disso, essa substância combate o processo inflamatório envolvido nas doenças cardiovasculares”, completa. Quem quer variar vai encontrar antocianinas de sobra em outras frutas, como amora e framboesa.

            Sugestão de consumo: inclua 5 morangos no café da manhã ou tome o suco natural da fruta após as refeições.

            Semente de abóbora

            Tamanho não é documento mesmo, pois essa pequena semente é farta em nutrientes. entre eles, está o potássio, mineral famoso por melhorar a elasticidade dos vasos. Segundo a nutricionista Maria Cristina Freitas, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, vale exaltar também a presença das vitaminas a e e, fibras, magnésio e gorduras do bem. “Tudo isso faz dessa semente uma grande aliada do sistema cardiovascular”, diz a especialista. essa riqueza nutricional, aliás, foi avaliada em um estudo com o óleo da semente administrado a animais na arábia Saudita. Conclusão: o preparo potencializou a ação de remédios anti-hipertensivos, facilitando bastante o ajuste da pressão arterial.

            Sugestão de consumo: leve ao forno 1 xícara de chá de sementes de abóbora e, após dourarem, sirva-as como aperitivo.

            Clara de ovo

            Apesar de suscitar mais perguntas do que dar respostas, uma pesquisa da Universidade autônoma de Madri, na Espanha, constata que trechos de proteínas da clara do ovo têm uma surpreendente propriedade vasodilatadora – dependendo dos aminoácidos selecionados, as artérias chegam a relaxar 70% a mais. “agora é necessário checar se essas moléculas benéficas permanecem estáveis durante o cozimento. assim saberemos se é melhor consumir a clara do ovo poché ou cozido”, comenta o cardiologista Heno Lopes, do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo. enquanto não temos esse dado, a recomendação é incluir o ovo numa dieta balanceada, dando preferência à sua porção branquinha.

            Sugestão de consumo: procure colocar água na frigideira no lugar de gordura ou frite o ovo com pouquíssimo óleo vegetal.

            Soja

            Os holofotes voltam a se dirigir para a isoflavona, substância mais ilustre do grão cultuado pelos orientais e famosa por silenciar sintomas indesejados da menopausa. após revisar uma porção de artigos protagonizados por ela, cientistas chineses perceberam que sua ingestão alivia o tráfego sanguíneo. Segundo o cardiologista Marcus Malachias, a isoflavona não se resume a um bom vasodilatador. “ela impede que fatores de agressão para as artérias, como o colesterol e a glicose, estimulem a formação de placas em sua camada interna, protegendo-as contra entupimentos”, explica o médico. Sem empecilhos em sua trajetória, o sangue flui mais facilmente e a pressão tende a permanecer na medida certa.

            Sugestão de consumo: cozinhe 1 xícara de chá do grão e use-o como substituto do feijão ou em saladas.

            Guaraná

            Durante anos, a fruta nativa da amazônia e outros alimentos ricos em cafeína foram tachados de perigosos às artérias. a verdade, porém, é que nenhum estudo confirmou seu elo com a hipertensão. Muito pelo contrário. em um grupo de 637 pessoas acima de 60 anos acompanhado pelas universidades Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e do estado do amazonas, as que relataram beber regularmente uma mistura de guaraná em pó, água e uma pitada de açúcar ou mel eram menos obesas e apresentavam, em menor frequência, pressão alta. “O acúmulo de gordura propicia alterações vasculares que podem culminar na hipertensão”, justifica a biogerontóloga ivana da Cruz, da instituição gaúcha. Um recado a quem controla a pressão com remédios: o guaraná só deve ser convidado se o médico liberá-lo.

            Sugestão de consumo: acrescente 1/2 colher de café de guaraná em pó a sucos de frutas e tome pela manhã.

            Melancia

            Para quem já está com a pressão no limite, esse é um item que merece lugar cativo na fruteira. a sugestão vem de pesquisadores da Universidade estadual da Flórida, nos estados Unidos, após observar o efeito de doses diárias do extrato da fruta em indivíduos com pré-hipertensão, o estágio que antecede a doença propriamente dita, durante seis semanas. O responsável pela façanha é uma substância que aparece aos montes na melancia, a l-citrulina. “No corpo, ela se transforma em outra molécula que contribui com a formação do óxido nítrico, um gás natural que relaxa a parede dos vasos sanguíneos”, esclarece Malachias. agora, os experts buscam delimitar como aproveitar melhor esse ingrediente anti-hipertensão – seria em suco, na fruta mesmo?

            Sugestão de consumo: deguste 1 fatia pequena da fruta após o almoço.

            A dieta contra hipertensão

            O programa alimentar conhecido como Dash (sigla em inglês para Dieta para Combater a Hipertensão) se consagrou há uma década por provar que a alimentação é mais do que uma coadjuvante no controle da doença. Elaborado por instituições de peso dos Estados Unidos, esse plano doma a pressão arterial. “O impacto é similar ao de um bom remédio”, analisa o cardiologista Heno Lopes, do Instituto do Coração de São Paulo e autor do livro A Dieta do Coração, publicado por SAÚDE. Conheça os alimentos preconizados pela Dash e em quais medidas eles devem aparecer no cardápio.

            Programa dash

            Grãos e cereais: 6 a 8 porções diárias

            Vegetais: 4 a 5 porções diárias

            Frutas: 4 a 5 porções diárias

            Leites e derivados: 2 a 3 porções diárias

            Fontes de proteína magras: 1 a 2 porções diárias

            Nozes e sementes: até 5 porções por semana

            Os inimigos da pressão

            Enquanto alguns alimentos ajudam a afastar ou minimizar a hipertensão, outros funcionam como verdadeiros gatilhos para deflagrar e piorar a doença. É o caso do trio abaixo, considerado uma bomba para a saúde das artérias.

            Sal: os brasileiros usam mais do que o dobro dos 5 gramas diários recomendados. Em exagero, o sódio faz o corpo reter água e a pressão decolar.

            Álcool: em doses modestas – modestas mesmo -, ele até faz bem. Mas, quando os goles passam do limite, conspiram a favor do estreitamento dos vasos.

            Açúcar: esse é outro ingrediente abusado por nossos conterrâneos. Açúcar demais favorece a obesidade, condição já ligada à compressão das artérias.

pressão_arterial-03.jpg

            10 Maneiras de controlar a pressão arterial sem medicação

            Ao fazer essas mudanças de estilo de vida, você pode baixar a pressão arterial e reduzir o risco de doença cardíaca.

Pela Clínica Mayo equipe

            Se você foi diagnosticado com pressão arterial alta (pressão sistólica – o número mais alto – de 140 ou acima ou uma pressão diastólica – o número inferior – de 90 ou acima), você pode estar preocupado com a tomar medicação para trazer seus números para baixo .

            Estilo de vida desempenha um papel importante no tratamento de sua pressão arterial elevada. Se você conseguir controlar sua pressão arterial com um estilo de vida saudável, você pode evitar, retardar ou reduzir a necessidade de medicação.

            Aqui estão 10 mudanças de estilo de vida que você pode fazer para baixar a pressão arterial e mantê-lo para baixo.

  1. Perder quilos extras e assistir a sua cintura

            A pressão arterial aumenta frequentemente o aumento do peso. Perder apenas 10 libras (4,5 kg) pode ajudar a reduzir a pressão arterial. Em geral, quanto mais peso você perde, mais baixa a pressão arterial. Perder peso também faz qualquer medicação de pressão arterial que você está tomando mais eficaz. Você e seu médico pode determinar sua meta de peso e que a melhor maneira de alcançá-lo.

            Além de derramamento de libras, você também deve manter um olho em sua cintura. Carregando muito peso em torno de sua cintura pode colocar você em maior risco de pressão alta. Em geral:

  • Homens estão em risco se a sua medida da cintura é maior do que 40 polegadas (102 centímetros, ou cm).
  • As mulheres estão em risco se a sua medida da cintura é maior do que 35 polegadas (89 cm).
  • Homens asiáticos estão em risco se a sua medida da cintura é maior do que 36 polegadas (91 cm).
  • Mulheres asiáticas estão em risco se a sua medida da cintura é maior do que 32 polegadas (81 cm).
  1. Exercite-se regularmente

            A atividade física regular – pelo menos 30 a 60 minutos na maioria dos dias da semana – pode baixar a pressão arterial por 4-9 milímetros de mercúrio (mm Hg). E não demorou muito para ver a diferença. Se você não tem sido ativa, aumentando o seu nível de exercício pode diminuir a pressão arterial dentro de apenas algumas semanas.

            Se você tem pré-hipertensão – pressão arterial sistólica entre 120 e 139 ou pressão diastólica entre 80 e 89 – o exercício pode ajudá-lo a evitar o desenvolvimento de full-blown hipertensão. Se você já tem hipertensão, a atividade física regular pode trazer a sua pressão arterial para níveis mais seguros.

            Converse com seu médico sobre o desenvolvimento de um programa de exercícios. O seu médico pode ajudar a determinar se você precisa de alguma restrição de exercícios. Mesmo a atividade moderada por 10 minutos a uma hora, como caminhada e musculação leve, pode ajudar.

            Mas evite ser um “guerreiro fim de semana.” Tentar espremer todo o exercício a sua nos fins de semana para compensar a inatividade dia da semana não é uma boa estratégia. Essas explosões repentinas de atividade realmente pode ser arriscado.

  1. Comer uma dieta saudável

            Comer uma dieta rica em cereais integrais, frutas, legumes e produtos de baixo teor de gordura e skimps em gordura saturada e colesterol pode reduzir sua pressão arterial por até 14 mm Hg. Este plano alimentar é conhecido como as abordagens dietéticas para parar dieta Hipertensão (DASH).

            Não é fácil mudar seus hábitos alimentares, mas com essas dicas, você pode adotar uma dieta saudável:

            Mantenha um diário alimentar. Escrever o que você come, mesmo para apenas uma semana, pode lançar luz surpreendente em seus verdadeiros hábitos alimentares. Monitorar o que você come, quanto, quando e why.Consider impulsionar potássio. O potássio pode diminuir os efeitos do sódio na pressão arterial. A melhor fonte de potássio é de alimentos, como frutas e vegetais, em vez de suplementos. Fale com o seu médico sobre o nível de potássio que é melhor para você um cliente esperto. Faça uma lista de compras antes de ir ao supermercado para evitar a captação de junk food. Leia os rótulos dos alimentos quando você comprar e manter o seu plano de comer saudável quando você está jantando fora, too.Cut-se alguma folga. Embora a dieta DASH é um guia ao longo da vida de comer, isso não significa que você tem que cortar todos os alimentos que você ama. É OK para tratar-se ocasionalmente para alimentos que você não encontraria em um menu de dieta DASH, como uma barra de chocolate ou purê de batatas com gravy.

  1. Reduzir o sódio em sua dieta

            Mesmo uma pequena redução do sódio em sua dieta pode reduzir a pressão arterial por 2 a 8 mm Hg. As recomendações para a redução de sódio são:

  • Limite de sódio a 2300 miligramas (mg) por dia, ou menos.
  • Um menor nível de sódio – 1.500 mg por dia ou menos – é adequado para pessoas de 51 anos de idade ou mais velhos, e os indivíduos de qualquer idade que são Africano-Americana ou que têm pressão arterial elevada, diabetes ou doença renal crônica.

            Para diminuir sódio em sua dieta, considere estas dicas:

            Controlar a quantidade de sal está na sua dieta. Mantenha um diário alimentar para estimar a quantidade de sódio está no que você come e bebe cada rótulos dos alimentos day.Read. Se possível, escolha baixo teor de sódio alternativas dos alimentos e bebidas que normalmente buy.Eat menos alimentos processados. Batatas fritas, refeições congeladas, bacon e carnes almoço processados são ricos em t sodium.Don ‘adicionar sal. Apenas uma colher de chá rasa de sal tem 2.300 mg de sódio. Use ervas ou especiarias, ao invés de sal, para adicionar mais sabor à sua foods.Ease para ele. Se você não sente que pode reduzir drasticamente o sódio em sua dieta, de repente, cortar gradualmente. Seu paladar vai ajustar mais de tempo.5. Limitar a quantidade de álcool que você bebe

            O álcool pode ser bom e ruim para a sua saúde. Em pequenas quantidades, ele pode potencialmente reduzir sua pressão arterial por 2 a 4 mm Hg. Mas esse efeito protetor é perdido se você bebe álcool demais – geralmente mais de um drinque por dia para mulheres e homens com mais de 65 anos de idade, ou mais de duas por dia para os homens de 65 anos e mais jovem. Além disso, se você normalmente não beber álcool, você não deve começar a beber como uma maneira de diminuir a sua pressão arterial. Há mais potencial dano do que benefícios para o consumo de álcool.

            Se você beber mais do que quantidades moderadas de que, o álcool pode realmente aumentar a pressão arterial por diversos pontos. Ela também pode reduzir a eficácia dos medicamentos para a hipertensão.

            Rastrear seus padrões de consumo. Junto com o seu diário alimentar, manter um diário de álcool para controlar os seus padrões de consumo verdadeiros. Uma bebida equivale a 12 onças (355 mililitros, ou ml) de cerveja, 5 onças de vinho (148 ml) ou 1,5 gramas de 80 à prova de licor (45 ml). Se você está bebendo mais do que as quantidades sugeridas, corte back.Consider diminuindo. Se você é um bebedor pesado, de repente, eliminando todo o álcool pode realmente provocar hipertensão arterial grave por vários dias. Então, quando você parar de beber, fazer isso com a supervisão de seu médico.

http://www.minhavida.com.br/saude/materias/1610-pressao-alta-siga-10-passos-para-controlar-o-sintoma

http://mdemulher.abril.com.br/saude/viva-mais/12-atitudes-para-manter-a-pressao-arterial-sob-controle

http://mdemulher.abril.com.br/saude/saude/7-alimentos-inusitados-que-abaixam-a-pressao

https://www.indicedesaude.com/artigos_ver.php?id=2364

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/11/alimentacao-saudavel-e-exercicios-ajudam-reduzir-pressao-arterial.html

 *voltar ao indice*

ELEMENTO CÉREBRO

Cérebro.jpg

Onze razões para o seu esquecimento

            A perda de memória tem muitas causas: gravidez, viagem de longa duração e até não comer carne o suficiente. Saiba como consertar isso

            Você tem perda de memória? Por exemplo, você esquece-se do que estava falando ou anda até a cozinha e esquece o que queria fazer por lá? A explicação padrão para este problema é que ou você está sobrecarregado de informação ou você está velho. Mas, às vezes, lapsos de memórias podem ter outra explicação um pouco mais específica.

            VITAMINA B12

            Encontrada em alimentos como carnes, peixes e leites, a vitamina B12 é associada à boa memória. Por isso, é importante que vegetarianos prestem atenção na dieta porque é provável que o nível de vitamina B12 deles seja baixo. Outras causas possíveis para o esquecimento são anemia e doença de Crohn (enfermidade inflamatória no intestino). A última está relacionada com o fato de que é através da presença de certos ácidos em nosso estômago que absorvemos a vitamina B12.

            PRESSÃO ALTA

            Se você é esquecido e tem menos de 45 anos, é bom tirar sua pressão. Segundo estudo na Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, aqueles que têm problema de pressão arterial mais provavelmente apresentarão problemas de memória e raciocínio. As obstruções causadas pela pressão alta fazem com que o sangue circule com menos intensidade em partes importantes do cérebro afetando a memória. Mas não tem segredo: praticar exercícios e comer alimentos saudáveis melhora sua pressão e, portanto, sua memória.

            PROBLEMAS NA TIREÓIDE

            Se você tem estado muito cansado (a), deprimido (a), ganhando muito e peso e sentindo que sua memória não é mais o que era, você pode ter hipotireoidismo. Neste caso, a tireóide não produz suficientemente um hormônio chamado tiroxina. Desta forma, tudo no seu corpo trabalha mais devagar, inclusive seu cérebro e, por consequência, sua memória. A melhor forma de tratamento para o hipotireoidismo é através da ingestão de hormônios fabricados em laboratórios, algo simples que melhorará os sintomas rapidamente.

            ESTATINAS

            Embora se diga que estes comprimidos para abaixar o colesterol melhorem a memória, estudos recentes dizem o contrário. Um instituto reconhecido nos Estados Unidos chamado Cochrane Library realizou uma pesquisa com 34 mil pacientes e descobriu que diversas pessoas que tomavam este remédio tinham problemas ao lembrar-se de eventos recentes. As estatinas lipossolúveis, como a Simvastatina, são as que mais causam problemas.

            MENOPAUSA

            Estudo na Universidade da Califórnia revela que níveis decrescentes de estrógeno podem ser um problema. “Este hormônio parece ter um efeito protetor nos neurotransmissores – mensageiros químicos no cérebro”, revela o professor Ross, um dos pesquisadores da faculdade. Felizmente, a perda de memória não é permanente. Tomar hormônios como estrógeno ou progesterona, durante esta época, pode ajudar.

            VIAGENS DE LONGA DURAÇÃO

            Quem já pegou voos de muitas horas sabe como a viagem pode deixá-lo com dor de cabeça e cansado. Um recente estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, mostra que é difícil fazer com que seu cérebro volte ao normal depois desse tipo de jornada. Isso se deve ao fato de que não se dorme bem quando se viaja por muito tempo. O que nos deixa concluir também que qualquer problema no sono também afeta a memória.

            QUIMIOTERAPIA

        A perda de memória é um dos vários efeitos colaterais indesejados da quimioterapia. Este processo químico parece afetar células saudáveis do cérebro podendo até gerar uma degeneração do sistema nervoso central. Geralmente, o problema é reversível, embora este efeito possa durar por até 10 anos. Tomar aspirina é uma das recomendações para quem passa por isso, no entanto, é aconselhável que você fale com seu médico antes de se medicar.

            GRAVIDEZ

            Estudo realizado na Universidade de New South Wales, na Austrália, comparou a memória de grávidas. Foi descoberto que aquelas que esperavam por um filho eram mais esquecidas. Acredita-se que o complicado dia a dia e a quebra de rotina de uma mulher grávida seja a causa para tal problema.

            ANESTÉSICOS

            O bom do anestésico é que você não se lembra de nada quando você acorda. No entanto, parece que a perda de memória pode durar mais do que você imagina. Estudo realizado pela Universidade da Florida revela que o esquecimento pode durar até um ano depois da cirurgia, principalmente em pacientes mais velhos.

            DEPRESSÃO

            A doença é relacionada com a falta de serotonina e norepinefrina, que transmitem mensagens. A escassez destas substâncias também pode exercer efeito na memória. “Tratar a depressão também pode aliviar problemas de esquecimento”, explana o diretor clínico do hospital americano Clementine Churchill, Michael Gross.

            ÁLCOOL

         A razão pela qual, depois de ter bebido, você não se lembre de certos acontecimentos é que o álcool intoxica o hipocampo, região do cérebro que consolida lembranças. Mas a perda de memória não é permanente e a única forma de se prevenir disto é não beber.

Dez alimentos ótimos para a memória

            Grãos, frutas e peixes são exemplos de alimentos que ajudam no combate ao esquecimento

Por Luciana Carvalho

            Uma tarefa, um nome, um rosto, uma data importante. Essas e muitas outras pequenas (e grandes) coisas da vida podem ser muito prejudicadas por uma memória ruim. Além do avanço da idade, do cansaço e do estresse, uma alimentação deficiente pode influenciar nos esquecimentos do dia a dia.   Um dos nutrientes necessários para um cérebro mais ativo e que se lembra melhor das coisas é o ômega 3. “Ele é o maior responsável pela saúde mental”, afirma a nutricionista Sonja Salles. A seguir, você confere algumas fontes dessa substância e outras importantes para ter uma memória cada vez melhor.

            Quinoa

            Cultivada em países andinos, a quinoa (ou quinua) é um superalimento. Entre seus nutrientes estão a proteína, o ferro, o cálcio, as vitaminas do complexo B e o ácido graxo ômega 3, que compõe a membrana externa das células cerebrais, sendo essencial para uma troca rápida de mensagens no cérebro.           “Com uma alimentação pobre em ômega 3, a pessoa fica esquecida, sem concentração. Ele tem também efeito anti-inflamatório e melhora a pressão arterial. A gente consome muitos alimentos com ômega 6, que é muito inflamatório, mas precisamos comer mais itens com ômega 3”, afirma a nutricionista. Além de contribuir para a memória, a quinoa fortalece cabelos, unhas, pele e no controle de saciedade. Ela pode ser consumida germinada ou cozida, substituindo a carne das refeições.

            Linhaça

            Dourada ou marrom, a linhaça costuma ser apontada como forte aliada do emagrecimento, pelo seu poder de saciar quem a consome. No entanto, por ser rica em ômega 3, ela também é muito boa para aqueles que desejam dar um “up” na memória. Para extrair o nutriente de sua estrutura, é importante comê-la na forma triturada ou germinada (depois de ficar de molho na água). A conservação do alimento deve ser em vidros escuros e local fresco, para manter por mais tempo suas propriedades.

            Salmão

            Entre as carnes, o salmão é uma ótima fonte de ômega 3 e, por isso, tem um grande potencial para melhorar o desempenho cognitivo e o funcionamento do cérebro, para gravar informações. Outros benefícios do alimento são a redução dos níveis de colesterol, melhoria no funcionamento do coração e aumento na eficiência dos receptores de serotonina no cérebro, proporcionando um humor bem melhor. Outros peixes de água fria, como atum e sardinha também possuem esse nutriente.

            Morango

            Não é apenas o ômega 3 que ajuda na memória. A fisetina, encontrada no morango, por exemplo, é outro nutriente que desempenha um papel importante nas lembranças. Segundo pesquisas recentes, essa substância induz a diferenciação das células nervosas, o que tem influência direta para uma boa função cognitiva e na redução do esquecimento.

            Tomate

            Assim como o morango, o tomate é rico em fisetina, o que contribui para uma melhora significativa da memória. Além desse nutriente, ele ainda possui licopeno, antioxidante que reduz os danos causados às células pelos radicais livres e previne doenças como o câncer. Outros benefícios do fruto são a melhora da qualidade do sono e o combate ao envelhecimento precoce.

            Uva

            Para os esquecidos, as uvas são frutas bastante benéficas, pois, além de terem fisetina, como o tomate, as vermelhas e roxas são ricas em flavonoides. Ambas as substâncias são importantes porque protegem o sistema nervoso, influenciam na regulação da morte de neurônios e na regeneração dessas células. Os flavonoides, também presentes no suco de uva, vinho tinto, cacau e amoras, ainda são muito úteis para quem busca lutar contra inflamações, hemorragias, alergias e prevenir o câncer.

            Chás verde, branco e vermelho

            Outras opções de fontes de flavonoides, que ajudam no desenvolvimento e recuperação da memória, são os chás verde, branco e vermelho, que possuem efeitos similares aos da uva e demais opções. O chá verde tem ainda mais uma boa vantagem, para quem quer perder peso. Por ser uma substância termogênica, ele acelera o metabolismo, facilita a queima de calorias e, consequentemente, o emagrecimento.

            Ovo

            Saúde mental, melhor aprendizado e memória boa são alguns dos efeitos positivos da colina, substância presente na gema do ovo, segundo estudos. Essa ajuda é vista principalmente no envelhecimento, já que ela protege as células do cérebro enquanto o corpo sofre com o passar do tempo. Além desse benefício, a colina ainda é positiva para a saúde dos olhos e, junto com ela, o ovo traz boa quantidade de ácido fólico, que atua no combate à anemia e na prevenção de doenças cardiovasculares e do mal de Alzheimer.

Dez exercícios essenciais para manter o cérebro sadio

            Quando nos tornamos adultos ficamos acostumados a fazer determinadas coisas sem precisar pensar. Quando você usa muito o computador por exemplo, nem precisa mais ficar observando a posição de cada letra para escrever uma palavra não é mesmo?

            O mesmo acontece com algumas tarefas diárias, como escovar os dentes sempre com a mesma mão ou até mesmo escrever, é tão automático segurar a caneta sempre com a mão pela qual estamos acostumados a escrever!

            Estudos comprovam que exercícios cerebrais propõem justamente isso, fazer com que possamos encontrar novos conceitos para atividades comuns e diárias, e otimizar alguns hábitos melhora também a concentração.

  1. Se você usa relógios de pulso, comece trocando seu relógio de pulso. Será estranho nos primeiros momentos do dia, você terá que pensar em observar as horas no outro braço, parece simples, mas isso já vai ajudar a exercitar sua mente.
  2. Acontece a mesma coisa com o mouse do computador. Nós tendemos a deixá-lo sempre do mesmo lado. Acostume-se a trocar de lado de vez em quando, você sentirá uma certa dificuldade inicial, mas rapidamente irá pegar a prática.
  3. Escove os dentes todas as manhãs usando a outra mão.
  4. Tente de vez em quando experimentar alimentos com os olhos vendados para treinar ainda mais seu paladar. Isso inclusive pode ser uma divertida brincadeira em família.
  5. Uma vez por semana, caminhe de costas. É melhor que faça isso dentro de casa para evitar riscos de acidentes.
  6. Da próxima vez que for ao supermercado tente não escrever sua lista de compras, decore. É isso mesmo, desenvolva sua técnica para decorar e faça o teste.
  7. Quando estiver ouvindo alguma música que conhece, em determinados momentos, abaixe totalmente o volume e tente lembrar-se do restante da letra.
  8. Procure todos os dias aprender uma palavra diferente e durante aquele dia aproveite para usá-la.
  9. Quando estiver no ônibus ou no metrô tente traduzir a conversa das pessoas para outra língua, caso você tenha algum conhecimento de outro idioma.
  10. Já pensou em ler um livro de ponta cabeças? Tente fazer isso da próxima vez.
  11. Não pense que exercícios cerebrais são apenas para quem já foi diagnosticado com alguma doença, tal como Alzheimer. Eles devem ser estimulados desde a mais tenra idade assim como qualquer outro tipo de exercício para o corpo.

            Quando os neurônios de nosso cérebro não são estimulados eles ficam atrofiados e desta forma quem sai perdendo somos nós mesmos. Sendo assim, comece agora mesmo a exercitar-se.

Cinco técnicas para combater o esquecimento

            Em 1974, um psicólogo conhecido como Charles Eriksen, não se enquadrava no perfil acadêmico dos anos 70, pois sua maneira de se vestir e viver a vida fugia dos padrões da sociedade daquele momento. Mas, isso não influenciava em nada sua capacidade de percepção diante das coisas.

            Em uma tarefa de atenção visual, muito usada naquele período, onde as pessoas deveriam identificar uma letra-alvo em conjunto com várias outras letras, ele observou que as pessoas sentiam dificuldade de identificar, devido à curta distância, entre a letra-alvo e as demais letras e, quanto mais diminuíam a distância, mas aumentava a dificuldade delas. Então, ele concluiu que o segredo era concentrar na letra-alvo e esquecer o restante. E, por essa descoberta, foi possível que muitos cientistas entendessem melhor nosso cérebro.

            Embora vivamos numa época em que haja um acúmulo de informações que nos é enviado de todas as formas durante o decorrer de nosso dia, quando chega à noite, acabamos por esquecer a maior parte delas. Nosso cérebro possui limitação no recebimento de informações, pode-se compará-lo ao disco rígido de um computador, ele retém determinadas informações e momentos, e simplesmente se livra de outros, liberando espaço para novas coisas que possam surgir. Mas, um fato importante é que nosso cérebro pode ser treinado e, se é possível esse treinamento, também é possível que possamos discipliná-lo da maneira que nos favoreça.

            Um dos favorecimentos que nosso cérebro produz é a capacidade de criar a memória seletiva, que se usado positivamente, contribui para esquecermos as coisas ruins que nos feriram em algum momento de nossas vidas. Elas simplesmente surgem em nossa mente, eliminando coisas que desejaríamos que nunca tivessem acontecido e que poderiam levar a doenças mentais gravíssimas como um estresse pós-traumático, mal de Alzheimer e esquizofrenia, por boas lembranças. Mas quando não usado para o nosso bem, faz com que esqueçamos o que é certo, nos tirando a capacidade de ter o famoso “peso na consciência” quando agimos de uma forma incorreta, nos tornando pessoas de mal caráter e mentirosas, diante das pessoas que amamos e da sociedade. Quando surgir tais males, se faz necessário buscar ajuda familiar e profissional.

            Para podermos evitar o esquecimento há 5 técnicas de memorizar qualquer coisa. São elas:

  1. Exercício

            Nosso corpo carece de exercícios físicos para não atrofiar, o mesmo sucede ao cérebro, quanto mais o exercitarmos – através de muitos meios como boa leitura, um idioma novo, exercícios utilizando a mão esquerda, se caso usemos somente a direita e vice-versa – melhor será. Devemos encontrar novos desafios que nos permitam abandonar nossa zona de conforto. Não se deve esquecer de duas coisas fundamentais nessa prática de se exercitar: a qualidade do sono e da alimentação. Todo preparador físico exige não só esforço físico para nos deixar maravilhosos, eles também pedem que abandonemos hábitos alimentares que prejudicam nossa saúde e que tenhamos uma boa noite de sono. Um exemplo claro: Não adianta malhar o dia inteiro na academia, e no jantar entrar na carne gordurosa, nas pizzas e lanches, todo seu esforço, terá sido em vão. O mesmo se sucede com a mente, ela deve ser alimentada de pensamentos saudáveis e também precisa se desconectar na hora do descanso para se dormir bem. Quando esses pensamentos ruins são alimentados, atormentam nossa mente e nos roubam a paz. Quando essas coisas são colocadas em prática, nos permite ter tranquilidade e mais confiança, por sabermos que possuímos uma mente saudável.

  1. Disciplina

            Todos nós precisamos usar de disciplina para todas as coisas da vida e não seria diferente para nosso cérebro. Disciplinar o cérebro é usar o método que foi citado acima, pelo psicólogo Charles Eriksen, sobre focar no objetivo e esquecer todo o restante. Por mais atolado que estejamos de afazeres, se formos disciplinados e dermos prioridade ao que é mais importante naquele momento, provavelmente conseguiremos realizar muito mais coisas do que pensávamos que fôssemos capazes de fazê-lo.

  1. Organização

            Ninguém deveria viver na bagunça. Manter as coisas organizadas contribui para se encontrar em momentos de extremo estresse que pode surgir durante o dia, evitando que nos irritemos por tão pouco. Às vezes, não amanhecemos bem, perdemos o horário do trabalho e na pressa nos perguntamos: “Onde deixei as chaves do carro?” Se deixarmos a casa bagunçada e largamos a chave em qualquer lugar, dificilmente a encontraremos no lugar que deveria estar. A organização em todos os aspectos nos permite evitar muitos males em nossas vidas, sejam eles grandes ou pequenos.

  1. Tempo

            Todas as coisas em nossas vidas carecem de tempo e precisam ser feitas com dedicação. Um estudante precisa dedicar tempo para os estudos, escolher um determinado horário diariamente para se focar em seu objetivo, todavia, ele também precisa descansar, depois de tanto esforço. Caso não o faça, por mais dedicado e aplicado que ele seja, infelizmente, chegará o dia esperado, ele pode vir a sofrer do famoso “branco” na hora das provas. Algumas vezes, o que nós mais precisamos é apenas desacelerar depois de um esforço contínuo e manter a confiança de que tudo vai dar certo!

  1. Perdão

          Alguns podem se perguntar: Por que o perdão? Porque muitas noites mal dormidas, muitos fracassos na vida, se resultam de nós mesmos na escolha de não perdoar ou de não dar o perdão. “O perdão faz mais bem para quem o dá do que para quem o recebe.” Muitos de nós, sofremos injustiças e acabamos por cometer injustiças também, e isso rouba de nós a vontade de seguir em frente e aproveitar as oportunidades que a vida nos oferece. Quando não estamos dispostos a perdoar, seja nosso próximo ou a nós mesmos, acumulamos dentro de nós pensamentos negativos, tendemos a esquecer mais as coisas que são de valor, porque simplesmente estamos focados nas coisas que nos fizeram mal. Acabamos por perder o dia mais precioso de nossas vidas que é o “hoje” – o passado não deve roubar o presente. Somos livres para fazer nossas escolhas e que possamos escolher substituir a tristeza pela alegria, a raiva pelo perdão. E, só assim, encontraremos o sucesso almejado e a paz desejada para nossas vidas.

Oito novas doenças provocadas pelo uso da Internet

Evan Dashevsky

            É oficial. Conheça os distúrbios que surgiram – ou pioraram – por conta do uso quase compulsivo da Internet e dos dispositivos digitais móveis

           A Internet é um buffet infinito de vídeos de gatos, TV e Instagrams de celebridades. Mas ela também pode estar aos poucos levando você à beira da insanidade. E não estamos aqui usando nenhuma figura de linguagem.

     À medida que a Internet evoluiu para ser onipresente da vida moderna, testemunhamos o aumento de uma série de transtornos mentais distintos ligados diretamente ao uso da tecnologia digital. Até recentemente, esses problemas, amenos ou destrutivos, não tinham sido reconhecidos oficialmente pela comunidade médica.

            Algumas dessas desordens são novas versões de aflições antigas, renovadas pela era da banda larga móvel, enquanto outras são criaturas completamente novas. Não fique surpreso se você sentir uma pontinha de – pelo menos – uma ou duas delas.

            Síndrome do toque fantasma

            O que é: quando o seu cérebro faz com que você pense que seu celular está vibrando no seu bolso (ou bolsa, se você preferir).

            Alguma vez você já tirou o telefone do bolso porque o sentiu tocar e percebeu depois que ele estava no silencioso o tempo todo? E, ainda mais estranho, ele nem estava no seu bolso para começo de conversa? Você pode estar delirando um pouco, mas não está sozinho.

           Segundo o Dr. Larry Rosen, autor do livro iDisorder, 70% dos heavy users (usuários intensivos) de dispositivos móveis já relataram ter experimentado o telefone tocando ou vibrando mesmo sem ter recebido nenhuma ligação. Tudo graças a mecanismos de resposta perdidos em nossos cérebros.

            “Provavelmente sempre sentimos um leve formigamento no nosso bolso. Há algumas décadas nós teríamos apenas assumido que isso era uma leve coceira e teríamos coçado”, diz Rosen em entrevista ao TechHive.

            “Mas agora, nós configuramos o nosso mundo social para girar em torno dessa pequena caixa em nosso bolso. Então, sempre que sentimos um formigamento, recebemos uma explosão de neurotransmissores do nosso cérebro que podem causar tanto ansiedade quanto prazer e nos preparam para agir. Mas ao invés de achar que é uma coceira, reagimos como se fosse o telefone que temos que atender prontamente”, completa.

            No futuro, com a computação vestível, há o risco da doença evoluir para novas formas, como, por exemplo, usuários de Google Glass começarem a ver coisas que não existem porque seu cérebro está ligado a sinais típicos do aparelho.

            Nomophobia

            O que é: a ansiedade que surge por não ter acesso a um dispositivo móvel. O termo “Nomophobia” é uma abreviatura de “no-mobile phobia” (medo de ficar sem telefone móvel).

            Sabe aquela horrível sensação de estar desconectado quando acaba a bateria do seu celular e não há tomada elétrica disponível? Para alguns de nós, há um caminho neural que associa diretamente essa sensação desconfortável de privação tecnológica a um tremendo ataque de ansiedade.

            A nomophobia é o aumento acentuado da ansiedade que algumas pessoas sentem quando são separadas de seus telefones. E não se engane, pois não se trata de um  #FirstWorldProblem (problema de primeiro mundo). O distúrbio pode ter efeitos negativos muito reais na vida das pessoas no mundo todo. E é mais intenso nos heavy users de dispositivos móveis

       Tanto que essa condição encontrou seu caminho na mais recente edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-5, ou Manual Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais) e levou a um programa de tratamento dedicado à Nomophobia no Centro de Recuperação Morningside em Newport Beach, Califórnia.

            “Estamos condicionados a prestar atenção às notificações dos nossos telefones”, disse Rosen. “Somos como os cães de Pavlov, de certa forma. Você vê as pessoas pegarem seus celulares e dois minutos depois fazerem a mesma coisa, mesmo que nada tenha ocorrido. Isso é impulsionado pela ação reflexa, bem como pela ansiedade para se certificar de que não ter perdido nada. É tudo parte da reação FOMO (Fear Of Missing Out, ou medo de estar perdendo algo).”

            Náusea Digital (Cybersickness)

            O que é: a desorientação e vertigem que algumas pessoas sentem quando interagem com determinados ambientes digitais.

            A última versão do iOS, sistema operacional móvel da Apple, é uma reivenção plana, versátil e bonita da interface do usuário móvel. Infelizmente, ela também faz as pessoas vomitarem e forneceu o mais recente exemplo da doença.

            Assim que a nova versão do iOS foi liberada para os usuários de iPhone e iPad no mês passado, os fóruns de suporte da Apple começaram a encher com reclamações de pessoas que sentem desorientação e náuseas depois de usar a nova interface.

            Isso tem sido atribuído em grande parte ao efeito que faz com que os ícones e a tela de abertura pareçam estar se movendo dentro de um mundo tridimensional abaixo do visor de vidro.

            Essas tonturas e náuseas resultantes de um ambiente virtual foram apelidadas de ciberdoença. O termo surgiu na década de 1990 para descrever a sensação de desorientação vivida por usuários iniciais de sistemas de realidade virtual. É basicamente o nosso cérebro sendo enganado e ficando enjoado por conta da sensação de movimento quando não estamos realmente nos movimentando.

            Depressão de Facebook

            O que é: a depressão causada por interações sociais (ou a falta de) no Facebook.

            Os seres humanos são criaturas sociais. Então você pode pensar que o aumento da comunicação facilitada pelas mídias sociais faria todos nós mais felizes e mais contentes. Na verdade, o oposto é que parece ser verdade.

            Um estudo da Universidade de Michigan mostra que o grau de depressão entre jovens corresponde diretamente ao montante de tempo que eles gastam no Facebook.

            Uma possível razão é que as pessoas tendem a postar apenas as boas notícias sobre eles mesmos na rede social: férias, promoções, fotos de festas, etc. Então é super fácil cair na falsa crença de que todos estão vivendo vidas muito mais felizes e bem-sucedidas que você (quando isso pode não ser o caso).

            Tenha em mente que esse crescimento da interação das mídias sociais não tem que levar ao desespero.

            O Dr. Rosen também conduziu um estudo sobre o estado emocional dos usuários do Facebook e identificou que, enquanto realmente há uma relação entre o uso do Facebook e problemas emocionais como depressão, os usuários que possuem um grande número de amigos na rede social mostraram ter menor incidência de tensão emocional.

            Isso é particularmente verdade quando o uso da mídia social é combinado com outras formas de comunicação, como falar ao telefone.

            Moral da história: 1) não acredite em tudo o que seus amigos postam no Facebook e 2) pegue o telefone de vez em quando.

            Transtorno de Dependência da Internet

            O que é: uma vontade constante e não saudável de acessar à Internet.

        O Transtorno de Dependência da Internet (por vezes referido como Uso Problemático da Internet) é o uso excessivo e irracional da Internet que interfere na vida cotidiana. Os termos “dependência” e “transtorno” são um pouco controversos na comunidade médica, já que a utilização compulsiva da Internet é vista frequentemente como sintoma de um problema maior, em vez de ser considerada a própria doença.

            “Diagnósticos duplos fazem parte de tratamentos, de modo que o problema está associado a outras doenças, como depressão, TOC, Transtorno de Déficit de Atenção e ansiedade social”, diz a Dra. Kimberly Young. A médica é responsável pelo Centro de Dependência da Internet, que trata de inúmeras formas de dependência à rede, como o vício de jogos online e jogos de azar, e vício em cibersexo.

            Além disso, ela identificou que formas de vício de Internet geralmente podem ser atribuídas a “baixa autoestima, baixa autossuficiência e habilidades ruins”.

            Vício de jogos online

            O que é: uma necessidade não saudável de acessar jogos multiplayer online.

            De acordo com um estudo de 2010 financiado pelo governo da Coreia do Norte, cerca de 18% da população com idades entre 9 e 39 anos sofrem de dependência de jogos online. O país inclusive promulgou uma lei chamada “Lei Cinderela”, que corta o acesso a games online entre a meia-noite e às 6 da manhã para usuários com menos de 16 anos em todo o país.

            Embora existam poucas estatísticas confiáveis ​​sobre o vício em videogames nos Estados Unidos, o número de grupos de ajuda online especificamente destinados a essa aflição aumentou nos últimos anos. Exemplos incluem o Centro para Viciados em Jogos Online e o Online Gamers Anonymous, que formou o seu próprio programa de recuperação de 12 passos.

            Embora a atual edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders não reconheça o vício em jogos online como um transtorno único, a Associação Psiquiátrica Americana decidiu incluí-lo em seu índice (ou seção III), o que significa que estará sujeito a mais pesquisa e pode eventualmente ser incluído junto a outras dependências não baseadas em substâncias químicas, como o vício em jogos de azar.

            “Quando você é dependente de algo, seu cérebro basicamente está informando que precisa de certas substâncias neurotransmissoras, particularmente a dopamina e a serotonina, para se sentir bem”, diz o Dr. Rosen. “O cérebro aprende rapidamente que certas atividades vão liberar essas substâncias químicas. Se você é um viciado em jogos de azar, tal atividade é o jogo. Se você é um viciado em jogos online, então a atividade é jogar vídeogames. E a necessidade de receber os neurotransmissores exige que você faça repetidamente a atividade para se sentir bem.”

            Cibercondria, ou hipocondria digital

            O que é: a tendência de acreditar que você tem doenças sobre as quais leu online.

            O corpo humano é um magnífico apanhado de surpresas que constantemente nos presenteia com dores misteriosas, aflições e pequenos inchaços que não estavam ali da última vez que verificamos. Na maioria das vezes, essas pequenas anormalidades não dão em nada.

            Mas os vastos arquivos de literatura médica disponíveis online permitem que a nossa imaginação corra solta em todos os tipos de pesadelos médicos!

            Teve uma dor de cabeça? Provavelmente não é nada. Mas, de novo, a WebMD diz que essas dores de cabeça são um dos sintomas de tumor no cérebro. Há uma chance de você morrer muito em breve! É esse o tipo de pensamento que passa pela cabeça de um cibercondríaco – que juntam fatores médicos para chegar às piores conclusões possíveis.

            E isso está longe de ser incomum. Em 2008, um estudo da Microsoft descobriu que autodiagnósticos feitos a partir de ferramentas de busca online geralmente levam os “buscadores aflitos” a concluir o pior. A hipocondria sempre existiu, claro, mas antes as pessoas não tinham a Internet para ajudar a pesquisar informações médicas às três da manhã. A cibercondria é apenas uma hipocondria com conexão banda larga.

            “A Internet pode exarcebar os sentimentos existentes de hipocondria e, em alguns casos, causar novas ansiedades. Porque há muita informação médica lá fora, e algumas são reais e válidas e outras contraditórias”, disse o Dr. Rosen. “Mas, na Internet, a maioria das pessoas não pratica a leitura literal da informação. Você pode encontrar uma maneira de transformar qualquer sintoma em milhares de doenças terríveis. Você alimenta essa sensação de que está ficando doente.”

            O efeito Google

            O que é: a tendência do cérebro humano de reter menos informação porque ele sabe que as respostas estão ao alcance de alguns cliques.

            Graças à Internet, um indivíduo pode facilmente acessar quase toda a informação que a civilização armazenou ao longo de toda sua vida. Acontece que essa vantagem acabou alterando a forma como nosso cérebro funciona.

           Identificada algumas vezes como “The Google Effect” (ou efeito Google) as pesquisas mostram que o acesso ilimitado à informação faz com que nossos cérebros retenham menos informações. Ficamos preguiçosos. Em algum lugar do nosso cérebro está o pensamento “eu não preciso memorizar isso porque posso achar no Google mais tarde”.

            Segundo o Dr. Rosen, o Efeito Google não é necessariamente uma coisa ruim. Ele poderia ser visto como o marco de uma mudança social, uma evolução que apontaria para o nascimento de uma população mais esperta e mais informada. Mas também é possível, admite ele, que tenha resultados negativos em certas situações. Por exemplo, um jovem adolescente não memorizar a matéria das provas porque ele sabe que a informação estará no Google quando ele precisar, diz o médico.

Intrevista UNICAMP

            O esquecimento é comum. O esquecimento é comum? Ou o esquecimento pode ser comum e não ser? A resposta pode ser acompanhada nesta entrevista do neurologista do HC Márcio Balthazar, pesquisador colaborador do Departamento de Neurologia da Unicamp, ao Portal Unicamp, que, entre uma pesquisa e outra no Laboratório de Neuroimagem, abordou inclusive o esquecimento patológico, um mal desse século, mas que sempre existiu. Para ele, o esquecimento pode ser comum, pela falta de atenção. Já o esquecimento patológico não tem cura, mas pode ser tratado com drogas que retardam os sintomas.

Portal Unicamp – O esquecimento é um dos males do século?

Balthazar – Sim. Mas o esquecimento em geral não está, necessariamente, associado à doença cerebral. Em pessoas com idade abaixo de 60 anos, é muito comum queixas de esquecimento, mas que não têm essa ligação. Existem muitas causas de esquecimento em eventos do dia a dia relacionados à ansiedade, que é algo muito prevalente nos dias de hoje. Sintomas psiquiátricos ou psicológicos, como sintomas depressivos, sono insatisfatório, além da ansiedade, pode fazer com que a pessoa diminua a atenção quando executam certas tarefas do dia a dia. Então tendem a esquecer tais eventos. Isso pode não ser doença cerebral.

Portal Unicamp – Quais são as doenças cerebrais mais frequentes?

Balthazar – A princípio, para uma avaliação de que tem queixa de memória abaixo dos 60 anos, habitualmente é fundamental fazer uma boa entrevista acerca das características de sua vida diária: presença de sintomas psiquiátricos, bom sono, boa alimentação. Afinal, muitas outras causas podem estar envolvidas, como por exemplo o uso rotineiro de determinadas medicações controladas. São os casos dos benzodiazepínicos e de outras medicações. Alguns psicotrópicos ainda podem diminuir a concentração. Assim, a pessoa menos atenta novamente armazena menos informações e tem maior dificuldade para evocá-las depois. Ha igualmente anemias crônicas, hipotireoidismo, falta de vitamina B12, entre outros fatores, que podem provocar esquecimento. Eles podem surgir com outros problemas gerais, como a apneia do sono. São pessoas que roncam e que, muitas vezes, têm ‘microdespertares’ à noite sem tomarem consciência disso. Em consequência, passam o dia com sono e com mais dificuldade de concentração. Isso é muito comum atualmente, contudo talvez o mais frequente seja a ansiedade mesmo, isso em geral abaixo dos 60 anos (embora exista doença cerebral em qualquer idade). Acima dos 60-65 anos é de suma importância ficar atento ao esquecimento como um dos primeiros sintomas da doença de Alzheimer, a quem se atribui cerca de 80% das demênciais mundialmente.

Portal Unicamp – Mas antes disso?

Balthazar – Quando a pessoa se queixa muito da sua falta de memória, ela não tem esquecimento porque lembra do que esqueceu, enquanto algumas pessoas com doença de Alzheimer não acham que são esquecidas. Esquecem o que esqueceram. Quem vem relatando o que de fato aconteceu é o parente, quem mora junto. Já o muito queixador não tem problema, não pelo menos de origem cerebral.

Portal Unicamp – Quais os desafios encontrados pelo médico que lida com essa abordagem sempre?

Balthazar – Para o médico, fica muito difícil separar o que é relacionado ao cerebral e ao que não é. Se a pessoa tem uma queixa consistente de memória, será que isso já é doença cerebral ou serão algumas das causas mencionadas? A primeira parte dessa abordagem então é formar uma boa história a respeito disso e tentar encontrar outras causas possíveis. Se for ansiedade, é preciso tratá-la, assim como se for apneia do sono e outras causas mais. O ideal é ter uma avaliação formal da memória e de outras funções cerebrais. Há ainda a avaliação neuropsicológica. É quando são testadas a atenção, a memória, a linguagem e a capacidade de percepção visual. Dá-se um valor para isso e é comparado o desempenho da pessoa, com base na idade e na escolaridade. Se acreditarmos que a pessoa tem um desempenho objetivo de memória abaixo do esperado, a investigação ainda pode prosseguir, com exames de imagem cerebral e outros.

Portal Unicamp – Quais os primeiros indícios do esquecimento?

Balthazar – Algumas características clínicas mais comuns são o fato da pessoa ter dificuldade em se manter atualizada e ser repetitiva. Esquecimento benigno quase todos temos. A frequência com que o esquecimento ocorre é que é preocupante. Se o esquecimento começa a ser consistente e diário, são sinais de alerta para uma possível doença cerebral. Todavia, algumas características também envolvendo dificuldade de orientação no tempo, sobretudo confundir “mês e ano”, indica a chance de serem mais relacionados à doença cerebral do que confundir o “dia”, por exemplo, sobretudo quando se pergunta de supetão. Pode ser que alguém realmente não se lembre. Contudo, repetitividade é uma das coisas principais para a evolução da patologia.

Portal Unicamp – E, quanto ao uso do computador e das novas tecnologias, eles exigem menos das pessoas para memorizar?

Balthazar – Eu pessoalmente penso que não. Vejo mais como um auxílio, até porque, para saber lidar com o computador – ligá-lo, saber usar o teclado, o que fazer em cada etapa -, é preciso compreender funções cognitivas complexas. Essa questão talvez se refira mais ao fato de usar a tecnologia como muleta, como um caderninho de anotações. Temos tantas coisas para fazer ao mesmo tempo que eu acho que essas inovações tecnológicas só vêm a contribuir.É claro que com a devida parcimônia.

Portal Unicamp – No atendimento que se presta no HC, por outro lado, vocês se deparam com aquela pessoa que tem ‘memória de elefante’?

Balthazar – Esses casos não acabam chegando no médico muitas vezes. Mas existem alguns relatos na literatura falando sobre esse tópico que se chama hipermnésia. Ele é comum em algumas situações, em alguns subtipos de autistas principalmente, como no filme Rain man, em que eles têm uma capacidade mnésica muito grande, específica para algumas coisas em detrimento de outras. Memória visual é uma delas. Para alguns casos, eles têm essa ‘memória de elefante’ ou hipermnésia. Também há o quadro de pessoas que são acima do normal. É raro. Seria uma memória espetacular para detalhes. Tem gente que vê uma figura com cinco anos de idade e consegue reproduzi-la fielmente aos 15. As causas disso não são muito bem conhecidas, mas nesse caso faz parte de processo patológico.

Portal Unicamp – Há como prevenir a falta de memória?

Balthazar – Pensando em termos da doença cerebral mais prevalente, que é a doença de Alzheimer, tem como diminuir as chances disso vir a acontecer. O segredinho é: tenha UMA VIDA SAUDÁVEL. Na verdade, entendo vida saudável como uma vida mental ativa, uma vida profissional com objetivos, uma vida pessoal também com objetivos e em que haja interesse em se manter atualizado, em que a pessoa tenha boa escolaridade, que tenha boas leituras e tenha desafios constantes. A solidão normalmente prejudica, a priori os idosos. Além da parte mental, já foi demonstrado ainda que atividade física aeróbica reduz risco de desenvolver doença de memória como a doença de Alzheimer. A alimentação também. Mas essa doença ainda não tem cura e tende a progredir, fazendo com que a pessoa perca a sua independência, qualidade que tanto prezamos. Nesse sentido é muito grave.

Portal Unicamp – Como ela é tratada atualmente?

Balthazar – Há diversas abordagens. Uma vez feito o diagnóstico, há medicações para doença de Alzheimer. Essa medicação, no entanto, não serve para quem tem queixa de memória e que não desenvolveu a doença. Ela só pode ser usada para a doença em si, mesmo na fase leve.

Portal Unicamp – Quais são as classes de medicamentos mais usadas?

Balthazar – A classe mais específica é anticolinesterásica. São três drogas mais empregadas e que são liberadas pela Farmácia de Alto Custo do HC: donepezil, galantamina e rivastigmina. Uma quarta droga, adotada na fase moderada a avançada, que é a memantina.

Portal Unicamp – O que essas drogas promovem?

Balthazar – Essas medicações não agem na causa do problema. O que foi mostrado é que grupos de pessoas que usam essas medicações pioram mais lentamente do que grupos que não usam. O uso dessas drogas ajudam a melhorar comportamentos. São indicadas para todas as pessoas, mas alguns pacientes respondem melhor que os outros, trazendo uma certa estabilização do quadro.

Portal Unicamp – Como melhorar a memória?

Balthazar – Manter uma vida mentalmente ativa, com relações sociais preservadas, com interesses mantidos. Todavia, é preciso saber dosar isso. Agora, realizar muitas atividades ao mesmo tempo acaba prejudicando.

Portal Unicamp – Tem algum exercício que ajuda a ativar a memória?

Balthazar – Não gosto de indicar que as pessoas façam exercícios que nada tenham a ver com a prática dos nossos pacientes, como muitos orientam. Prefiro falar para os pacientes manterem as atividades da vida real. Ou seja, para idosos, que a família prefere que não façam mais nada e fiquem em casa, eu aconselho continuar com algumas atividades. Esse idoso deve ir com o familiar ao mercado, fazer comida, deixar escolher os produtos do mercado, deixar ver o quanto custam, decidir pelo preço, conhecer sobre a vida financeira da família e saber o quanto têm no banco. É necessário ter uma postura crítica para coisas que são relevantes no mundo real.

Portal Unicamp – Memória não quer dizer inteligência, não é?

Balthazar – A pessoa pode se manter lúcida e com capacidade de julgar muita coisa, porém amnésica (esquecida). Isso não tem a ver com inteligência necessariamente. Pode ser uma pessoa brilhante, mas que começa a apresentar uma doença do esquecimento, mesmo se mantendo brilhante e lúcida por muito tempo, com a linguagem preservada por muito tempo e a capacidade espacial preservada por muito tempo. Entretanto, prosseguem tendo esquecimento.

Portal Unicamp – O que pretende avaliar ainda?

Balthazar – Agora realizaremos uma nova investigação que pretende acompanhar pacientes no HC ao longo de dois anos com avaliações semestrais, de preferência de pessoas que tenham problema objetivo de memória. Estão sendo selecionadas pessoas com idade acima de 50 anos. Elas serão seguidas com uma série de exames novos, que são os biomarcadores: ressonância magnética com seis tipos de análise, avaliação neuropsicológica (testes de memória, linguagem e orientação), exame de líquor (em que se dosa proteína específica da doença de Alzheimer) e sangue que será guardado para fazer a parte genética, testando, no futuro, quatro genes. Os interessados em participar da pesquisa devem enviar um e-mail para o neurologista Balthazar.

Portal Unicamp – Para encerrar, o esquecimento é benéfico?

Balthazar – Tem um poema do Bertolt Brecht intitulado “Elogio do esquecimento” (leia a seguir). A ideia que passa é que esquecer faz parte também. Se não esquecemos algumas coisas, a gente não cresce também.

http://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2013/05/27/saude-esquecimento-natural-precisa-de-atencaodiz-neurologista

http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2011/12/25/897563/11-razes-seu-esquecimento.html

http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/10-alimentos-otimos-para-a-memoria/

https://familia.com.br/8902/10-exercicios-essenciais-para-manter-o-cerebro-sadio

https://familia.com.br/10581/5-tecnicas-para-combater-o-esquecimento

http://idgnow.com.br/internet/2013/10/16/oito-novas-doencas-mentais-que-atingem-voce-por-causa-da-internet/

 *voltar ao indice*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: